A CONCEPÇÃO DE NATUREZA NA GEOGRAFIA E A RELAÇÃO COM A EDUCAÇÃO AMBIENTAL. - DOI: 10.5216/teri.v2i1.19956

Autores

  • Marcileia Oliveira BISPO Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v2i1.19956

Palavras-chave:

Natureza, Educação Ambiental, Geografia

Resumo

A geografia, desde sua origem, sempre teve como uma de suas características a relação entre o ser humano e o meio ambiente, mesmo na Antiguidade, quando era meramente descritiva e os diversos povos (egípcios, romano, árabes, entre outros) desenvolveram um conhecimento geográfico próprio e independente. A relação entre o ser humano e o meio ambiente tem passando por diversas transformações no período histórico, produzindo novas formulações em suas bases teóricas. Nesta perspectiva é extremamente importante conhecer os significados da concepção de natureza no decorrer da história humana, pois tal conhecimento é fundamental para entendermos o ambiente e compreendermos a temática ambiental atual. Pretendemos assim, neste artigo, evidenciar os diversos conceitos de natureza na ciência geográfica através da evolução de seu pensamento nos diferentes momentos históricos, refletir o embate da modernidade e pós-modernidade e a questão ambiental e por fim explicitar a relação da Geografia para com a educação ambiental.  Para tal abordagem damos um recorte temporal a partir da institucionalização da geografia no campo do conhecimento científico, ou seja, final do século XX.

Palavras-chave: Natureza; Educação Ambiental; Geografia

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcileia Oliveira BISPO, Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em Geografia pela Universidade do Tocantins (1996) e Mestrado e Doutorado em Geografia pelo Instituto de Estudos Socio Ambientais IESA/UFG. Atualmente é professora na Universidade federal do Tocantins e no Colégio Estadual de Cristalandia. Membro de Conselho editorial da revista Produção Acadêmica e do nucleo de estudos NURBA/UFT e do laboratório LEGEO/UFT. .Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Educação Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: eucaçao ambiental, educação ambiental, professores, meio ambiente e representações.

Referências

ALBERTO, Alzira Filipe. O contributo da educação geográfica na educação ambiental. O caso da geografia no ensino secundário.

ANDRADE, M.C. A construção da geografia brasileira. RA’EGA- O espaço geográfico em análise. Curutibsa, n. 3, ano III, ed. Da UFPR, 1999,p.19-34.

BENKO, G. Modernidade, pós-modernidade e Ciências sociais. Revista do departamento de Geografia, AGB-SP, n.13, 1999, p.187-213.

BORTOLOZZI, A.; PEREZ FILHO, A. Diagnóstico da educação ambiental no ensino de geografia. Cadernos de Pesquisa, n.º109, p. 145-171, março/2000.

CASSETI, V. A essência da questão ambiental. Boletim Goiano de Geografia. Universidade federal de Goiás, v.111 (1), jan./dez. 1991, p.1-23.

CLAVAL, P. A revolução pós-funcionalista e as concepções atuais da geografia. In: MENDONÇA, F.; KOSEL, S. (orgs.). Elementos da Epistemologia da Geografia Contemporânea. Ed. Da UFPR, 2002, p. 11-43.

CAPEL, H. Filosofia y ciência en la Geografia contemporânea. Barcelona, Barcanova, 1981.

CAVALCANTI, L. de S. Geografia, escola e construção de conhecimento. Campinas: SP, Papirus, 2001.

GOMES, P. C. da C. Geografia e modernidade. RJ: Bertrand Brasil, 2000.

GRUN, M. Ética e Educação Ambiental – a conexão necessária. SP: Papirus, 1996.

HAESBAERT, R. da C. Filosofia, Geografia e Crise da modernidade. Terra Livre. Revista da AGB, n.7, SP, 1990, p. 63-92.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. SP:Loyola,1993.

KOSEL, S. Ensinar geografia no terceiro milênio. RA’EGA. O espaço geográfico em análise. Curitiba/UFPR, n.2, 1998, p. 141 – 152.

MADRUGA, A. Bases para o estudo do “Determinismo geográfico” e da “Geografia quantitativa” – o positivismo e a teoria dos sistemas. Geosul. Revista do Departamento de Geociências. Florianópolis: ed. UFSC, v. 1, n.1 (1° sem. 1986), p.88-101.

MELLO, J. B. F. de. A humanização da natureza – uma odisséia para a (re)conquista do paraíso. Geografia e Questão ambiental. In: MESQUITA, O. V; SILVA, S.T. (coords.) RJ:IBGE, Departamento de Geografia, 1993, 31-40.

MENDONÇA, F. Dualidade e dicotomia na Geografia moderna. RA’EGA, o espaço geográfico em análise. Curitiba: UFPR, ano 2, n. 2, 1988, p. 153-165.

MENDONÇA, F. Geografia socioambiental. In: MENDONÇA, F; KOSEL, S. (orgs.) Elementos da epistemologia da Geografia contemporânea. UFPR, 2002.

MOREIRA, R. O que é geografia. SP: Brasiliense, 1982.

QUAINI, M. Marxismo e Geografia. RJ: Paz e Terra, 1979.

SANTOS, B. de S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. SP: Cortez, 2000.

SANTOS, M. A natureza do espaço - técnica e tempo. Razão e emoção. SP: EDUSP, 2002.

SATO, M. Educação para o Ambiente Amazônico. Tese de doutoramento. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Universidade federal de São Carlos. São Carlos: SP. 1997.

SUERTEGARAY, D. M. A. Questão ambiental: produção e subordinação da natureza. In: SILVA, J. B. da. et al. Panorama da Geografia Brasileira. SP: Annablume, 2006.

TRISTÃO, M. As dimensões e os desafios da educação ambiental na sociedade do conhecimento. In: RUSCHEINSKY, A. Educação Ambiental – abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002.

TUAN, Yi-Fu. Geografia Humanística. In: CHRISTOFOLETTI, A. Perspectivas da Geografia. SP: Difel, 1982.

Downloads

Publicado

2012-06-30

Como Citar

BISPO, M. O. A CONCEPÇÃO DE NATUREZA NA GEOGRAFIA E A RELAÇÃO COM A EDUCAÇÃO AMBIENTAL. - DOI: 10.5216/teri.v2i1.19956. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 2, n. 1, p. 41–55, 2012. DOI: 10.5216/teri.v2i1.19956. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/19956. Acesso em: 20 jul. 2024.