MICROBIOTA CÉRVICO-VAGINAL DURANTE O FINAL DE GESTAÇÃO E PUERPÉRIO EM VACAS GIROLANDO

Autores

  • Alexandro Aluísio Rocha
  • Maria Lúcia Gambarini
  • Maria Auxiliadora Andrade
  • Benedito Dias de Oliveira Filho
  • Frederico Araújo Gomes

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v5i4.337

Resumo

Este estudo foi desenvolvido com o objetivo de verificar as alterações presentes na microbiota cérvico-vaginal durante o final da gestação e o puerpério em vacas da raça Girolando. Para isso, no período compreendido entre27 dias antes do parto e 58 dias após, foram realizados 117 cultivos bacteriológicos, oriundos de material colhido da região cérvico-vaginal a intervalos de 14 dias, com exceção do período compreendido entre o dia zero (parto) e o dia 2. Foram obtidos 101 isolamentos, constatando-se que as amostras negativas predominaram durante o período pré-parto (58,8%) e no final do puerpério (44%), mas que durante o período entre o parto e o 16o dia todas as amostras colhidas foram positivas ao cultivo e isolamento microbiano.Os agentes isolados foram: Escherichia coli (27,72%),Staphylococcus coagulase negativa (21,78%),Staphylococcus coagulase positiva (1,98%), Streptococcus spp. (19,80%), Corynebacterium spp. (7,92%), Corynebacterium bovis (3,98%), Bacillus spp. (6,98%),Pseudomonas spp. (3,96%), Enterobacter aerogenes (1,98%), Actinomyces pyogenes (1,98%), Citrobacter freundii (0,99%) e Citrobacter amalonaticus (0,99%). Amostras obtidas de fêmeas primíparas mostraram maior positividade, sugerindo sensibilidade alterada dessa categoria à contaminação do trato reprodutor por microrganismos no período subseqüente ao parto. PALAVRAS-CHAVE: Bovinos, microbiota cérvico-vaginal, parto, puerpério.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-10-27

Como Citar

ROCHA, A. A.; GAMBARINI, M. L.; ANDRADE, M. A.; OLIVEIRA FILHO, B. D. de; GOMES, F. A. MICROBIOTA CÉRVICO-VAGINAL DURANTE O FINAL DE GESTAÇÃO E PUERPÉRIO EM VACAS GIROLANDO. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 5, n. 4, p. 215–220, 2006. DOI: 10.5216/cab.v5i4.337. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/337. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária