CREATINAFOSFOQUINASE-ISOENZIMA MB MASSA (CK-MB MASSA) E TROPONINA I (cTnI) EM CÃES (Canis familiaris)

Autores

  • Millena Vidal Freitas Universidade Federal de Lavras
  • Felipp Silveira Ferreira Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Flavia Lopes Barretto Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Elisabete Sales Corrêa Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Claudio Baptista Carvalho Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

DOI:

https://doi.org/10.1590/cab.v16i3.17474

Palavras-chave:

Sanidade Animal

Resumo

Os marcadores cardíacos, sobretudo a CK-MB massa e a cTnI, tem demonstrado um papel essencial seja em cardiologia clínica ou cirúrgica veterinária e humana, permitindo um diagnóstico mais preciso e acurado nas lesões miocárdicas. O objetivo deste trabalho foi mensurar os marcadores cardíacos em tela na Medicina Veterinária, aprimorar sua utilização e obter informações sobre estes métodos laboratoriais não invasivos que permitem o monitoramento da integridade da célula miocárdica. A quantificação dos parâmetros foi feita do soro de cães saudáveis atendidos na rotina do setor de Clínica Médica de Pequenos Animais do Hospital Veterinário da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. O kit de ensaio imunométrico por quimioluminescência turbo (IMMULITE Turbo, Siemens®) humano mostrou-se eficaz na avaliação na espécie canina, tanto para CK-MB massa quanto cTnI. Além disso, os valores encontrados para CK-MB massa e cTnI contribuirão significativamente para a rotina clínica ou para os trabalhos experimentais em cães.

Palavras-chave: CK-MB massa; cTnI; lesão miocárdica; marcadores cardíacos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-07-31

Como Citar

FREITAS, M. V.; FERREIRA, F. S.; BARRETTO, F. L.; CORRÊA, E. S.; CARVALHO, C. B. CREATINAFOSFOQUINASE-ISOENZIMA MB MASSA (CK-MB MASSA) E TROPONINA I (cTnI) EM CÃES (Canis familiaris). Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 16, n. 3, p. 369–376, 2015. DOI: 10.1590/cab.v16i3.17474. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/17474. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária