MICROANÁLISE: INTERDISCIPLINARIDADE E TEORIA DA HISTÓRIA

Autores

  • Paulo Fernando de Souza Campos

Palavras-chave:

Teoria da História, Escolas Históricas, Micro-História, Interdisciplinaridade, Historiografia

Resumo

O presente artigo ocupa-se de uma reflexão sobre o percurso da microanálise no âmbito das teorias da História. A bibliografia consultada permite aproximações e afastamentos referentes às noções de tempo, personagens e fontes históricas entre a teoria-modelo e perspectivas historiográficas antecessoras. O levantamento considera que a produção do conhecimento microanalítico redimensiona paradigmas ao valorizar detalhes como indícios históricos e desvios estudados na redução da escala de análise, procedimentos que alteram tanto o ofício do historiador, quanto a escrita da História.

Biografia do Autor

Paulo Fernando de Souza Campos

Licenciado em História (1993) pela Universidade Estadual de Maringá - UEM, Mestre em História (1997) com bolsa FAPESP (1994-1997) e Doutor em História (2003) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, Assis com pesquisa de Pós-Doutorado pelo Programa de Pós-Doutorado da Universidade de São Paulo na Escola de Enfermagem - EE/USP com bolsa FAPESP (2006-2010). Professor Visitante no Programa de Doutorado em Cultura de los Cuidados da Universidade de Alicante - U.A. Espanha (2008). Pesquisador e líder do Grupo de Pesquisa Ciência, Saúde, Gênero e Sentimento da Universidade Santo Amaro - CISGES/UNISA/CNPq. Professor Doutor do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas "Sociedade, Cultura e Linguagens" e Graduação em Licenciatura em História da Universidade Santo Amaro - UNISA, São Paulo nas áreas de Teoria da História, História das Mulheres, História do Brasil República e Metodologia Científica. (Texto informado pelo autor)

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

BARROS, José D'Assunção. Sobre a feitura da micro-história. OPSIS, v. 2, p. 46-64, 2007. Disponível em:

<http://www.revistas.ufg.br/index.php/Opsis/article/view/9336/6428#.U1WPEtpdWSo>. Acesso em: 25 mar 2014.

_____. Teoria da Historia. Princípios e conceitos fundamentais. Petrópolis: Vozes, 2011.

BENTIVOGLIO, Julio; LOPES, Marcos Antônio. (orgs.) A Construção da História como Ciência. De Ranke a Braudel. Petrópolis: Vozes, 2013.

BURKE, Peter. A Escola dos Annales (1929-1989): a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

FAUSTO, Boris. O crime do restaurante chinês. Carnaval, futebol e justiça na São Paulo dos anos 30. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FRANÇA, José Marcel de Carvalho. História em Close-Up. O historiador globalizado. Folha de S. Paulo, 1 set. 2002. Caderno Mais!, p.4-8.

GINZBURG, Carlo. Relações de Força. História, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

_____ Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In:_____. Mitos, Emblemas e Sinais. Morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1889. p.143-180.

_____. O queijo e os vermes. O cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GOMES, Plinio Freire. Um herege vai ao paraíso. Cosmologia de um ex-colono condenado pela Inquisição (1680-1744). São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. O Atual e Inatual em Leopold Von Ranke. Revista de História, v. l, n.100, outubro/dezembro. 1974, p.431-482.

LEVI, Giovanni. Sobre a micro-história. In: BURKE, Peter. A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: Edunesp, 2011. p.135-163.

_____. A herança imaterial. Trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

LIMA, Henrique Espada. A micro-história italiana: escalas, indícios e singularidades. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MALERBA, Jurandir. A Velha história: teoria, método e historiografia. São Paulo: Papirus, 1996.

_____. Lições de História. Da história científica à critica da razão metódica no limiar do século XX. (org.) Porto Alegre: FGV/EDIPUC-RS, 2013.

MARTINS, Estevão; CALDAS, Pedro. Leopold Von Ranke. In: BENTIVOGLIO, Julio; LOPES, Marcos Antônio. (orgs) A Construção da História como Ciência. De Ranke a Braudel. Petrópolis: Vozes, 2013. p.13-32.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia. Carlo Ginzburb. In: _____. As muitas faces da história. Nove entrevistas. São Paulo: Edunesp, 2000. p.269-306.

REVEL, Jacques. Microanálise e a construção do social. In: _______ Jogos de escalas. A experiência da microanálise. Rio de Janeiro: FGV, 1998. p.15-38.

ROJAS, Carlos Antonio Aguirre. Micro-história italiana. Modo de uso. Tradução: Jurandir Malerba. Londrina: Eduel, 2012.

THOMPSON, E. Palmer. Costumes em Comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

VEYNE, Paul. Tudo é histórico, portanto a História não existe. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da. (org.) Teoria da História. São Paulo: Cultrix, 1971

VAINFAS, Ronaldo. Micro-história. Os protagonistas anônimos da História. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

VOLTAIRE. Zadig ou do Destino. Introdução de René Pomeau. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Downloads

Publicado

2018-07-07

Como Citar

CAMPOS, P. F. de S. MICROANÁLISE: INTERDISCIPLINARIDADE E TEORIA DA HISTÓRIA . rth |, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 227–245, 2018. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/53775. Acesso em: 17 maio. 2022.