ALGUMAS OBSERVAÇÕES À PROPOSTA DE UMA NOVA REPRESENTAÇÃO DO TEMPO NA PINTURA DO SÉCULO XX

Autores

  • Jefrrey Andrew Barash Université de Picardie Jules Verne
  • Ana Carolina de Azevedo Guedes PUC-RIO

Palavras-chave:

Teoria da História, Linguagem, Pintura

Resumo

            Os críticos têm a tendência de apresentar a pintura do século XX à partir do cubismo e das vanguardas como a emancipação das modas tradicionais de expressão figurativa. Minha hipótese neste artigo é que esta inovação traz na sua expressão da experiência temporal explorada pela sua vez pelo cubismo e pelas avant-gardes, através de um movimento de ultrapassagem dos estilos anteriores da pintura figurativa. Diante da proposta feita, me concentrarei em identificar alguns elementos que capturam esta distinção nas formas de representação do tempo na pintura. Esta análise irá se inspirar livremente na filosofia de Ernst Cassirer, menos para explicitar sua teoria das formas simbólicas do que para explorar uma das suas principais teses que Cassirer desenvolve como parte de sua reflexão sobre arte: como mito ou teoria científica, mas em um domínio de atividade humana que lhe é própria, a arte utiliza de maneiras específicas de conferir uma ordem para experimentar e comunicar (CASSIRER, 1995. p. 110). Esta ordem é construída a partir de padrões temporais, espaciais ou conceituais próprios a cada domínio. O que importa na teoria de Cassirer para minha própria abordagem, esta é maneira pela qual a arte confere uma ordem para experimentar, incluindo uma ordem temporal, não é mais regido por um critério uniforme, mas propenso a profundas modificações históricas. É esta tese que gostaria de examinar com um olhar mais atento, para interpretar qualquer novidade nos acordos de representação do tempo que caracteriza a pintura do século XX.

Biografia do Autor

Jefrrey Andrew Barash, Université de Picardie Jules Verne

Professor emérito de filosofia, trabalho nas áreas de filosofia política, memória coletiva, fenomenologia e mito político.

Ana Carolina de Azevedo Guedes, PUC-RIO

Doutoranda em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), desde 2016. Editora da Revista ANIMA (revista discente do curso de história Social da Cultura), desde 2016. Parecerista da Revista Entrelaces (UFC). Mestre em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em 2014, bolsista CAPES. Graduada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ em 2011.

Referências

ANTLIFF, Mark. Inventing Bergson, Princeton. N.J., Princeton University Press, 1993, p. 39-66.

DUKHAN, Igor. El Lissitzky -Jhewish as Universal: From Jewish Style to Pangeometry, Ars Judaica, 3, 2001.

ÉMILE, Male. L’art religieux de la fin du XVIe siècle, du XVII siècle et duXVIII siècle. étude sur l’iconographie après le concile de trente. Italie-France-Espagne-Flandres, Paris, Armand Colin, 1972, p. 72-86.

LÉGER, Fernand. Les réalisations picturales actuelles. Fonctions de la peinture, 1914, p.40.

KOSELLECK, Reinhart.Estratos do tempo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

KRISCHEL, Stefan Lochner. Die Muttergotes in der Rosenlaube. Leipzig, Seeman Verlag, 2006, p. 26-30.

Downloads

Publicado

2018-12-28

Como Citar

BARASH, J. A.; GUEDES, A. C. de A. ALGUMAS OBSERVAÇÕES À PROPOSTA DE UMA NOVA REPRESENTAÇÃO DO TEMPO NA PINTURA DO SÉCULO XX. rth |, Goiânia, v. 20, n. 2, p. 181–191, 2018. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/56512. Acesso em: 4 out. 2022.