A IDEIA DO BELO NA TRADIÇÃO GERMÂNICA: DEBATES EM TORNO DO LAOCOONTE

Autores

  • Géssica Goés Guimarães UERJ

Palavras-chave:

Friedrich Schiller, Laocoonte, Johann W. Goethe, Johann J. Winckelmann, Modernidade

Resumo

Este artigo apresenta como eixo de suas interrogações o debate que se configurou no âmbito da estética e em território germânico, na segunda metade dos setecentos e primeiros anos do século seguinte. Reunindo nomes como Winckelmann, Lessing, Goethe e Schiller, a tradição intelectual alemã revela uma substancial influência do referencial estético clássico, sobretudo grego, na composição do Ideal de beleza que orientara filosófica e politicamente os artistas e pensadores para além do Reno. No centro desta contenda encontramos uma instigante sequência de comentários sobre o conjunto de esculturas gregas conhecido como Laocoonte. Entender a proeminência que tais intelectuais conferiram a essa obra para a compreensão do significado do belo para os antigos, assim como investigar de que forma esse Ideal foi valorizado na elaboração da noção de homem e cultura que eles almejavam para seu tempo e povo, são os principais objetivos esboçados aqui.

Biografia do Autor

Géssica Goés Guimarães, UERJ

Professora Adjunta do Departamento de História na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e professora colaboradora do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de História na mesma universidade. Líder do Grupo de Pesquisa COMUM (Comunidade de Estudos de Teoria da História da UERJ), onde atualmente desenvolve a pesquisa "Tempo histórico como "urgência": considerações sobre a experiência de tempo no Brasil de JK", financiado pela FAPERJ. Pesquisadora do NUBHES (Núcleo de Estudos sobre Biografia, História, Ensino e Subjetividades), onde atualmente desenvolve a pesquisa "Teoria de gênero e ideologia de gênero: por uma prática educativa democrática", também financiada pela FAPERJ. Possui graduação em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2004), mestrado em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2007) e doutorado em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2012). Tem experiência na área de História, com ênfase em Teoria da História, História da Historiografia e Ensino de História, atuando principalmente nos seguintes temas: teoria da história, epistemologias da história, história da historiografia, modernidade, historicismo, iluminismo, historiografia brasileira e teoria e ensino de história. Atualmente tem desenvolvido estudos sobre as mulheres e os debates de gênero na sociedade brasileira contemporânea.

Referências

ALLERT, BEATE. "Lessing’s Poetics as an Aprouch to Aesthetics". In: FISCHER, Barbara. FOX, Thomas C. (ed.). A Companion to the works of Gotthold Ephrain Lessing. Nova York: Camden House, 2005.

BARBOSA, Ricardo. Schiller e a cultura estética. Rio de janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

BEISER, Frederick. SCHILLER as a Philosopher: a Re-Examination. Oxford: Oxford University Press, 2005.

BERLIN, Isaiah. Le Mage du Nord, critique des Lumières. J.G. Hamann 1730-1788. Presses Universitaires de France, 1997.

CASSIRER, Ernest. A Filosofia do Iluminismo. Campinas: Unicamp, 1994.

ÉSQUILO. SÓFOCLES. EURÍPIDES. Os Persas, Electra e Hécuba. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

GOETHE, J. W. Escritos sobre Arte. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2008.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

LESSING, Gotthold Ephraim. De teatro e literatura. São Paulo: Editora Herder, 1964.

________. Dramaturgia de Hamburgo. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2005.

________. Laocoonte ou sobre as fronteiras da pintura e da poesia. São Paulo: Iluminuras, 2011.

MEIER, Christian. Política e Graça. Brasília: Ed. UNB, 1998.

PANOFSKY, Erwin. Idea: A Evolução do Conceito de Belo. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

REILL, Peter Hans. The German Enlightenment and the Rise of Historicism. Los Angeles: University of California Press, 1975.

POTTS, Alex. Flesh and the ideal: Winckelmann and the origins of Art History. Yale University Press, 1994.

SCHILLER, Friedrich. A Educação Estética do Homem. São Paulo: Editora Iluminuras LTDA, 2002.

________. Poesia Ingênua e Sentimental. São Paulo: Editora Iluminuras LTDA, 1991a.

________. Teoria da tragédia. São Paulo: EPU, 1991b.

SÜSSEKIND, Pedro. “A Grécia de Winckelmann”. In: Kriterion: Revista de Filosofia. Belo Horizonte: V. 49, nº117, 2008.

_________. (Organização) Friedrich Schiller: do sublime ao trágico. Tradução e ensaios Pedro Süssekind e Vladimir Vieira. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

WINCKELMANN. History of the art of Antiquity. Los Angeles: Texts and Documents, 2006.

_________. Réflexions sur l’Imitation dês Ouvres Grecques en Peinture et en Sculpture. Éditions Aubier: 1990.

Downloads

Publicado

2018-07-07

Como Citar

GUIMARÃES, G. G. A IDEIA DO BELO NA TRADIÇÃO GERMÂNICA: DEBATES EM TORNO DO LAOCOONTE . rth |, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 74–94, 2018. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/53865. Acesso em: 25 maio. 2022.