O TRABALHO POSSÍVEL

UMA REFLEXÃO SOBRE O “AFETUAL” E A AUTORIA DO INICIANTE NO FAZER JORNALÍSTICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v9i1.62086

Palavras-chave:

Comunicação, Jornalismo, Pós-modernidade, Edgar Morin, Epistemologia

Resumo

Procuramos neste artigo tratar da possibilidade de um trabalho do iniciante na prática jornalística no que concerne ao traço “afetual”. Consideramos que, no Jornalismo, o início de carreira ganha ainda mais relevância porque o chamado “foca” cria nessa fase expectativas que, depois, podem se revelar positivas (ou não) e passam a ser incorporadas na sua ética própria (autoria), para o melhor e o pior. O conflito para o “foca” se dá pelo fato de que enquanto hoje a sociedade constrói relações fluidas e dinâmicas, o Jornalismo (majestático) ainda se propõe, em tese, a atuar com objetividade absoluta. Veremos isso do ponto de vista de uma Metodologia da Totalidade, em Morin, que propõe uma aproximação entre sujeito e objeto. Conclui-se que é necessária uma construção de subjetividades do jornalista iniciante como sujeito ativo, e não passivo, dentro de um espírito do tempo complexo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Portanova Barros, Dr., Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Prof. Dr. Eduardo Portanova Barros, professor-pesquisador PNPD/CAPES/ PPG em Sociedade, Cultura e Fronteiras (UNIOESTE-PR), pós-doutor em Sociologia pela Sorbonne (França) e Unisinos-RS, doutor em Comunicação Social pela PUCRS e mestre em Ciências da Comunicação pela USP. Pesquisador GEIPaT e Imaginalis.

Downloads

Publicado

2019-12-31

Como Citar

BARROS, E. P.; BARROS JUNIOR, R. A. de. O TRABALHO POSSÍVEL: UMA REFLEXÃO SOBRE O “AFETUAL” E A AUTORIA DO INICIANTE NO FAZER JORNALÍSTICO. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 9, n. 1, p. 119–129, 2019. DOI: 10.5216/teri.v9i1.62086. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/62086. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS