CONCENTRAÇÃO DE FIBRAS (FDN e FDA) E MINERAIS DE CULTIVARES DE MILHETO EM SUCESSÃO À CULTURA DE FEIJÃO NO SUL DE MINAS GERAIS

Autores

  • Marcos Carvalho Maia
  • José Cardoso Pinto
  • Antônio Ricardo Evangelista

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v1i1.241

Resumo

O milheto [Pennisetum americanum (L.) Leeke] foi cultivado em sucessão à cultura de feijão (Phaseolus vulgaris L.) no Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Avaliaram-se os teores de fibra e minerais de três cultivares de milheto (milheto comum, BN 2 e CMS 02), semeadas após a cultura do feijão das águas, sem nenhuma adubação adicional, na safrinha, em quatro épocas de semeadura, com espaços de 20 dias, a partir de 22/2/1997, no delineamento de blocos ao acaso, em esquema de parcelas subdivididas, alocando as épocas nas parcelas principais e as cultivares nas subparcelas. A menor concentração de FDN (66,85%) foi determinada na cultivar milheto comum. As cultivares de milheto não diferiram em relação ao teor de FDA; a média das três cultivares foi de 40,8%. De um modo geral, os teores de P e K na forragem de milheto diminuíram da época de semeadura 1 para a época 4, enquanto os teores de Ca e Mg apresentaram comportamento oposto. Sugere-se que, na região de Lavras-MG, o milheto seja semeado até meados do mês de março, na safrinha, em plantio de sucessão, utilizando-se as cultivares BN 2 e milheto comum. PALAVRAS-CHAVE: Adubação residual, composição química, época de semeadura, safrinha.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-10-19

Como Citar

MAIA, M. C.; PINTO, J. C.; EVANGELISTA, A. R. CONCENTRAÇÃO DE FIBRAS (FDN e FDA) E MINERAIS DE CULTIVARES DE MILHETO EM SUCESSÃO À CULTURA DE FEIJÃO NO SUL DE MINAS GERAIS. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 1, n. 1, p. 23–29, 2006. DOI: 10.5216/cab.v1i1.241. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/241. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Produção Animal