ORIGEM E RAMIFICAÇÕES DAS ARTÉRIAS MESENTÉRICAS CRANIAL E CAUDAL DO CÁGADO – DE- BARBICHA Phrynops geoffroanus (TESTUDINES; CHELIDAE)

Autores

  • Juliana Macedo M. Silva Universidade Federal de Uberlandia
  • André Luiz Q. Santos Universidade Federal de Uberlandia
  • Heloisa Castro Pereira Universidade Federal de Uberlandia
  • Luiz Martins Silva Junior Universidade Federal de Uberlandia
  • Liria Queiroz Luz Hirano Universidade Federal de Uberlandia
  • Antonio Vicente Mundim Universidade Federal de Uberlandia

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v12i2.11001

Palavras-chave:

Anatomia, Phrynops geoffroanus, répteis, artérias

Resumo

Objetivou-se descrever a origem e ramificação das artérias mesentéricas cranial e caudal no cágado-de-barbicha e, assim, fornecer subsídios para procedimentos clínicos e cirúrgicos. Foram utilizados cinco espécimes de Phrynops geoffroanus de vida livre, que se encontravam alojados no Laboratório de Ensino e Pesquisa em Animais Silvestres da Universidade Federal de Uberlândia e que foram a óbito por causas naturais. Após extração de parte da carapaça para identificação das estruturas internas, a artéria aorta foi canalizada e preenchida por látex sintético. A artéria mesentérica cranial se originou da artéria aorta e ramificou-se em artérias jejunais, artéria pancreaticoduodenal caudal e artéria ileocólica. A artéria mesentérica caudal se subdividiu em dois ramos, um cranial e outro caudal, e também teve sua origem na porção final da artéria aorta. O ramo cranial dessa estrutura se uniu à artéria ileocólica na face dorsal do cólon-reto.

PALAVRAS-CHAVE: Anatomia; artérias; Phrynops geoffroanus; répteis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-06-25

Como Citar

SILVA, J. M. M.; SANTOS, A. L. Q.; PEREIRA, H. C.; SILVA JUNIOR, L. M.; HIRANO, L. Q. L.; MUNDIM, A. V. ORIGEM E RAMIFICAÇÕES DAS ARTÉRIAS MESENTÉRICAS CRANIAL E CAUDAL DO CÁGADO – DE- BARBICHA Phrynops geoffroanus (TESTUDINES; CHELIDAE). Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 12, n. 2, p. 371–375, 2011. DOI: 10.5216/cab.v12i2.11001. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/11001. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária