EFEITOS DA LACTULOSE NA SAÚDE GASTROINTESTINAL DE FRANGOS DE CORTE EXPERIMENTALMENTE INOCULADOS COM Salmonella entérica SOROVAR Typhimurium

Autores

  • Eliete Souza Santana Universidade Estadual de Goiás
  • Maria Auxiliadora Andrade Universidade Federal de Goiás
  • Marcos Barcelos Café Universidade Federal de Goiás
  • José Henrique Stringhini Universidade Federal de Goiás
  • Tatiane Martins Rocha Universidade Federal de Goiás
  • Valéria de Sá Jaime Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v15i2.13604

Palavras-chave:

Sanidade Animal

Resumo

Avaliaram-se os efeitos da lactulose na saúde gastrointestinal de frangos de corte pela aferição do pH e enumeração de unidades formadoras de colônias (UFCs) de Salmonella Typhimurium e Escherichia coli no inglúvio e ceco de aves inoculadas experimentalmente, via oral, na dose de 5,0 X 102 UFC /0,5mL com Salmonella Typhimurium. O delineamento adotado foi o inteiramente casualizado, utilizando-se 630 pintos, machos, os quais foram distribuídos em seis tratamentos, com sete repetições e 15 aves por unidade experimental. O tratamento 1: grupo controle (placebo); tratamento 2: grupo que recebeu somente a lactulose na água; tratamento 3: grupo que recebeu somente Salmonella Typhimurium; tratamento 4: grupo que recebeu a lactulose e Salmonella Typhimurium simultaneamente no primeiro dia de vida [L (1d) + ST (1d)]; tratamento 5: grupo que recebeu a lactulose 48 horas antes de serem inoculadas com Salmonella Typhimurium [L (1d) + ST (48h)] e tratamento 6: grupo que foi inoculado com Salmonella Typhimurium no primeiro dia e 48 horas depois receberam a lactulose [ST (1d) + L (48h)]. Aos dias sete, 14, 21 e 28 uma ave por parcela foi sacrificada e os conteúdos do inglúvio e do ceco foram coletados para a aferição do pH e contagem de Salmonella Typhimurium e Escherichia coli. Constatou-se que a lactulose determinou redução nos valores (P<0,05) de pH nos conteúdos do trato digestório aos sete dias de vida, e esta redução se manteve até 28 dias somente para o inglúvio nos tratamentos que receberam a lactulose, independente do período de inoculação do patógeno. Verificou-se, também, que a lactulose reduziu (P<0,05) as UFCs de Escherichia coli e de Salmonella Typhimurium no inglúvio aos 21 e 28 dias de vida nos tratamentos em que se administrou a lactulose antes do patógeno. Pode-se concluir que a lactulose altera os valores de pH do inglúvio e reduza colonização de Salmonella Typhimurium no ceco e as UFCs de Escherichia coli no inglúvio em todo o período experimental.

PALAVRAS-CHAVE: controle, Escherichia coli, pH, unidades formadoras de colônias.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliete Souza Santana, Universidade Estadual de Goiás

Medicina Veterinária

Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Maria Auxiliadora Andrade, Universidade Federal de Goiás

Medicina Veterinária

Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Marcos Barcelos Café, Universidade Federal de Goiás

Medicina Veterinária

Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

José Henrique Stringhini, Universidade Federal de Goiás

Departamento de Produção Animal

Nutrição Animal

Tatiane Martins Rocha, Universidade Federal de Goiás

Medicina Veterinária

Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Valéria de Sá Jaime, Universidade Federal de Goiás

Medicina Veterinária

Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Downloads

Publicado

2014-06-29

Como Citar

SANTANA, E. S.; ANDRADE, M. A.; CAFÉ, M. B.; STRINGHINI, J. H.; ROCHA, T. M.; JAIME, V. de S. EFEITOS DA LACTULOSE NA SAÚDE GASTROINTESTINAL DE FRANGOS DE CORTE EXPERIMENTALMENTE INOCULADOS COM Salmonella entérica SOROVAR Typhimurium. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 187–194, 2014. DOI: 10.5216/cab.v15i2.13604. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/13604. Acesso em: 26 fev. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária