Que humano é esse das humanidades digitais?

Por uma crítica hacker-fanoniana ao fardo do nerd branco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rth.v26i1.76256

Palavras-chave:

humanidades digitais, colonialismo digital, eurocentrismo, racialização codificada, Frantz Fanon

Resumo

Neste artigo propomos um diálogo entre as teorias antirracistas e o campo das humanidades digitais, fundamentado no pensamento de Frantz Fanon e nas produções teóricas do hacktivismo. Abordamos algumas possibilidades da história em uma sociedade digitalizada, mas também as contradições que se manifestam no fenômeno. As relações entre capitalismo, colonialismo e racismo são fundamentais para as pesquisas calcadas nas humanidades digitais. Embora o colonialismo, em Fanon, seja, antes de mais nada, uma forma particular de exploração econômica, a sua reprodução seria inviável sem o recurso a formas particulares de dominação e soberania onde os quais o racismo se apresenta como elemento fundamental. No artigo, partindo do método fanoniano da sociogênia, buscamos articular esses saberes com o campo das humanidades e história digital. No entanto, a natureza e a profundidade das violências que acompanharam o advento da modernidade e mesmo do humanismo ocidental, mas também a sua crítica nos permitem levantar as seguintes perguntas: que humano é esse das humanidades digitais? Quais possibilidades de contribuição teórica para a História emergem do entrecruzamento entre a crítica hacker-fanoniana e as humanidades digitais? O colonialismo está plasmado na teoria da história, sob a égide da ideologia do eurocentrismo, ocultando produções teóricas africanas e afrodiaspóricas, desdenhando das ferramentas intelectuais, métodos e conceitos cruciais para a compreensão de nossa sociedade. Assim como na cibercultura, o colonialismo digital projeta a ideologia californiana com a reabilitação do fardo do homem branco, agora reelaborado sob a égide do fardo do nerd branco. Aqui se projeta o horizonte dos Estudos Hacker-Fanonianos, o uso das tecnologias digitais na pesquisa e docência, deve acompanhar a compreensão de que modo eles são possíveis, quais relações de produção ocultam, como se realizam.

Biografia do Autor

Deivison Mendes Faustino, Universidade Federal de São Paulo, Santo André, São Paulo, Brasil, deivison.faustino@unifesp.br

Currículo: http://lattes.cnpq.br/1381425552378145

Walter Lippold, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil, prof.walter@proton.me

Currículo: http://lattes.cnpq.br/9363438914171650

Referências

AMIN, Samir. Eurocentrismo. Crítica de una ideologia. México D.F.: Siglo XXI editores, 1989.

ASSANGE, Julian. Wikileaks: quando o google encontrou o wikileaks. Tradução Cristina Yamagami. Prefácio de Sérgio Amadeu. São Paulo: Boitempo, 2015.

BARBROOK, Richard; CAMERON, Andy. A Ideologia Californiana: uma crítica ao livre mercado nascido no vale do sílicio. União da Vitória: Monstro dos Mares e Baixacultura, 2018. 44 Traduzido por Marcelo Träsel - Introdução e revisão de Leonardo Foletto - Capa e diagramação por Vertov Rox. Disponível em: <https://baixacultura.org/loja/a-ideologia-californiana/>. Acesso em: 11 nov. 2022.

BIRHANE, Abeba. Colonização Algorítmica da África. SILVA, Tarcízio (org.). Comunidades, algoritmos e ativismos digitais: Olhares afrodiaspóricos São Paulo: LiteraRUA, 2020.

BUOLAMWINI, Joy; GEBRU, Timnit. Gender Shades: intersectional Acuracy disparities in comercial gender classification. Proceedings of Machine Learning Research 81:1–15, 2018.

CÂMARA, S.; BENICIO, M. HISTÓRIA DIGITAL: entre as promessas e armadilhas da sociedade informacional. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 38–56, 1 ago. 2017. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/3596> Acesso em: 07 jun. 2023.

CORRÊA, Bianca Kremer Nogueira. Direito e tecnologia em perspectiva amefricana: autonomia, algoritmos e vieses raciais. 2021. 299 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-Graduação em Direito, Departamento de Direito, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/58993/58993.PDF>. Acesso em: 03 fev. 2023.

FANON, Frantz. Sociologie d’une révolution. Paris: Maspero, 1968.

FANON, Frantz. Sociologia de una Revolución. Tradução de Victor Flores Olea. 3ª ed. México D.F.: Ediciones ERA S.A., 1976.

FANON, Frantz. Pele Negra Máscaras Brancas. Tradução Sebastião Nascimento com colaboração de Raquel Camargo; prefácio de Grada Kilomba; posfácio de Deivison Faustino; textos complementares de Francis Jeanson e Paul Gilroy. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

FANON, Frantz. Por uma Revolução Africana. Textos Políticos. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Prefácio Deivison Faustino. Rio de Janeiro: Zahar, 2021a.

FANON, Frantz. Escritos Políticos. Tradução Monica Stahel; prefácio de Deivison Faustino. São Paulo: Boitempo Editorial, 2021b.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Tradução Lígia Fonseca. Rio de Janeiro: Zahar, 2022.

FAUSTINO, Deivison. A emoção é negra e a razão é helênica? Considerações fanonianas sobre a (des)universalização. In: Revista Tecnologia e Sociedade (Online), v. 1, p. 121-136, 2013.

FAUSTINO, Deivison. Frantz Fanon: capitalismo, racismo e a sociogênese do colonialismo. SER Social, [S. l.], v. 20, n. 42, p. 148–163, 2018. DOI: 10.26512/ser_social.v20i42.14288. Disponível em: <https://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/14288>. Acesso em: 11 dez. 2022.

FAUSTINO, Deivison. A “interdição do reconhecimento” em Frantz Fanon: a negação colonial, a dialética hegeliana e a apropriação calibanizada dos cânones ocidentais. Revista de Filosofia Aurora, [S.l.], v. 33, n. 59, ago. 2021a. ISSN 1980-5934. Disponível em: <https://periodicos.pucpr.br/aurora/article/view/28065>. Acesso em: 21 jan. 2022.

FAUSTINO, Deivison. Por uma crítica ao identitarismo (branco). in: Guerra, A. A psicanálise em elípse colonial. São Paulo: n1 edições: 2021b.

FAUSTINO, Deivison. OLIVEIRA, Leila Maria de. Xeno-racismo o xenofobia racializada? Problematizando a hospitalidade seletiva aos estrangeiros no Brasil. REMHU, Rev. Interdiscip. Mobil. Hum,, Brasília, v. 29, n. 63, dez. 2021c, p. 193-210. Disponível em <https://www.scielo.br/j/remhu/a/WhQNMSS8L6RsKwVWkfR68tg/?lang=pt> Acesso em: 10 jan. 2023.

FAUSTINO, Deivison. Fanon e as encruzilhadas. São Paulo: Ubu Editora, 2022.

FAUSTINO, Deivison; LIPPOLD, Walter. Colonialismo Digital: por uma crítica hacker-fanoniana. Prefácio de Sérgio Amadeu. São Paulo: Boitempo Editorial, 2023.

GÓES WL, FAUSTINO DM. Capitalism and Racism in the Longue Durée: An Analysis of Their Reflexive Determinations. Agrarian South: Journal of Political Economy. February 2022. doi:10.1177/22779760211073683

FOLETTO, Leonardo. Introdução. BARBROOK, Richard; CAMERON, Andy. A Ideologia Californiana: uma crítica ao livre mercado nascido no vale do sílicio. União da Vitória: Monstro dos Mares e Baixacultura, 2018. 44 Traduzido por Marcelo Träsel - Introdução e revisão de Leonardo Foletto - Capa e diagramação por Vertov Rox. Disponível em: <https://baixacultura.org/loja/a-ideologia-californiana/>. Acesso em: 12 nov. 2022.

GONZALEZ, Lélia. . 2020. Por um Feminismo Afro-Latino-Americano: Ensaios, Intervenções e Diálogos . Rio Janeiro: Zahar. 375 pp.

FERNANDES, Nathaly Cristina. Mulheres negras e o espaço virtual: novas possibilidades de atuações e resistência. In: Cad. Gên. Tecnol., Curitiba, vol. 12, nº 40, p. 132-142, jul./dez., 2019.

FERRARI, Terezinha. Fabricalização da cidade e ideologia da circulação. São Paulo: Outras expressões, 2012.

FERREIRA, Suiane Costa. Apartheid digital em tempos de educação remota: atualizações do racismo brasileiro. In: Interfaces Científicas, Aracaju, vol.10, nº 1, pp. 11–24, – 2020.

FORTES, A.; ALVIM, L. G. M. Evidências, códigos e classificações: o ofício do historiador e o mundo digital. Esboços: histórias em contextos globais, v. 27, n. 45, p. 207–227, 19 jun. 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/view/2175-7976.2020.e68270> Acesso em: 06 jun. 2023.

FREDERICO, C. Brecht e a “Teoria do rádio”. Estudos Avançados, v. 21, n. 60, p. 217–226, ago. 2007. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/ea/a/gxp4C45HCKhLJBrqNV9t6Xw/?lang=pt> Acesso em: 27 dez. 2022.

KOSIK, Karel. Dialética do Concreto. 7ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

KOSTECZKA, L. A. P. História Digital na Era das Big Tech. Revista Aedos, v. 12, n. 27, p. 641–669, 9 abr. 2021. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/104187> Acesso em: 08 jun. 2023.

LAITANO, B. G. (Con)figurações do historiador em um tempo marcado pela disrupção tecnológica. Esboços: histórias em contextos globais, v. 27, n. 45, p. 170–186, 19 jun. 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/view/2175-7976.2020.e67217> Acesso em: 05 jun. 2023.

LÉVY, Pierre. O que é virtual? Tradução Paulo Neves, São Paulo: Editora 34, 1996.

LIPPOLD, Walter; FAUSTINO, Deivison. Colonialismo digital, racismo e acumulação primitiva de dados. Germinal: marxismo e educação em debate, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 56–78, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/49760 . Acesso em: 6 janeiro. 2023.

LIPPOLD, Walter. A África de Fanon: atualidade de um pensamento libertário. In: MACEDO, José Rivair (org.). O Pensamento Africano no Século XXI. São Paulo: Outras Expressões, 2016. p. 199-228. 1ª Reimpressão: março de 2017.

LIPPOLD, Walter. Fanon e a Revolução Argelina. 3ª ed. revisada e ampliada. Niterói: Editora Proprietas/INCT/CNPq/FAPERJ, 2022.

LORDE, Audre. The Master's Tools Will Never Dismantle the Master's House, extraído do livro Sister Outsider, The Crossing Press Feminist Series (1984) Disponível em: <http://lists.econ.utah.edu/ pipermail/margins-to-centre/2006-March/000794.html>. Acesso em: 02 jan. 2022.

MALDONADO-TORRES, N. A topologia do Ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 71–114, 1 mar. 2008.

MARX, Karl. Trabalho Assalariado e Capital. Tomo 1, 1849.

MARX, Karl. O Capital: Crítica da Economia Política. Livro 1. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MENEZES, Karina Moreira. PIRÂMIDE DA PEDAGOGIA HACKER =: [vivências do (in)possível]. 2018. 178 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pedagogia, Faculdade de Educação, Ufba, Salvador, 2018. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/27168/3/Kamenezes_P2H_Entrega_RepositorioUFBA.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2023.

MÉSZÁROS, István. Produção destrutiva e Estado capitalista. São Paulo: Ensaio, 1989.

NOBLE, Safiya Umoja. Algorithms of oppression: How search engines reinforce racism. In: NYU Press, 2018

QUEIROZ, Ivo; QUELUZ, Gilson. Presença africana e teoria crítica da tecnologia: reconhecimento, designer tecnológico e códigos técnicos. In: Simpósios Nacionais de Tecnologia e Sociedade, 2011.

QUEIROZ, Ivo Pereira de. Fanon, o reconhecimento do negro e o novo humanismo : horizontes descoloniais da tecnologia Tese (Doutorado) Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Programa de Pós-graduação em Tecnologia. Curitiba, 2013.

SILVA, Denise Ferreira. A dívida impagável: lendo cenas de valor contra a flecha do tempo. São Paulo: Oficina de Imaginação Política, 2017. Disponível em: <https://casadopovo.org.br/wp-content/uploads/2020/01/a-divida-impagavel.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2022.

SILVA, Tarcizio. Racismo algorítmico em plataformas digitais: microagressões e discriminação em código. In: Simpósio Internacional LAVITS, 2019.

SILVA, Tarcízio. Racismo Algorítmico em plataformas digitais: microagressões e discriminação em código. SILVA, Tarcízio (ORG.). Comunidades, algoritmos e ativismos digitais: Olhares afrodiaspóricos. São Paulo: LiteraRUA, 2020.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. [Entrevista] Felipe Padílha e Lara Faciolli. Colonialismo tecnológico ou como podemos resistir ao novo eugenismo digital. In: Estud. sociol. Araraquara vol. 25, nº 48, pp. 363-378, jan./jun. 2020.

TELLES, H. V. História Digital, Sociologia Digital e Humanidades Digitais: Algumas questões metodológicas. Revista Observatório, v. 3, n. 5, p. 74–101, 1 ago. 2017. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/3810> Acesso em: 03 jun. 2023.

VALENCIA, Sayak. Capitalismo Gore. Control económico, violencia y narcopoder. México D.F.: Paidós, 2019.

VARELLA, F. F.; BONALDO, R. B. Todos podem ser divulgadores?: Wikipédia e curadoria digital em Teoria da História. Estudos Ibero-Americanos, v. 47, n. 2, p. e38806, 31 ago. 2021. Disponível em: <https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/iberoamericana/article/view/38806> Acesso em 2 jun. 2023.

Downloads

Publicado

2023-07-27

Como Citar

MENDES FAUSTINO, D.; LIPPOLD, W. Que humano é esse das humanidades digitais? Por uma crítica hacker-fanoniana ao fardo do nerd branco. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 26, n. 1, p. 120–143, 2023. DOI: 10.5216/rth.v26i1.76256. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/76256. Acesso em: 2 mar. 2024.