IMAGINÁRIO DE CERES. DOI: 10.5216/teri.v5i2.38739

Autores

  • Kátia Maria dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Geografia do Instituto de Estudos Sócio Ambientais da Universidade Federal de Goiás. Membro do Nupeat – Núcleo de Pesquisas e Estudos em Educação Ambiental e Transdisciplinaridade.

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v5i2.38739

Palavras-chave:

imaginário, cidade vivida, espaço urbano, Ceres imaginada, Transdisciplinaridade

Resumo

O presente artigo vai adentrar no imaginário do município de Ceres – GO. Mas esse atravessamento se faz com a representação do já representado, posto que a autora escreve no tempo contemporâneo, o que foi imaginado, sentido e idealizado por aqueles que construíram a história do município. O texto buscará identificar uma carga de símbolos, significados e representações na seleção dos camponeses e na cultura da sociedade que ora se constituía a formação de Ceres na década de 1940, uma colônia agrícola com traçado de planejamento urbano. Retratar o imaginário nos remonta a aguçar nossa sensibilidade. Sentir o espaço para além das geometrias, dos prédios, do concreto e dos monumentos. Ao fluir pelo imaginário, retomamos os sonhos e os desejos daqueles que construíram a cidade vivida ontem, hoje e buscam um amanhã melhor, que acreditam estar por vir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kátia Maria dos SANTOS, Programa de Pós Graduação em Geografia do Instituto de Estudos Sócio Ambientais da Universidade Federal de Goiás. Membro do Nupeat – Núcleo de Pesquisas e Estudos em Educação Ambiental e Transdisciplinaridade.

Pedagoga. Mestranda no Programa de Pós Graduação em Geografia do Instituto de Estudos Sócio Ambientais da Universidade Federal de Goiás. Membro do Nupeat – Núcleo de Pesquisas e Estudos em Educação Ambiental e Transdisciplinaridade. Email: contatokatiamaria@gmail.com

Downloads

Publicado

2015-11-30

Como Citar

SANTOS, K. M. dos. IMAGINÁRIO DE CERES. DOI: 10.5216/teri.v5i2.38739. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 5, n. 2, p. 101–115, 2015. DOI: 10.5216/teri.v5i2.38739. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/38739. Acesso em: 4 mar. 2024.