AS MÁSCARAS E A HISTÓRIA DE VIDA NA COMPLEXIDADE DO SUJEITO. DOI: 10.5216/teri.v5i1.36347

Autores

  • Álvaro Augusto SCHMIDT NETO SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina)

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v5i1.36347

Palavras-chave:

sujeito, jogo entre os contrários, patologia do ser e do saber, Filosofia

Resumo

Este artigo trabalha a pergunta fundamental: quem sou eu? A partir da concepção do jogo entre os contrários dos pensadores pré-socráticos, concepção resgatada pelo pensamento complexo, discutimos o sujeito como homo complexus. Esse sujeito, tecido por contrários, vive a dicotomia do ser exterior e do ser interior. Buscamos, na Poética de Aristóteles e nos conceitos de máscaras de Schuon, bases para mostrar, nesse jogo do que somos e do que aparentamos ser, o quanto é necessário um dialogo do sujeito consigo mesmo e o quanto o ser interior está adormecido na patologia do ser e do saber da modernidade. Por fim, apresentamos a metodologia das histórias de vida como uma estratégia importante para o resgate do sujeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Augusto SCHMIDT NETO, SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina)

Pedagogo com doutorado em Currículo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Trabalhou por vinte anos como professor universitário. Foi coordenador de curso de Pedagogia em Universidades do Vale do Paraíba no Estado de São Paulo e professor convidado da Universidade de Barcelona, Espanha. Atualmente trabalha na área de desenvolvimento de pessoal da SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina). É autor dos livros “Educação e complexidade: a construção do projeto político-pedagógico” e “Aprendizagem transdisciplinar: em quatro passos pitagóricos” e tem vários artigos publicados em livros e revistas especializadas. É membro do grupo de pesquisa Ecotransd do CNPq. profalvaroneto@hotmail.com

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

SCHMIDT NETO, Álvaro A. AS MÁSCARAS E A HISTÓRIA DE VIDA NA COMPLEXIDADE DO SUJEITO. DOI: 10.5216/teri.v5i1.36347. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 5, n. 1, p. 65–77, 2015. DOI: 10.5216/teri.v5i1.36347. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/36347. Acesso em: 29 fev. 2024.