CURVAS DE RESFRIAMENTO DO SÊMEN DO VARRÃO DILUÍDO EM ACP®103 ADICIONADO DE GEMA DE OVO EM CONCENTRAÇÃO FIXA

Autores

  • Tatyane Bandeira Barros 1Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias – UECE
  • Luciana de Souza Toniolli 2Bolsista IC-LRSTS - Cursos de Ciências Biológicas e Veterinária/UECE
  • Daianny Barboza Guimarães 2Bolsista IC-LRSTS - Cursos de Ciências Biológicas e Veterinária/UECE
  • Eduardo Nunes de Freitas 2Bolsista IC-LRSTS - Cursos de Ciências Biológicas e Veterinária/UECE
  • Thalles Gothardo Pereira Nunes 2Bolsista IC-LRSTS - Cursos de Ciências Biológicas e Veterinária/UECE
  • Ricardo Toniolli 3Laboratório de Reprodução Suína e Tecnologia de Sêmen (LRSTS) – FAVET/UECE

DOI:

https://doi.org/10.1590/cab17417645

Palavras-chave:

Reprodução animal

Resumo

A conservação do sêmen suíno em temperaturas mais baixas pode permitir uma maior expansão    da inseminação artificial nessa espécie. A gema de ovo apresenta propriedades crioprotetoras já amplamente testadas na conservação seminal de diversas espécies. Este trabalho teve por objetivo testar diferentes curvas de temperatura na conservação do sêmen suíno diluído em água de coco    em pó (ACP®-103) acrescido de 7% de gema de ovo e verificar qual delas mantém por mais tempo  a viabilidade espermática. Para tanto, o sêmen de 36 ejaculados foi diluído e conservado a 17,        10 e 5 °C. Diariamente foram realizadas análises de vigor e motilidade e nos dias D0, D2 e D4 o sêmen foi avaliado quanto à sua viabilidade, morfologia acrossomal e resistência osmótica. Para a análise estatística foram utilizados os testes de Kruska-Wallis, com pós-teste de Dunns (dados não paramétricos) e Anova com teste de Tukey (dados paramétricos). A conservação à temperatura de 10 °C foi a que melhor manteve o vigor espermático e a motilidade em níveis adequados para ser utilizado em um programa de inseminação artificial. As análises de vitalidade, morfologia e teste hiposmótico não apresentaram diferença estatística entre os tratamentos avaliados. Em conclusão, a melhor curva de temperatura foi a de 10 °C com sêmen diluído por manter por um período maior a viabilidade da célula espermática suína.

Palavras-chave: água de coco em pó; conservação; gema de ovo; sêmen suíno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-10-28

Como Citar

BARROS, T. B.; TONIOLLI, L. de S.; GUIMARÃES, D. B.; DE FREITAS, E. N.; PEREIRA NUNES, T. G.; TONIOLLI, R. CURVAS DE RESFRIAMENTO DO SÊMEN DO VARRÃO DILUÍDO EM ACP®103 ADICIONADO DE GEMA DE OVO EM CONCENTRAÇÃO FIXA. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 17, n. 4, p. 540–549, 2016. DOI: 10.1590/cab17417645. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/17645. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária