CEPAS DE STAPHYLOCOCCUS SPP. ISOLADAS DE CARCAÇAS DE FRANGO COMERCIALIZADAS NA CIDADE DO RECIFE - PE, BRASIL

Autores

  • Manuela Figueiroa Lyra de Freitas
  • Rinaldo Aparecido Mota
  • Sineide Maria de Oliveira Vilela
  • Maria José de Sena
  • Rozelia Bezerra

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v2i2.261

Resumo

Com o objetivo de isolar, quantificar e classificar amostras de Staphylococcus spp. em carcaças de frango e testar sua sensibilidade aos antibióticos, foram analisadas 15 amostras comercializadas na cidade do Recife, sendo dez resfriadas e cinco in natura. Das 15 carcaças de frango analisadas, oito foram positivas para Staphylococcus spp. e sete para Staphylococcus aureus. Das 33 cepas isoladas das carcaças de frango, 13/33 (39,4%) foram classificadas como Staphylococcus aureus e 20/33 (60,6%) como Staphylococcus spp. As contagens de Staphylococcus spp. variaram de 101 a 104 Unidades Formadoras de Colônias por grama (UFC/g), sendo que as contagens de 101 UFC/g representaram 1/15 (6,7%) do total de amostras analisadas, as de 102 UFC/g, 8/15 (53,3%), as de 103 UFC/g, 4/15 (26,7%) e as de 104 UFC/g, 2/15 (13,3%). Com relação à sensibilidade às drogas antimicrobianas a maioria das cepas foi sensível ao cloranfenicol 30/33 (91,0%) e mostrou-se resistente à bacitracina 17/33 (51,5%), penicilina 14/33 (42,4%) e sulfa+trimetoprim 14/33 (42,4%). PALAVRAS-CHAVE: Staphylococcus spp., carcaça de frango, ocorrência, antibióticos, sensibilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-10-23

Como Citar

FREITAS, M. F. L. de; MOTA, R. A.; VILELA, S. M. de O.; SENA, M. J. de; BEZERRA, R. CEPAS DE STAPHYLOCOCCUS SPP. ISOLADAS DE CARCAÇAS DE FRANGO COMERCIALIZADAS NA CIDADE DO RECIFE - PE, BRASIL. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 2, n. 2, p. 139–145, 2006. DOI: 10.5216/cab.v2i2.261. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/261. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária