Um defeito de cor (2006) de Ana Maria Gonçalves e os limites da representação da escravidão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rth.v26i1.73883

Palavras-chave:

Romance histórico, historiografia, escravidão

Resumo

O presente artigo tem por objetivo tomar o romance Um defeito de cor (2006), de Ana Maria Gonçalves como ponto de partida para uma reflexão a respeito da representação da escravidão na historiografia e na prosa de ficção histórica contemporâneas. Narrando a trajetória de Luiza Mahín, personagem mobilizada pelo movimento negro no Brasil, o romance tem como uma de suas características as referências e o diálogo que mantém com a historiografia recente da escravidão. Demonstrarei como o romance e como a própria historiografia esbarram nas limitações impostas a essas formas de representação do passado por seus vínculos com preceitos teóricos oriundos de conceitos de história, agência e tempo histórico vinculados à experiência moderna ocidental e, dessa forma, se apresentam muitas vezes como impasses para a compreensão dessas realidades.

Biografia do Autor

Renata Dal Sasso Freitas, Universidade Federal do Pampa Jaguarão, Rio Grande do Sul, Brasil, renatadsf@gmail.com

Currículo: http://lattes.cnpq.br/1522751206827475

Referências

ARAÚJO, André Berenger de. Sentidos da história na literatura: romance histórico no Brasil contemporâneo. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2021, 258p.

ARAUJO, Ana Lucia. Dandara e Luisa Mahin são consideradas heroínas do Brasil - o problema é que elas nunca existiram. The Intercept Brasil. 4/6/2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/06/03/dandara-luisa-mahin-panteao-patria/. Acesso em 30 de outubro de 2021.

AVILA, Arthur. Qual passado escolher? Uma discussão sobre o negacionismo histórico e o pluralismo historiográfico. Revista Brasileira de História, São Paulo, Vol. 41, n. 87, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbh/a/cYtjsrRVpgcwbZh4c7C48FS/?lang=pt. Acesso em: 25 de abril de 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-93472021v42n87-09.

CONDÉ, Maryse. Eu, Tituba, bruxa negra de Salem. Trad. de Natália Borges Polesso. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

DE CERTEAU, Michel. A escrita da história. Trad. de Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

DU BOIS, W. E. B. The Souls of Black Folk. Edited by Brent Hayes Edwards. Oxford: Oxford University Press, 2007.

ELIAS, Amy J. Sublime Desire. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2001.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2013.

GALLAGHER, Catherine. Ficção In: MORETTI, Franco (org.). O romance. Vol. 1. A cultura do romance. São Paulo: Cosac Naify, 2009, pp. 628-658.

GONÇALVES, Aline Najara da Silva. Luiza Mahin entre Ficção e História. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens, Universidade do Estado da Bahia, 2010. 99p.

GONÇALVES, Ana Maria. Um defeito de cor. Rio de Janeiro: Record, 2006.

GONÇALVES, Ana Maria & MADDOX, John. Inspiração e Viagens Através Da Diáspora: Uma Entrevista Com Ana Maria Gonçalves. Afro-Hispanic Review. Nashville: William Luis, Vol. 30, n. 2, 2011, pp. 167–80. Disponível el: http://www.jstor.org/stable/23617167. Acesso em 23 de outubro de 2021.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 92, n. 93, p. 69-82, 1988, p. 69-82.

HARTMAN, Saidiya. Perder a mãe. Trad. de José Luiz Pereira da Costa. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

HARTMAN, Saidiya. Vênus em dois atos. Revista Eco-Pós. Rio de Janeiro: PPGCOM/UFRJ, Vol. 23, n. 3, 2020, pp. 12-33. Disponível em:https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/27640. Acessado em 23 de junho de 2022. DOI: https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27640

HARTOG, François. Evidência da História: o que os historiadores veem. Trad. de Guilherme de Freitas Texeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

HARTOG, François. Crer na história. Trad. de Camila Dias. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

LABORNE, Ana Amélia de Paula. Branquitude e colonialidade do saber. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as, Goiânia: ABPN, Vol. 6, n. 13, p. 148-161, 2014. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/156. Acesso em: 30 de junho de 2022.

LACAPRA, Dominick. Writing History, Writing Trauma. With a new preface. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2014.

LIMA, Dulcilei Conceição. Desvendando Luíza Mahin: um mito libertário no cerne do feminismo negro. Dissertação de Mestrado, Programa de Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura, Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2011.

LIMA, Luiz Costa. O controle do imaginário e a formação do romance. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

MARTINS, Leda Maria. Performance da oralitura: corpo, lugar da memória. Letras, Santa Maria, nº 26, pp. 63-81, 2003. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/11881/7308. Acesso em 24 de outubro de 2021. DOI: https://doi.org/10.5902/2176148511881

NASCIMENTO, Maria Beatriz. Por uma história do homem negro. In: RATTS, Alex. Eu sou atlântica. Sobre a trajetória de Beatriz Nascimento. São Paulo: Instituto Kuanza/Imprensa Oficial, 2006. pp. 93-98.

NASCIMENTO, Beatriz Maria. Negro e racismo. In: RATTS, Alex. Eu sou atlântica. Sobre a trajetória de Beatriz Nascimento. São Paulo: Instituto Kuanza/Imprensa Oficial, 2006. pp. 98-102.

NAVES, Rodrigo. A forma difícil. Ensaios sobre a arte brasileira. São Paulo: Editora Ática, 1996.

NOBRE, Marcos. Da “formação” às “redes”. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica e Modernidade. São Paulo: USP, n. 19, 2012, pp. 13-36. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/filosofiaalema/article/view/64852. Acesso em 1 de julho de 2022. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i19p13-36

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Quando será o decolonial? Colonialidade, reparação histórica e politização do tempo. Caminhos Da História, Montes Claros: PPGH/Unimontes, Vol. 27, n. 2, 2022, pp.58–78.Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria. Acesso em: 2 de julho de 2022. DOI: https://doi.org/10.46551/issn.2317-0875v27n2p.58-78

PEREIRA, Allan Kardec. Escritas insubmissas: indisciplinando a História com Hortense Spillers e Saidiya Hartman. História da Historiografia, Ouro Preto: SBTHH, Vol. 14, n. 36, 2021, p. 481–508, . Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1719. Acesso em: 23 de novembro de 2021. DOI: 10.15848/hh.v14i36.1719

PEREIRA, Ana. Carolina Barbosa. Precisamos falar sobre o lugar epistêmico na Teoria da História. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 24, p. 88 - 114, 2018. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180310242018088. Acesso em: 23 de março de 2022. DOI: 10.5965/2175180310242018088.

PRICE, Fiona. Reinventing Liberty: Nation, Commerce and the British historical novel from Walpole to Scott. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2016.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil. Edição revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SANTOS, Ale. O racismo da academia apagou a história de Dandara e Luisa Mahin. The Intercept Brasil. 4/6/2019, Disponível em: https://theintercept.com/2019/06/03/dandara-luisa-mahin-historia. Acesso em: 30 de outubro de 2021.

SCHWARZ, Roberto. Autobiografia de Luiz Gama. Novos Estudos CEBRAP, Rio de Janeiro, nº 25, pp. 136-14, 1989.

SEBASTIANI, Silvia. The Scottish Enlightenment. Race, Gender and the Limits of Progress. Nova York: Palgrave Macmillan, 2013.

SILVA, Fabiana Carneiro. Quando o que se discute é a realidade: Um defeito de cor como provocação à história. Afro-Ásia. Salvador: UFBA, n. 55, pp. 71-109, 2017a. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/24131/15373. Acesso em 23 de outubro de 2021. DOI: 10.9771/aa.v0i55.24131

SILVA, Fabiana Carneiro. Maternidade negra em Um defeito de cor: Histórias, corpo e nacionalismo como questões literárias. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada, Universidade de São Paulo, 2017b.

SOUSA, Fernando dos Santos Baldraia. Time Between Spaces: the Black Atlantic and the Recent Historiography of Slavery in Brazil. Tese de Doutorado. Departamento de História e Estudos Culturais. Universidade Livre de Berlim, 2017.

SPILLERS, Hortense J. Mama's Baby, Papa's Maybe: An American Grammar Book. Diacritics. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, Vol. 17, n. 2, 1987, pp. 64-81. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/464747. Acesso em 23 de março de 2022.

TROUILLOT, Michel-Rolph. Silencing the Past: Power and Production of History. Boston: Beacon Press, 1995.

WATT, Ian. The Rise of the Novel. Berkeley: University of California Press, 2001.

WHITE, Hayden. This Historical Text as Literary Artifact. In: Tropics of Discourse. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1978, pp. 81-100.

WHITE, Hayden. The Pratical Past. Evanston: Northwestern University Press, 2014.

Downloads

Publicado

2023-07-27

Como Citar

DAL SASSO FREITAS, R. Um defeito de cor (2006) de Ana Maria Gonçalves e os limites da representação da escravidão. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 26, n. 1, p. 58–80, 2023. DOI: 10.5216/rth.v26i1.73883. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/73883. Acesso em: 2 mar. 2024.