EXPERIÊNCIAS AUTOETNOGRÁFICAS COM O TRABALHO: a estética da feira

a estética da feira

Autores

  • EGUIMAR FELÍCIO CHAVEIRO Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil. eguimar@ufg.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v12i1.74843

Palavras-chave:

AUTOETINOBIOGRAFIA

Resumo

Ao recorrer ao expediente metodológico da autoetnografia, o qual valida as experiências dos sujeitos em situações de pesquisa, apresentar-se-á uma interpretação de um texto literário que enfoca a minha experiência de trabalhador na Feira de Trindade-Go. O texto – “A estética da feira”, uma crônica-ensaio, foi feito mediante a aglutinação entre uma crítica à estética performática e o relato da significação da feira que, durante alguns anos, foi o alicerce econômico da minha família. Para a sua consecução, desenvolveu-se uma reflexão do trabalho como operador de vida e como instância que se concretiza espacialmente. A interpretação da experiência de trabalhador informal se concretizou num enlace de escalas, dimensões e atividades de sujeitos. Foram observadas a dimensão econômica da feira, a dimensão espacial, temporal, afetiva e simbólica e os sujeitos diversos. A leitura das dimensões e dos sujeitos permitiram enxergar que a relação entre trabalho, memória e narrativa, estabelecida entre o específico e o universal, revela as condições e as contradições espaço/temporais de Trindade e também da sociedade brasileira. Ao proceder assim a autobiografia, sob a lupa da intepretação teórica, torna-se um aporte de uma etnografia do país, pois a minha experiência pessoal revela-se na experiência da minha família, e de todos os trabalhadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor. Dialética Negativa. Madrid: Taurus: 1984

BARTHES, Roland. A câmara clara: notas sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a Arte. São Paulo: Ática, 1991

ECO, Umberto. Viagem na irrealidade do cotidiano. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

DEJOURS, Christophe. Psicodinâmica do Trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho” São Paulo: Atlas,1994.

JAMENSON. Frederic. O Marxismo Tardio. Adorno ou a persistência da dialética. São Paulo: UNESP: 1996

MARCÁRIO, Epitácio. Divisão do Trabalho e Alienação – uma leitura marxista. Fortaleza (Ce): 2017, acessado em 20.11/2022 - http://www.uece.br/ppsacwp/wp-content/uploads/sites/99/2021/11/Divisa%CC%83o-do-trabalho-e-alienac%CC%A7ao-uma-leitura-marxista.pdf

MASCARENHAS, Gilmar. Feira livre: territorialidade popular e cultura na metrópole contemporânea. In: Revista Ateliê Geográfico – Vol. 2, N.2 – Goiânia:UFG, 2008

MARX, Karl. O capital – O processo de Trabalho. Livro 1, CAP V. Tradução de Reginaldo Sant‗Anna. 15a. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996

SANTOS, Milton. Pensando o espaço do Homem: São Paulo: Hucitec, 1982.

SANTOS, Silvio Matheus Alves. O método da autoetnografia na pesquisa sociológica: atores, perspectivas e desafios. In: PLURAL, Revista do Programa de Pós Graduação em Sociologia da USP, São Paulo, v.24.1, 2017

SILVA NETO, Nirson Medeiros da. TRABALHO COMO SÍMBOLO: ENSAIO SOBRE A DIMENSÃO SIMBÓLICA DO TRABALHO NO COCO NO BICO DO PAPAGAIO. In: Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de 2010. Acessado em 20/11/2022-

Http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/fortaleza/3391.pdf

RESENDE, Anita Cristina Azevedo. O tempo do tempo – objetividade e subjetividade sob o tempo quantificado. São Paulo, PUC, 1997. Dissertação de mestrado

VIANA, Nildo. A esfera artística. Goiânia: Editora Zouk, 2007.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

FELÍCIO CHAVEIRO, E. EXPERIÊNCIAS AUTOETNOGRÁFICAS COM O TRABALHO: a estética da feira: a estética da feira. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 12, n. 1, 2022. DOI: 10.5216/teri.v12i1.74843. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/74843. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS