Janelas engolindo tempos, ventos arrebentando histórias

uma poesia em ebulição no Brasil ditatorial (1978)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rth.v25i2.74062

Palavras-chave:

excepcionalidade política, ditadura militar, poesia

Resumo

Este artigo faz parte de um projeto de pesquisa mais amplo que objetiva estudar a relação entre poesia, história e política, analisando produções poéticas escritas em momentos históricos cuja violência marca dolorosamente a experiência histórica e propicia a noção de excepcionalidade política. O foco aqui mira, especificamente, poemas escritos por Cynthia Dornelles na antologia intitulada Ebulição da Escrivatura, um pequeno livro lançado no Brasil em 1978, pela editora Civilização Brasileira, dentro da coleção Poesia Hoje, n.21. O texto destaca o fato de Dornelles ser a única voz feminina entre os autores e observa traços de sua dicção poética, sejam as figuras de linguagem mobilizadas, seja no que se refere à (estrita) participação política de mulheres e do movimento negro sob a ditadura militar então vigente no país (1964-1985). Em especial, exploram-se as imagens da janela e do vento em relação à experiência do tempo histórico, da contra-insurgência e do clamor a novas possibilidades historiográficas.

Biografia do Autor

Beatriz de Moraes Vieira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, bea.vieira.trabalho@gmail.com

Currículo: http://lattes.cnpq.br/3413434339597114

Referências

ADORNO, Theodor. “Introdução”. In: ADORNO, Theodor. Dialética Negativa. São Paulo: EDUNESP, 2009.

ALBUQUERQUE, W. R. O jogo da dissimulação – abolição e cidadania negra no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ARANTES, Paulo. “1964”. In: O novo tempo do mundo. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2014.

ARFUCHS, Leonor. O Espaço Biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

AUERBACH, Erich. Mímesis: a representação da realidade na literatura ocidental. Trad.George Bernard Sperber. 2.ed. rev. São Paulo: Perspectiva, 1976.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre o conceito de História. In: LÖWY, M. Walter Benjamin: aviso de incêndio, uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Cia. das Letras, 1992.

BRAUDEL, Fernand. História e ciências sociais: a longa duração. In: BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BÜRGER, Peter. Teoria da vanguarda. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

CAMPOS, Pedro H. P. Estranhas Catedrais: as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988. 2. ed. Niterói: Eduff, 2022

CAMPOS, Pedro H. P. O Voo do Ícaro: a internacionalização das construtoras brasileiras durante a ditadura empresarial-militar (1968-1988). 1. ed. Jundiaí: Paco, 2022.

CANDIDO, Antonio. A formação da literatura brasileira. 17.ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1984.

CANDIDO, Antônio. Perversão da Aufklärung. In: CANDIDO, Antonio. Textos de intervenção. Seleção e notas de Vinicius Dantas. São Paulo: Duas Cidades, Ed.34, p. 320-332, 2002.

CASANOVA, Pascale. A República mundial das letras. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.

COLLIN, F.; PISIER, E.; VARIKAS, E. Les femmes de Platon à Derrida. Antologie critique. Paris: Plon, 2000.

DOERRIES, B. Learning through suffering. In: DOERRIES, B. The Theater of War: what Ancient Greek Tragedies can teach us today. New York: Alfred A. Knopf, 2015, p. 9-56.

DORNELES, Cynthia. Confissões. Cynthia Dorneles, ©2020. Disponível em: https://cynthiadorneles.com/bio. Acesso em: 14 set. 2022.

FEBVRE, Lucien. Contra o vento: manifesto dos novos Annales. In: NOVAIS, Fernando A; SILVA, Rogério F. (Orgs.). Nova história em perspectiva: Propostas e desdobramentos (v. 1). São Paulo: Cosac Naify, 2011, p. 75-84.

FINAZZI-AGRÒ, E. e VECCHI, R. (Orgs.). Formas e mediações do trágico moderno, uma leitura do Brasil. São Paulo: Unimarco, 2004.

GALUCIO, Andreia L. X. Civilização Brasileira e Brasiliense: trajetórias editoriais, empresários e militância política. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em História. Niterói: UFF, 2009.

GINZBURG, Carlo. De A. Warburg a E. H. Gombrich: notas sobre um problema de método. In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. Trad. Federico Carotti. São Paulo: Cia. das Letras, 1989.

HARTOG, François. The Modern Régime of Historicity in the Face of Two World Wars. In: LORENZ, Chris, BEVERNAGE, Berber (eds.). Breaking up Time: Negotiating the Borders between Present, Past and Future. Götingen: Vanderhoeck & Ruprecht, 2013, p. 124-133.

HOLLANDA, H. B. Impressões de Viagem: CPC, vanguarda e desbunde 1960/70. 4.ed. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

HOLLANDA, Heloisa B (org.). 26 poetas hoje. 6ª ed. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2007.

HOLLANDA, Heloisa Buarque e GONÇALVES, Marcus Augusto. Cultura e participação nos anos 60. São Paulo: Brasiliense, 1982. (Tudo é história, 41).

HUTCHEON, L. Teoria e política da ironia. Trad. Julio Jeha. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000.

LEAL, V. M. V. As escritoras contemporâneas e o campo literário brasileiro: uma relação de gênero. Tese em Literatura. Departamento de Teoria Literária e Literaturas. Brasília: UNB, 2008.

MARANHÃO, Salgado. Todos por um e um por todos. In: VARELA, Sérgio Natureza et al. Ebulição da Escrivatura: treze poetas impossíveis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MENDONÇA, Sonia Regina. Estado e economia no Brasil: opções de desenvolvimento. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

MENEGAT, Marildo. A gestão da barbárie no colapso da civilização. In: SOUTO, Caio. Conversações filosóficas. 3/10/2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=0n9qoLVQ_e0. Acesso: 24 jan. 2022.

MENEGAT, Marildo. Prefácio: Um intelectual diante da barbárie. In: ARANTES, Paulo. O Novo Tempo do Mundo [recurso eletrônico]: e outros estudos sobre a era das emergências. São Paulo: Boitempo, 2014, s/p.

NETO, Torquato. Os Últimos Dias de Paupéria. Rio de Janeiro: Eldorado Tijuca, 1973.

PEDRETTI, Lucas. Dançando na mira da ditadura: bailes soul e violência contra a população negra nos anos 1970. Rio de Janeiro : Arquivo Nacional, 2022.

PEROVIC, Sanja. Year 1 and Year 61 of the French Revolution: The Revolutionary Calendar and Auguste Comte. In: LORENZ, Chris, BEVERNAGE, Berber (eds.). Breaking up Time: Negotiating the Borders between Present, Past and Future. Götingen: Vanderhoeck & Ruprecht, 2013, p. 87-108.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: UNESP, 1993.

RIOS, F. O protesto negro no Brasil contemporâneo (1978-2010)” Lua Nova, São Paulo, n. 85, p. 41-79, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452012000100003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 01 mar. 2018.

SANNA, M. & VARIKAS, E. Genre, modernité et ‘colonialité’ du pouvoir: penser ensemble des subalternités dissonantes: Introduction. Cahiers du Genre, v.50, n.1, p. 5-15, 2011. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-cahiers-du-genre-2011-1-page-5.htm. Acesso em: 14 set. 2022.

SCHWARZ, Roberto. Cultura e Política, 1964-1969. In: SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978, p. 61-92.

SCHWARZ, Roberto. Tese de Trótski transforma visão de países periféricos como quintal do mundo. Folha de São Paulo, 30 jul. 2022. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2022/07/tese-de-trotski-transforma-visao-de-paises-perifericos-como-quintal-do-mundo.shtml. Acesso em: 14 set. 2022.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, jul./dez, 1990.

SUSSEKIND, F. Literatura e vida literária: polêmicas, diários & retratos. 2.ed. revista. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

VARELA, Sérgio Natureza et al. Ebulição da Escrivatura: treze poetas impossíveis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

VARIKAS, Eleni. Os refugos do mundo: figuras do pária. Estudos Avançados, v.24, n.69, p.31-60, 2010. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142010000200003. Acesso em: 20 fev. 2018.

VIEIRA, Beatriz. A palavra perplexa: experiência histórica e poesia no Brasil dos anos 1970. 2ed. São Paulo: Hucitec, 2017.

VIEIRA, Beatriz. Chaque veine coupée – Ebulição da Escrivatura, la voix féminine et la théorie de l’histoire : un essai sur la poésie et l’histoire sous la dictature brésilienne (1978). Plural Pluriel, (20), p. 82-103, 2019. Disponível em: https://www.pluralpluriel.org/index.php/revue/article/view/199. Acesso em: 14 set. 2022.

Downloads

Publicado

2023-01-17

Como Citar

DE MORAES VIEIRA, B. Janelas engolindo tempos, ventos arrebentando histórias: uma poesia em ebulição no Brasil ditatorial (1978). Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 25, n. 2, p. 114–130, 2023. DOI: 10.5216/rth.v25i2.74062. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/74062. Acesso em: 24 maio. 2024.