LEUCOENCEFALOMALÁCIA EM EQUÍDEOS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

Autores

  • Antônio Carlos Lopes Câmara Clínica de Bovinos – Campus Garanhuns – Universidade Federal Rural de Pernambuco. Avenida Bom Pastor s/n. Caixa Postal 152, Mundaú, Garanhuns, Pernambuco.
  • José Augusto Bastos Afonso Clínica de Bovinos - Campus Garanhuns - UFRPE
  • Franklin Riet-Correa Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Campus de Patos
  • Carla Lopes de Mendonça Clínica de Bovinos - Campus Garanhuns - UFRPE
  • Antônio Flávio M. Dantas Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Campus de Patos
  • Nivaldo de Azevêdo Costa Clínica de Bovinos - Campus Garanhuns - UFRPE
  • Alexandre Cruz Dantas Clínica de Bovinos - Campus Garanhuns - UFRPE
  • Henrique Araújo Costa Neto Clínica de Bovinos - Campus Garanhuns - UFRPE
  • Anne Grace Silva Siqueira Campos Clínica de Bovinos - Campus Garanhuns - UFRPE
  • Maria Isabel de Souza Clínica de Bovinos - Campus Garanhuns - UFRPE

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v9i2.1222

Palavras-chave:

Leucoencefalomalacia, eqüinos, muares, semi-árido, fumonisinas.

Resumo

Este artigo descreve cinco casos de leucoencefalomalácia (LEME) em eqüinos e um caso em muar ocorridos no Agreste do Estado de Pernambuco. Todos os animais tinham histórico de ingestão de milho ou subprodutos. A doença ocorreu em diferentes épocas do ano, tanto na seca quanto na chuva. Os animais apresentaram sinais nervosos e a evolução clínica foi de 24 horas a treze dias. As lesões macroscópicas e histológicas caracterizaram-se por malacia do centrum semi-ovale e corona radiata em todos os casos, tronco encefálico em três casos e cápsula interna em um caso. Lesões degenerativas do fígado foram observadas em um dos quatro casos em que foi estudada a histologia desse órgão. Esse animal apresentou, também, aumento dos níveis séricos de AST e GGT. Este trabalho comprova que a LEME é uma doença que pode ser importante em eqüídeos, na região Nordeste. Para a profilaxia da micotoxicose, recomenda-se o armazenamento do grão em ambientes livres de umidade, após ser submetido a um correto processo de secagem, além de evitar a administração de milho e subprodutos como único alimento.

 

PALAVRAS-CHAVES: Leucoencefalomalácia, eqüinos, muares, semi-árido, fumonisinas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-07-09

Como Citar

CÂMARA, A. C. L.; AFONSO, J. A. B.; RIET-CORREA, F.; MENDONÇA, C. L. de; DANTAS, A. F. M.; COSTA, N. de A.; DANTAS, A. C.; NETO, H. A. C.; CAMPOS, A. G. S. S.; SOUZA, M. I. de. LEUCOENCEFALOMALÁCIA EM EQUÍDEOS NO ESTADO DE PERNAMBUCO. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 9, n. 2, p. 470–479, 2008. DOI: 10.5216/cab.v9i2.1222. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/1222. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária