CONHECIMENTO HISTÓRICO COMO FORMAÇÃO DE VALORES PARA UMA VIDA ARTÍSTICA: UMA LEITURA DE REMBRANDT ALS ERZIEHER DE JULIUS LANGBEHN

Autores

  • Walkiria Oliveira Silva

Palavras-chave:

Bildung, identidade, historicismo, historiografia alemã, pragmática

Resumo

Rembrandt als Erzieher de Julius Langbehn foi publicado anonimamente em 1890, e seu sucesso editorial foi imediato. De modo geral, o livro consistia em uma crítica à cultura alemã do final do século 19 e seu principal alvo era a ciência moderna especializada. Neste artigo, a obra de Langbehn é analisada mediante três pontos centrais: o primeiro deles trata da concepção do autor sobre o estado geral no qual se encontrava o conhecimento científico de seu próprio tempo. Atrelado a este ponto, procura-se entender a relação entre o conhecimento histórico e as ideias propostas por Langbehn para o conhecimento científico de modo geral. Mais ao final, intenta-se compreender de que maneira o conhecimento histórico - tal como proposto pelo autor - atrela-se ao conceito de Bildung e sua função pragmática.

Biografia do Autor

Walkiria Oliveira Silva

Doutoranda em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília, com estágio sanduíche no Institut für die soziale Bewegung - Ruhr Universität (Bochum/Alemanha). É mestra em História pela Universidade de Brasília. Foi bolsista do DAAD - Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico em 2012.É graduada em História pela Universidade Federal de Ouro Preto. Integra o NEHM (Núcleo de Estudos em Historiografia e Modernidade da Universidade Federal de Ouro Preto) e a SBTHH (Sociedade Brasileira de Teoria da História e Historiografia). Dedica-se às pesquisas sobre história intelectual com ênfase nas temáticas da formação histórica e da pragmática do conhecimento histórico. Atualmente é professora do departamento de História da Universidade de Brasília. Sua dissertação de mestrado "Alemanha Secreta: Biografia e História no Círculo de Stefan George" ganhou o prêmio da Sociedade Brasileira de Teoria da História e Historiografia.

Referências

BEHRENDT, Bernd. Zwischen Paradox und Paralogismus: weltanschauliche Grundzüge einer Kulturkritik. Frankfurt am Main: Lang, 1984.

BOLLENBECK, Georg. Bildung und Kultur. Glanz und Elend eines deutschen

Deutungsmusters. Frankfurt: Suhrkamp, 1996.

BÜRGER-PRINZ, Hans. Julius Langbehn der Rembrandtdeutsche: eine pathopsychologische Studie. Leipizig: Johann Ambrosius Bahth, 1940.

HOBSBAWM, Eric. A Era do Capital. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

HUMBOLDT, Wilhelm von. “Theorie des Bildung des Menschen”. In: FLITNER, Andreas; GIEL, Klaus (Hgb.) Werk in fünf Bänden. Darmstadt, 1960.

KOSELLECK, Reinhardt. Bidlungsbürgertum im 19. Jahrhundert. Teil II. Stuttgart: KlettCotta, 1990.

LANGBEHN, Julius.Rembrandt als Erzieher. Weimar: Alexander Duncker Verlag: 1934.

NIPPERDEY, Thomas. Deutsche Geschichte: 1866-1918. Band I: Arbeitswelt und Bürgergeist. Munique: Verlag C.H. Becker, 1990.

NISSEN, Benedikt M. Der Rembrandtdeutsche Julius Langbehn. Freiburg im Breisgau: Herder, 1926.

PANKAU, Johannes. Wege zurück: zur Entwicklungsgeschichte restaurativen Denkens im Kaiserreich; eine Untersuchung kulturkritischer und deutschkundreicher Ideologiebildung. Frankfurt am Main: Lang, 1983.

RÜSEN, Jörn. História Viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2007.

__________. Reconstrução do Passado. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2010.

STERN, Fritz. Kulturpessimismus als politische Gefahr: eine Analyse nationaler Ideologie in Deutschland. Stuttgart: Klett-Cotta, 2005.

Downloads

Publicado

07-07-2018

Como Citar

Silva, W. O. (2018). CONHECIMENTO HISTÓRICO COMO FORMAÇÃO DE VALORES PARA UMA VIDA ARTÍSTICA: UMA LEITURA DE REMBRANDT ALS ERZIEHER DE JULIUS LANGBEHN . Rth |, 19(1), 95–117. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/53789