SILAGEM DE GRÃO ÚMIDO OU GRÃO SECO DE SORGO COMO FONTE ENERGÉTICA PARA BEZERRAS DE DOIS GRUPOS GENÉTICOS

Autores

  • Luiz Angelo Damian Pizzuti Universidade Federal de Santa Maria
  • Miguelangelo Ziegler Arboitte Universidade Federal de Santa Maria
  • Luiz Antero de Oliveira Peixoto
  • Ivan Luiz Brondani Universidade Federal de Santa Maria
  • João Restle Universidade Federal de Santa Maria
  • Dari Celestino Alves Filho Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v10i4.3550

Palavras-chave:

Nutrição animal

Resumo

Avaliaram-se o desempenho e o desenvolvimento corporal de bezerras Charolês (CH) e 5/8Nelore 3/8Charolês (5/8NC), alimentadas em confinamento com silagem de grão úmido ou seco de sorgo. A relação volumoso (silagem de milho):concentrado foi de 60:40 na matéria seca (MS). A média do peso e da idade inicial das bezerras foi de 96,9±8,5 kg e cinco meses. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, em arranjo fatorial 2 x 2 (tipos de conservação de grãos de sorgo x grupos genéticos). Não ocorreu interação significativa entre tipo de conservação do grão de sorgo e grupo genético, para as variáveis estudadas. Não se verificou diferença (P>0,05) quanto aos consumos diário de MS (CMS) de 3,83 e 3,84 kg MS/dia, energia digestível (CED) de 14,59, 14,92 Mcal/dia, para grão úmido e seco, respectivamente. O ganho médio diário de peso (GMD) foi de 0,80 e 0,83 kg, o peso final (PF) de 165 e 165,5 kg e a conversão alimentar (CA) de 4,78 e 4,63 para grão úmido e seco (P>0,05), respectivamente. Os parâmetros de crescimento das bezerras quanto ao tipo de conservação dos grãos de sorgo não diferiram. O ganho em estado corporal (GEC) foi superior (P<0,05) para o grão úmido (0,33 pontos) em comparação ao grão seco (0,22 pontos). Para os grupos genéticos estudados não se verificou diferença (P>0,05) quanto ao CMS, CED, GMD, CA e PF. As bezerras 5/8NC comparadas às CH apresentaram estado corporal final superior (P<0,05) (3,1 contra 3,0 pontos), assim como altura inicial (91,12 contra 83,62 cm) e final (102,62 contra 94,87 cm) de cernelha, altura inicial (99,37 contra 89,69 cm) e final (108,87 contra 101,37 cm) de garupa. As bezerras CH apresentaram maior (P<0,05) perímetro torácico 24,94 contra 20,56 cm das 5/8NC.
PALAVRAS-CHAVES: Altura de garupa, cernelha, cruzamento, ganho médio diário, perímetro torácico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Angelo Damian Pizzuti, Universidade Federal de Santa Maria

Aluno de Graduação em Zootecnia – Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil – Bolsista CNPQ

Miguelangelo Ziegler Arboitte, Universidade Federal de Santa Maria

Msc. Prof. do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense – Campus Sombrio/SC, Doutorando, Programa de Pós-Graduação em Zootecnia – UFSM; e-mail: marboitte@hotmail.com

Luiz Antero de Oliveira Peixoto

Dr. Prof. do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha – Campus Julio de Castilhos/RS; e-mail: laope@pop.com.br

Ivan Luiz Brondani, Universidade Federal de Santa Maria

Dr. Professor Adjunto Departamento de Zootecnia – UFSM

João Restle, Universidade Federal de Santa Maria

PhD. Prof. Programa de Pós-graduação em Zootecnia-UFSM

Dari Celestino Alves Filho, Universidade Federal de Santa Maria

Dr. Professor Adjunto Departamento de Zootecnia – UFSM

Downloads

Publicado

2009-12-17

Como Citar

PIZZUTI, L. A. D.; ARBOITTE, M. Z.; PEIXOTO, L. A. de O.; BRONDANI, I. L.; RESTLE, J.; ALVES FILHO, D. C. SILAGEM DE GRÃO ÚMIDO OU GRÃO SECO DE SORGO COMO FONTE ENERGÉTICA PARA BEZERRAS DE DOIS GRUPOS GENÉTICOS. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 10, n. 4, p. 1055–1065, 2009. DOI: 10.5216/cab.v10i4.3550. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/3550. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Produção Animal