VARIABILIDADE GENÉTICA DA RÃ-TOURO GIGANTE (Rana catesbeiana) PROVENIENTE DE POPULAÇÕES DOS ESTADOS DE GOIÁS, PARÁ E PARANÁ, CRIADAS EM SISTEMA INTENSIVO DE CULTIVO

Autores

  • Elenice Cristina Pires Prim
  • João Teodoro Padua
  • Luiz Artur Mendes Bataus

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v4i1.302

Resumo

Durante os meses de julho a outubro de 2001 foi realizado um experimento a fim de verificar a variabilidade genética entre os animais Rana catesbeiana de ranários dos estados de Goiás, Pará e Paraná. A diversidade genética foi avaliada utilizando-se marcador molecular tipo RAPD. Ensaios tipo RAPD resultaram em 105 marcadores (bandas), os quais foram todos polimórficos. Procedendo-se à análise de divergência genética calculada pelo software WINAMOVA, a variação genética intrapopulacional (65,15%) foi maior que a variação entre populações (34,85%). Utilizou-se a soma dos quadrados internos para estimar a variabilidade interna de cada população, e os dados mostraram que os animais do estado de Goiás apresentaram a maior diversidade interna (148,4167). A análise das distâncias genéticas entre populações (pelo teste PhiST) mostrou que os animais provenientes dos estados de Goiás e Paraná formaram um grupo (distância genética de 0,2002) e os do estado do Pará formaram um grupo à parte (distância Pará e Goiás 0,3783, Pará e Paraná 0,4283). PALAVRAS-CHAVE: Divergência genética, marcador molecular, populações, Rana catesbeiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-10-26

Como Citar

PRIM, E. C. P.; PADUA, J. T.; BATAUS, L. A. M. VARIABILIDADE GENÉTICA DA RÃ-TOURO GIGANTE (Rana catesbeiana) PROVENIENTE DE POPULAÇÕES DOS ESTADOS DE GOIÁS, PARÁ E PARANÁ, CRIADAS EM SISTEMA INTENSIVO DE CULTIVO. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 4, n. 1, p. 1–6, 2006. DOI: 10.5216/cab.v4i1.302. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/302. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Produção Animal