ANÁLISE MORFOLÓGICA E MICROBIOLÓGICA UTILIZANDO-SE DIFERENTES MÉTODOS DE PRESERVAÇÃO SOBRE A CAMADA MUSCULAR DO INTESTINO DELGADO DE CÃES

Autores

  • Francisco Cláudio Dantas Mota
  • Duvaldo Eurides
  • Patrícia Maria Coletto Freitas
  • Marcelo Emílio Beletti
  • Eneida César Mastrantonio
  • Bianca Jacob Shimizu
  • Luiz Antônio Franco da Silva
  • Júlio Roquete Cardoso
  • Alan Kardec Martins

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v4i2.308

Resumo

Foram avaliadas 40 amostras da camada muscular do intestino delgado de cães, mantidas em diferentes soluções preservadoras, a saber – solução 1: glicerina a 98%;solução 2: tintura alcóolica de tiomersal 1:1000; solução 3:solução fisiológica 0,9% congelada a -16oC com antibiótico; solução 4: solução fisiológica 0,9% congelada a -16oC,solução 5: polivinilpirrolidona a 50%; solução 6: solução supersaturada de açúcar na concentração de 300%, e solução 7: solução supersaturada de açúcar na concentração de 300% com antibiótico. As amostras foram mantidas nos meios de preservação por 45 dias e após esse período submetidas à analise microbiológica e avaliadas pelos aspectos macroscópicos, histológico e pelo analisador de imagens HL Image 97++. Não houve crescimento de microorganismo em nenhum dos meios estudados. A glicerina a 98% e a solução de açúcar supersaturada na concentração de 300%,com e sem antibiótico, foram os melhores preservadores, por manterem a integridade celular. PALAVRAS-CHAVE: Integridade celular, preservação, análise microbiológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-10-26

Como Citar

MOTA, F. C. D.; EURIDES, D.; FREITAS, P. M. C.; BELETTI, M. E.; MASTRANTONIO, E. C.; SHIMIZU, B. J.; SILVA, L. A. F. da; CARDOSO, J. R.; MARTINS, A. K. ANÁLISE MORFOLÓGICA E MICROBIOLÓGICA UTILIZANDO-SE DIFERENTES MÉTODOS DE PRESERVAÇÃO SOBRE A CAMADA MUSCULAR DO INTESTINO DELGADO DE CÃES. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 4, n. 2, p. 117–123, 2006. DOI: 10.5216/cab.v4i2.308. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/308. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária