HERÓIS DE PAPEL: HISTÓRIA E BIOGRAFIA EM GUSTAVO BARROSO

Autores

  • Erika Morais Cerqueira UFMG

Palavras-chave:

Gustavo Barroso, História, Biografia, Nacionalismo, Militarismo

Resumo

Objetivamos analisar o discurso historiográfico de Gustavo Barroso (1888-1959) presente nas narrativas biográficas elaboradas pelo escritor, entre 1928 e 1945. Para tanto, apresentaremos algumas reflexões acerca das formas discursivas e das concepções historiográficas que vemos compor a escrita da experiência do tempo em Barroso. Estudaremos, através da interface entre a história da historiografia e a literatura, as possíveis relações entre o seu ato de fala e o seu público, na constituição de um saber histórico politicamente comprometido com o passado militar da nação. Ao biografar os militares que atuaram durante o Segundo Reinado no Brasil, o escritor o fez à luz das inquietações de seu tempo, intentando construir análises históricas decifradoras e atualizadoras dos problemas nacionais. Propomos que a narrativa biográfica barroseana integra-se à escrita da história do Brasil, na medida em que auxilia na criação de uma ordem do tempo, o tempo da nação, e na definição de um espaço de atuação, o território brasileiro, elementos que balizavam as discussões historiográficas do período

Biografia do Autor

Erika Morais Cerqueira, UFMG

Doutoranda em História e Culturas Políticas junto ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e colaboradora do grupo Ritualizações do poder e do tempo: grupo de estudos em teoria da história e historiografia. Mestre em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e Especialista em Filosofia pela mesma Universidade. É sócia e pesquisadora da Sociedade Brasileira de Teoria e História da Historiografia (SBTHH). Atuou como colaboradora junto ao Núcleo de Estudos em História da Historiografia e Modernidade (NEHM), vinculado ao Departamento de História da UFOP. Autora do livro: Habitar o Passado - Gustavo Barroso e o seu tempo. Atualmente tem se dedicado a investigar as narrativas biográficas e as representações da história nacional durante a Primeira República e a Era Vargas. Professora efetiva de história e pesquisadora do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena IFSUDESTE MG.

Referências

ABENSOUR, Miguel. O heroísmo e o enigma do revolucionário. In: NOVAIS, Adauto.(org.) Tempo e História. São Paulo: Cia das Letras; Secretaria Municipal da Cultura, 1992.

ARFUCH, Leonor. O Espaço Biográfico: Dilemas da Subjetividade Contemporânea. RJ: EdUERJ, 2010.

ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. In: Estudos Históricos, vol. 2, n. 21, 1998.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. O significado das pequenas coisas: História, prosopografias e biografemas. In: AVELLAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (Orgs.). Grafia de Vida: reflexões e experiências com a escrita biográfica. São Paulo: Letra e Voz, 2012.

AVELLAR, Alexandre de Sá. Escrita biográfica, escrita da História: Das possibilidades de Sentido. In: AVELLAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (Orgs.). Grafia de Vida: reflexões e experiências com a escrita biográfica. São Paulo: Letra e Voz, 2012.

_________. A biografia como escrita da História: possibilidades, limites e tensões. Revista Dimensões, vol. 24, 2010, p. 157-172.

_________. Biografia e ciências humanas em Wilhelm Dilthey. In: Revista História da Historiografia, n. 9, agos. 2012, pp. 129-143.

_________. Subjetividades contemporâneas e escrita biográfica: limites, desafios e possibilidades. In: Revista História Oral, v. 13, n. 2, p. 33-51, jul-dez. 2010.

BARROSO, Gustavo. A Guerra do Lopez: contos e episódios da campanha do Paraguai. Rio de Janeiro: Getúlio M. Costa, 1928.

________. A Guerra do Rosas: contos e episódios relativos à campanha do Uruguai e da Argentina –(1851-1852) –1ª ed. São Paulo: Cia Editora Nacional. 1929.

________. Osório, o centauro dos pampas. Rio de Janeiro: G. M. Costa, 1932.

________. Tamandaré: O Nelson Brasileiro. Rio de Janeiro: Getúlio M. Costa, 1933.

________. História Militar do Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1938.

________. Biografia do Marechal de Campo José Luiz Menna Barreto. In: Anais do Museu Histórico Nacional, Vol. 2. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1941.

________. História e Tradição. In: Anais do Museu Histórico Nacional, Vol. 2. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1941.

________. Museu Militar.In: Anais do Museu Histórico Nacional. Rio de Janeiro: Gráfica Olímpica, 1942.

________. Os museus e a guerra. Anais do Museu Histórico Nacional, Vol. 3. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1942.

________. Esquematização da história militar do Brasil. In: Anais do Museu Histórico Nacional, Vol. 3. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1942.

________. Nos Bastidores da História do Brasil. São Paulo: Melhoramentos, s/d.

BATINDER, Elisabeth. As paixões intelectuais. 3 vols. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

BONAFÉ, Luigi. Como se faz um herói republicano: Joaquim Nabuco e a República. Niterói: PPGHIS/UFF, 2008. (Tese de doutorado).

BORGES, Vavy Pacheco. Nas pegadas de um leão: notas de pesquisa sobre a vida de Ruy Guerra. In:AVELLAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (Orgs.). Grafia de Vida: reflexões e experiências com a escrita biográfica. São Paulo: Letra e Voz, 2012.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, M. e AMADO, J. (orgs.). Usos e abusos da história oral. 5. ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2002.

BRESCIANI, Maria Stella Martins. O Charme da Ciência e a Sedução da Objetividade: Oliveira Vianna entre os intérpretes do Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

BURKE, Peter. A invenção da biografia e o individualismo renascentista. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n 19, 1997.

CARLYLE, Thomas. Os heróis. Tradução Portuguesa de Álvaro Ribeiro. 2ª ed. Lisboa: Guimarães Editores, 2002.

CARVALHO, José. Murilo. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1990.

CASTRO, Celso. Exército e Nação: Estudos sobre a História do Exército Brasileiro. RJ: FGV, 2012.

CATROGA, Fernando. O magistério da História e exemplaridade do ‘grande homem’. A biografia em Oliveira Martins. In: PÉRES JIMENÉS, A.; FERREIRA J. Ribeiro e FIALHO, Maria do Céu (ed.). O retrato literário e a biografia como estratégia de teorização política. Coimbra: Málaga, 2004.

CEZAR, Temístocles. Livros de Plutarco: biografia e escrita da história no Brasil do século XIX. Métis: história e cultura, v.2, n 3, jan-jul. 2003.

DE GROOT, Jerome. Empathy and Enfranchisement: Popular Histories. In: Rethinking History,Vol. 10, N. 3, 391-413, September 2006.

DE LUCA, Tania Regina. A Revista do Brasil: um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

DOSSE, François. O desafio biográfico –escrever uma vida. SP: Edusp, 2009.

DUTRA, Eliana. História e historiadores na Coleção Brasiliana: o presentismo como perspectiva? In: _________. (Org). O Brasil em dois Tempos: história, pensamento social e tempo presente. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

ENDERS, Armelle. Os Vultos da Nação: Fábrica de Heróis e Formação dos Brasileiros. RJ: FGV, 2014.

________. O Plutarco Brazileiro. A produção de vultos nacionais no segundo reinado. Estudos Históricos, Rio de janeiro, 2000.

FERNANDES, Cássio. Biografia, autobiografia e crônica na Florença do século XIV: as origens da historiografia moderna. Revista História da Historiografia, 2009.

FRANZINI, Fábio. À Sombra das Palmeiras: a Coleção Documentos Brasileiros e as transformações da historiografia nacional –(1936-1959). São Paulo: PPGHIS/USP, 2006. (Tese de Doutorado).

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. RJ: LTC Editoria, 1989.

GOMES, Ângela de Castro. A biblioteca de Viriato Corrêa: incursões sobre a leitura e a escrita de um intelectual brasileiro. In: DUTRA, Eliana. (Org). O Brasil em dois Tempos: história, pensamento social e tempo presente. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

________. Escrita de si, escrita da História: a título de prólogo. In: ________. (Org.). Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

GONÇALVES, Márcia. Em terreno movediço: história e memória em Octávio Tarquínio de Souza. Rio de Janeiro: UERJ, 2010.

GONTIJO, Rebeca. Capistrano de Abreu, viajante. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 30, n. 59, p. 15 –36, 2010.

________. Manoel Bomfim, ‘pensador da História’ na Primeira República. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 23, n. 45, PP. 129 –154, 2003.

________. O intelectual como símbolo da brasilidade: o caso Capistrano de Abreu. In: ABREU, Martha; GONTIJO, Rebeca; SOIHET, Rachel (orgs). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

GUIMARÃES, Lúcia Maria Paschoal. Circulação de saberes, sociabilidades e linhagens historiográficas: dois congressos de História Nacional (1914 e 1949). In:

GUIMARÃES, Manuel Luiz Salgado. Entre as luzes e o romantismo: as tensões da escrita da história no Brasil oitocentista. In: ________. (org.) Estudos sobre a escrita da História. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

JULIÃO, Letícia. Biografia Monumento: Machado de Assis na Coleção Brasiliana. In:

DUTRA, Eliana. (Org). O Brasil em dois Tempos: história, pensamento social e tempo presente. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

LEVI, Giovanni. Usos da biografia. In: FERREIRA, M. e AMADO, J. (orgs.). Usos e abusos da história oral. 5. ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2002.

LEVILLAIN, Philippe. Os protagonistas: da biografia. In: RÉMOND, René. (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Editora FGV, 1996.

LIMA, Luiz Costa. História. Ficção. Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LORIGA, Sabina. A biografia como problema. In: REVEL, Jacques. Jogos de escalas. Rio de Janeiro: FGV Editora, 1998, p. 225-249.

________. Biografias Paralelas: reflexões em torno de Hannah Arendt e Siegfried Kracauer. In: DUTRA, Eliana. (Org). O Brasil em dois Tempos: história, pensamento social e tempo presente. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

________. O Pequeno X: da Biografia à História. BH: Autêntica, 2011.

MACHADO, Maria Helena P. T. Um mitógrafo no Império: a construção dos mitos da história nacionalista do século XIX. Estudos Históricos, Rio de janeiro, 2000.

MADÉLENAT, Daniel. La biographie. Paris: PUF, 1984.

MARCELINO, Douglas Attila. A figura do escritor nas biografias de Machado de Assis e Euclides da Cunha das coleções Brasiliana e Documentos Brasileiros nos anos 1930 e 1940. In: Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio: Saberes e Práticas Científicas, 2014.

________. Rituais políticos e representações do passado: sobre os funerais de “homens de letras” na passagem do império à república. In: Revista Tempo. Vol. 22 n. 40. p.260-282, mai-ago., 2016.

MEGID, Daniele Maria. De homem a personagem: As construções sobre Machado de Assis nas biografias. In: AVELLAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (Orgs.). Grafia de Vida: reflexões e experiências com a escrita biográfica. São Paulo: Letra e Voz, 2012.

MOMIGLIANO, Arnaldo. The Development of Greek Biography. Cambridge University Press, 1971.

OLIVEIRA, Lúcia. Lippi. A Questão Nacional na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1990.

OLIVEIRA, Maria da Glória. Escrever vidas, narrar a história. A biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: PPGHIS/UFRJ, 2009. Tese de doutorado.

ORIEUX, Jean. A arte do biógrafo. In: DUBY, George. História e Nova História. Lisboa: Teorema, 1086.

PARRELA, Ivana. Coleções e publicações documentais no Brasil: estratégias e temporalidades. In: DUTRA, Eliana. (Org). O Brasil em dois Tempos: história, pensamento social e tempo presente. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

SCHMIDT, Benito Bisso. Construindo biografias... Historiadores e Jornalistas: aproximações e afastamentos. Revista de Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.10, n.19, p.3-21. 1997.

________. Grafia da vida: reflexões sobre a narrativa biográfica. História Unisinos, São Leopoldo, n. 10, v. 8, jul./dez. 2004, p. 140.

________. Grades invisíveis para rebentar: memórias de um militante de esquerda brasileiro sobre as prisões argentinas (1975-1979). In: AVELLAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (Orgs.). Grafia de Vida: reflexões e experiências com a escrita biográfica. São Paulo: Letra e Voz, 2012.

________. Escrever biografias no Brasil hoje: entre inovações e modelos tradicionais. In: DUTRA, Eliana. (Org). O Brasil em dois Tempos: história, pensamento social e tempo presente. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

________; CASTELLUCCI, Aldrian. Dossiê Biografia e História do Trabalho. Revista Mundos do Trabalho, vol. 8, n. 15, janeiro-junho de 2016.

________. Quando o historiador espia pelo buraco da fechadura: biografia e ética. História (São Paulo) v.33, n.1, p. 124-144, jan./jun. 2014.

________. Trajetórias e vivências: as biografias na historiografia do movimento operário brasileiro. Projeto História, São Paulo, n. 16, fev. 1998.

SILVA, Wilton C. L. Espelhos de Palavras: Escritas de si, autoetnografia e ego-história. In: AVELLAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (Orgs.). Grafia de Vida: reflexões e experiências com a escrita biográfica. São Paulo: Letra e Voz, 2012.

TOLENTINO, Thiago Lenine Tito. Monumentos de Tinta e Papel: Cultura Política na Criação Biográfica da coleção Brasiliana (1935-1950).Belo Horizonte: PPGHIS/UFMG, 2009. Dissertação de Mestrado.

________. Do ceticismo aos extremos: Cultura intelectual brasileira nos escritos de Tristão de Athayde (1916-1928).Belo Horizonte: PPGHIS/UFMG, 2016. Tese de Doutorado.

VENÂNCIO, Giselle Martins. Brasiliana segunda fase: percurso editorial de uma coleção que sintetiza o Brasil (1956 –1993). In: DUTRA, Eliana. (Org). O Brasil em dois Tempos: história, pensamento social e tempo presente. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

WERNECK, Maria Helena. O homem encadernado: Machado de Assis na escrita das biografias. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

Downloads

Publicado

2018-12-28

Como Citar

CERQUEIRA, E. M. HERÓIS DE PAPEL: HISTÓRIA E BIOGRAFIA EM GUSTAVO BARROSO. rth |, Goiânia, v. 20, n. 2, p. 130–151, 2018. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/56510. Acesso em: 3 out. 2022.