Sustentabilidade

sobre o quê estamos falando?

Autores

  • Romênia Oliveira de Souza Universidade Federal do Ceará (UFCe)

Palavras-chave:

sustentabilidade; desenvolvimento sustentável; racionalidade econômica e instrumental; racionalidade ambiental.

Resumo

Na língua portuguesa, coisas diferentes estão contempladas no conceito de desenvolvimento sustentável. A discussão sobre desenvolvimento, em si, há muito tempo, levanta questionamentos críticos sobre sua impossibilidade, dada a estrutura inerente ao capitalismo e às desigualdades que o sustentam. Com o qualificativo sustentável, o que deveria ser a solução para problemas provocados pela busca do desenvolvimento a qualquer custo, torna-se uma imensa contradição. A publicidade, os governos, as empresas se apropriam deste termo com a intenção de disseminar uma imagem pública de atores comprometidos com tal desenvolvimento. Contudo, não raras vezes, seus porta-vozes falam, por exemplo, em exploração sustentável da natureza, algo expressamente impossível. Se há exploração, não pode ser sustentável. Estes atores são conscientes disto. Escrever um artigo para esclarecer sobre o assunto é oportuno. E eu penso, principalmente, em estudantes, pesquisadores, atores sociais que, verdadeiramente, desconhecem as nuances e críticas existentes no debate corrente. Que se encontram confusos, como um dia eu estive quando comecei a estudar sobre o assunto. Após pesquisa bibliográfica, reuni seis modelos de desenvolvimento sustentável a partir de racionalidade econômica-teórica-instrumental-tecnológica, da economia ambiental neoliberal e da geopolítica do desenvolvimento, analisando-os criticamente: a sustentabilidade retórica; ao anterior, outro modelo com acréscimo de ‘melhorias’ culturais e neuroplástica; o neocapitalista; do capitalismo natural; a economia verde; e o ecossocialismo. Todos eles são contraditórios, embora bastante difundidos. Em contraposição, sob a chamada racionalidade ambiental, compilei as contribuições de seis cosmologias e de dois modelos de sustentabilidade, há muito praticados, embora não o sejam contemplados sob esta perspectiva: o zen budismo; o taoísmo; o confucionismo; as filosofias africanas (destaque para categoria ontológica do ubuntu); o sufismo; as filosofias do bem-viver; a bioeconomia e o ecodensenvolvimento; e a economia solidária. Seguindo Enrique Leff, utilizo apenas o substantivo sustentabilidade para diferenciá-lo de desenvolvimento sustentável, evidenciando o comprometimento com valores outros que não são contemplados pelo conceito economicista. E rompendo, sempre que possível, com as conotações negativas que o nome desenvolvimento traz consigo. Ao final, acredito ter elucidado e desmistificado o que é a tal sustentabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Romênia Oliveira de Souza, Universidade Federal do Ceará (UFCe)

Mestra em Desenvolvimento regional sustentável (Universidade Federal do Ceará), especialista em Administração financeira e bacharela em Ciências Econômicas (Universidade Regional do Cariri). Pesquisadora do Observatório das Migrações no Estado do Ceará (OMEC-URCA) e do Laboratório de Estudos Urbanos, Sustentabilidade e Políticas Públicas (LAURBS-UFCA).

Referências

ACOSTA, Alberto. O Buen Vivir: Uma oportunidade de imaginar outro mundo. In: BARTELT, Dawid Danilo (org.). Um campeão visto de perto: Uma análise do modelo de desenvolvimento brasileiro. Série Democracia. Rio de Janeiro: Heinrich Böll Foundation, 2012.

BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: o que é, o que não é. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2012.

BOUDON, Raymond; BESNARD, Philippe; CHERKAOUI, Mohamed; LÉCUYER, Bernard-Pierre. Dicionário de sociologia. Trad. de António J. Pinto Ribeiro. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1990.

CHIANG, Alpha C.; WAINWRIGHT, Kevin. Matemática para economistas. Trad. de Fundamental methods of mathematical economics de Arlete Simille Marques. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. 6ª reimpressão.

COEN, Monja. 108 contos e parábolas orientais. São Paulo: Planeta, 2015.

FOLTER, Regiane. Ecofeminismo: você sabe o que é? In: Politize! Publicado em 23/01/2020. Disponível em:< https://www.politize.com.br/o-que-e-ecofeminismo/> Acesso em 19/07/2021.

FRANCISCO. Carta Encíclica Laudato Si’ do Santo Padre Francisco sobre o cuidado da casa comum. Documentos do magistério. São Paulo: Paulos Editora; Loyola Jesuítas, 2015.

GUJARATI, Damodar. Econometria básica. Trad. de Basic econometrics, 4th ed, de Maria José Cyhlar Monteiro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006 – 4ª reimpressão.

HERZFELD, Michael. Antropologia: prática teórica na cultura e na sociedade. Trad. de Noéli Correia de Melo Sobrinho de Anthropology: theoretical practice in culture and society. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

LATOUCHE, Serge. Pequeno tratado do decrescimento sereno. Trad. de Claudia Berliner de Petit traité de la décroissance sereine. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

LEFF, Enrique. Ecologia, capital e cultura. A territorialização da racionalidade ambiental. Trad. de Jorge E. Silva de Ecología y capital. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LÓPEZ AREU, Mario. Gandhi, 150 anos depois. “Minha vida é minha mensagem”. Artigo originalmente publicado por El Diario, 25/07/2019 e traduzido pelo Cepat. In: Revista IHU on-line. Disponível em: < Gandhi, 150 anos depois. "Minha vida é minha mensagem" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU> Acesso em: 16/07/2021.

MORAES, Orozimbo José de. Economia ambiental. Instrumentos econômicos para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Centauro, 2009.

OSHO. Confiança: a arte de se entregar à vida e confiar em si mesmo. Trad. de Denise de Carvalho Rocha de Trust – living your life spontaneously and open. São Paulo: Cultrix, 2016.

OSHO. Tao: sua história e seus ensinamentos. Trad. de Leonardo Freire de Tao: its history and teachings. São Paulo: Cultrix, 2014.

OTSU, Roberto. A sabedoria da natureza. Taoísmo, I Ching, Zen e os ensinamentos essênios. São Paulo: Ágora, 2006.

PINDYCK, Robert S.; RUBINFELD, Daniel L. Microeconomia. 5ª ed. Trad. de Microeconomics – fifth editions de Eleutério Prado. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

POCHMANN, Marcio. Desenvolvimento sustentável na transição da sociedade urbano-industrial. In: VELLOSO, João Paulo dos Reis (org.). Brasil, novas oportunidades: economia verde, pré-sal, carro elétrico, Copa e Olimpíadas. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

RAMOSE, Mogobe B. Globalização e Ubuntu. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

ROHDEN, Huberto. O espírito da filosofia oriental. São Paulo: Martin Claret, 2008.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo dicionário de economia. 12ª ed. São Paulo: Editora Best Seller, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: ____; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, Delano de Jesus Silva. O sufismo na Índia Medieval. In: Sacrilegens – Revista dos alunos do programa de pós-graduação em Ciência da Religião – UFJF. Juiz de Fora, v.10, n.2, pp. 81-95, jul.-dez./2013. Disponível em: <http://www.ufjf.br/sacrilegens/files/2014/07/10-2-7.pdf> Acesso em: 16/07/2021.

SINGER, Paul. Introdução à economia solidária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002.

SOUZA, Romênia Oliveira de. Por outros modos de perceber a pobreza: Narrativas imagéticas de moradores do bairro Alto da Penha, em Crato-Ceará. (Dissertação de mestrado em Desenvolvimento Regional Sustentável). Juazeiro do Norte, CE: UFCA, 2014.

SUZUKI, Daisetz Teitaro. Uma introdução ao zen-budismo. Trad. de Eloise de Vylder de Na introduction to Zen Buddhism. Apresentação de Monja Coen. São Paulo: Mantra, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-28 — Atualizado em 2021-12-29

Versões

Como Citar

OLIVEIRA DE SOUZA, R. Sustentabilidade : sobre o quê estamos falando?. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 11, n. 1, 2021. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/69755. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS