CONSUMO, DIGESTIBILIDADE E TAXA DE PASSAGEM RUMINAL EM OVELHAS GESTANTES

Autores

  • Gilberto de L. Macedo Junior Universidade Federal de Uberlândia
  • Yuri Ida Benevides Agroceres
  • Warley Effren Campos MAPA - Brasília, DF
  • Iran Borges Universidade Federal de Minas Gerais/ Escola de Medicina Veterinária/Departamento de Zootecnia
  • Norberto Mario Rodriguez Universidade Federal de Minas Gerais/ Escola de Medicina Veterinária/Departamento de Zootecnia
  • Deborah Alves Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v13i4.18826

Palavras-chave:

Nutrição Animal

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar a influência da gestação, número de fetos e restrição nutricional no consumo e digestibilidade de alguns componentes químicos e a taxa de passagem ruminal. Foram utilizadas 24 ovelhas aos 90, 110 e 130 dias de gestação, divididas entre os tratamentos em função do número de fetos. Os animais receberam dietas balanceadas ou restritas em 15% nos requisitos de energia e proteína. Ovelhas com dois fetos submetidas à restrição nutricional consumiram mais matéria seca que aquelas com um feto. Aos 130 dias de gestação, houve maior consumo de matéria seca e fibra em detergente neutro. Ovelhas de gestação dupla apresentam maior digestibilidade dos nutrientes, exceto nas frações fibrosas. A restrição alimentar acarretou menor ingestão de matéria seca. A taxa de passagem ruminal aumenta ao final da gestação.

PALAVRAS-CHAVE: manejo alimentar; número de fetos; ovinos; pré-parto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2012-12-14

Como Citar

MACEDO JUNIOR, G. de L.; BENEVIDES, Y. I.; CAMPOS, W. E.; BORGES, I.; RODRIGUEZ, N. M.; FERREIRA, D. A. CONSUMO, DIGESTIBILIDADE E TAXA DE PASSAGEM RUMINAL EM OVELHAS GESTANTES. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 13, n. 4, p. 429–439, 2012. DOI: 10.5216/cab.v13i4.18826. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/18826. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Produção Animal