OXITOCINA NO SÊMEN SUÍNO HETEROSPÉRMICO RESFRIADO A 15 oC

Autores

  • Luis David Solis Murgas
  • Márcio Gilberto Zangerônimo
  • Anna Graciela Oliveira Santos
  • Silvio Luiz de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v3i2.287

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da oxitocina sobre a qualidade do sêmen suíno heterospérmico diluído em BTS e armazenado a 15 °C. Foram utilizadas três misturas de dois ejaculados, coletados de quatro animais mestiços. As doses contendo o sêmen foram armazenadas em geladeira, em garrafas plásticas, sem oxitocina (T1) e outra com adição de oxitocina (T2) na concentração de 2,5 UI/ dose. Amostras de sêmen foram retiradas nos tempos zero, 24 e 48 horas para avaliações de fertilidade. Os valores médios encontrados para motilidade, vigor, percentagem de espermatozóides vivos e integridade de acrossoma foram respectivamente de 63,0%, 2,9, 90,0% e 98,0% no tempo 24 h e 55,0%, 2,7, 90,6% e 97,2% no tempo 48 h de armazenamento. E para o sêmen tratado com oxitocina (T2) os valores médios encontrados foram: 63,0%, 3,0, 90,7% e 97%,1 no tempo 24 h e 58,0%, 2,8, 88,6% e 97,1% no tempo 48 h. As análises estatísticas mostraram que houve diferenças significativas apenas para o vigor espermático, mas que a oxitocina pode ser utilizada como meio de aumentar a taxa de concepção dos animais. PALAVRAS-CHAVE: Inseminação artificial, suínos, sêmen heterospérmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-10-25

Como Citar

MURGAS, L. D. S.; ZANGERÔNIMO, M. G.; SANTOS, A. G. O.; OLIVEIRA, S. L. de. OXITOCINA NO SÊMEN SUÍNO HETEROSPÉRMICO RESFRIADO A 15 oC. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 3, n. 2, p. 33–40, 2006. DOI: 10.5216/cab.v3i2.287. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/287. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária