AVALIAÇÃO ULTRASONOGRÁFICA DA QUALIDADE DE CARCAÇA DE OVINOS SANTA INÊS

Autores

  • Concepta McManus UFRGS
  • Tiago do Prado Paim Centro de Energia Nuclear na Agricultura - CENA/USP
  • Helder Louvandini Centro de Energia Nuclear na Agricultura - CENA/USP
  • Bruno Dallago Unb
  • Laila Talarico Dias UFPR
  • Rodrigo Almeida Teixeira UFPR

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v14i1.12336

Palavras-chave:

rendimento de carcaça, área de olho de lombo, castrado, adipômetro, correlação, regressão.

Resumo

A ultrassonografia pode ser uma importante ferramenta para a avaliação da composição da carcaça por ser uma técnica não invasiva que permite quantificar diferentes tecidos em animais vivos. O objetivo deste trabalho foi estimar as correlações entre medidas tomadas in vivo, por meio do ultrassom e do adipômetro, e na carcaça de ovinos da raça Santa Inês. Utilizaram-se 81 machos, entre 8 e 18 meses de idade, com peso médio de 31 kg. As medidas in vivo obtidas por ultrassonografia foram medida diagonal longitudinal, área de olho de lombo longitudinal, medida diagonal transversal e área de olho de lombo transversal. Determinou-se o peso de carcaça quente, rendimento da carcaça, gordura de cobertura da carcaça, comprimento de carcaça, área de olho de lombo da carcaça e peso dos cortes comerciais: pernil, lombo, paleta, costela e pescoço. As análises de variância, componentes principais, regressão polinomial e correlação foram realizadas utilizando-se programa estatístico SAS®. Não houve diferença entre animais castrados e inteiros para qualidade e componentes de carcaça, indicando, portanto, que a castração não proporciona uma carcaça de melhor qualidade. Os animais com os pesos de pernil, paleta e costela maiores apresentam menores peso de pele, altura de cernelha e peso dos órgãos abdominais, caracterizando um biotipo de animal que seria mais desejável a ser selecionado. Peso vivo, comprimento corporal e área de olho de lombo por ultrassom (in vivo) podem ser usados para predizer a área do olho de lombo da carcaça, peso do pernil, comprimento da carcaça, peso da carcaça quente e da meia carcaça. No entanto, o peso do lombo, pescoço, costela, rendimento de carcaça e peso dos órgãos abdominais não podem ser preditos por estas medidas in vivo. As medidas realizadas com adipômetro não apresentaram correlações significativas com medidas da carcaça, o que indica que não são eficientes para esta predição e, portanto, não devem ser utilizadas.

PALAVRAS-CHAVE: adipômetro; área de olho de lombo; castrado; correlação; regressão; rendimento de carcaça.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2013-03-26

Como Citar

MCMANUS, C.; PAIM, T. do P.; LOUVANDINI, H.; DALLAGO, B.; DIAS, L. T.; TEIXEIRA, R. A. AVALIAÇÃO ULTRASONOGRÁFICA DA QUALIDADE DE CARCAÇA DE OVINOS SANTA INÊS. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 8–16, 2013. DOI: 10.5216/cab.v14i1.12336. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/12336. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Produção Animal