TRANSDISCIPLINARIDADE E JOGOS COOPERATIVOS - PRÁTICA E REFLEXÃO NO PRONTO SORRISO, FACULDADE DE MEDICINA, UFG, GOIÁS.

Autores

  • Marcelo dos Santos MARQUES Universidade Estadual de Goiás, UEG/ Educação Física Universidade Federal de Goiás, UFG/ Faculdade de Medicina

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v2i1.21990

Palavras-chave:

Jogos Cooperativos, Jogo, Saúde, Transdisciplinaridade, Educação.

Resumo

O artigo é um relato da experiência que tem sido desenvolvida no Núcleo Livre Pronto Sorriso da UFG, no qual jogos cooperativos são utilizados como ferramenta pedagógica para discussão e reflexão de valores e conceitos, permeando o respeito ao próximo com suas individualidades e diversidades. Tendo como base o  paradigma transdisciplinar que almeja a construção do conhecimento de forma criativa, participativa e holística. Os jogos cooperativos e a transdisciplinaridade abrem a possibilidade de novos paradigmas para aplicação do jogo no ambiente acadêmico, afirmando e alicerçando a importância do convívio e da valoração do próximo. O relato é a busca por um formato de educação e formação de indivíduos comprometidos com a construção de um mundo menos egocentrista e mais cooperativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo dos Santos MARQUES, Universidade Estadual de Goiás, UEG/ Educação Física Universidade Federal de Goiás, UFG/ Faculdade de Medicina

Licenciado em Educação Física, ESEFFEGO – Universidade Estadual de Goiás, UEG.

Professor de palhaço no Núcleo Livre Pronto Porriso, Faculdade de Medicina, UFG, Goiânia, Goiás, Brasil.

Professor convidado da disciplina Humor no Cuidar da Pós-graduação de Educação em Saúde e Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina, UFG.

Especialista em técnicas de circo.   e-mail: maremarc@hotmail.com

 

Referências

BROTTO, Fábio Otuzi. Jogos Cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Santos, SP: Projeto Cooperação, 2001.

CAPRA, Fritjof. O Ponto de Mutação; trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 2006.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos seres vivos trad.Newton Roberval Eichenberg. São Paulo: Cultrix 2006.

ERIKSON, E. H. Infância e Sociedade (2ª ed.) Rio: Zahar, 1971.

NICOLESCU, Basarab. O manifesto da transdisciplinaridade. Trad. Lucia Pereira de Souza. São Paulo: Triom, 1999.

NICOLESCU, Basarab. Reforma da educação e do pensamento: complexidade e transdisciplinaridade.Trad. Paulo dos Santos Ferreira. Disponível: <http://www.juliotorres.ws/textos/teoriadacomplexidade/ReformaDaEducacao-e-DoPensamento.pdf>. Acesso em 30 out. 2011, 15: 18:27.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Trad. Eliane Lisboa. Porto alegre: Sulina, 2005.

ROBBINS, Lois B..O desertar na era da Criatividade; trad. Barbara Theoto Lambert. São Paulo: Gente, 1995.

SOLER, Reinaldo. Jogos Cooperativos Para a Educação Infantil. (2ª ed.) Rio de Janeiro. Sprint, 2006.

WEIL, P.; LELOUP, J.Y.;CREMA, R. Normose: A Patologia da Normalidade. Campinas-SP: Verus, 2003.

Downloads

Publicado

2012-06-30

Como Citar

MARQUES, M. dos S. TRANSDISCIPLINARIDADE E JOGOS COOPERATIVOS - PRÁTICA E REFLEXÃO NO PRONTO SORRISO, FACULDADE DE MEDICINA, UFG, GOIÁS. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 2, n. 1, p. 122–133, 2012. DOI: 10.5216/teri.v2i1.21990. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/21990. Acesso em: 24 fev. 2024.