A TOTALIDADE ENQUANTO PROBLEMA HISTÓRICO E CATEGORIA TEÓRICA: UMA ABORDAGEM A PARTIR DAS OBRAS DE HUMBOLDT, SIMMEL E ERNST JÜNGER

Autores

  • Vitor de Oliveira Pinto Coelho Doutorando PUC-Rio

Palavras-chave:

Bildung, modernidade, sujeito, linguagem, totalidade.

Resumo

O artigo tem como objetivo destacar, com uma breve abordagem da obra de Humboldt,Simmel e Jünger, como o espaço de mediação – “terceira instância” – entre sujeito emundo objetificado, formulado por Humboldt em torno da noção de Bildung, se vê àsvoltas com o processo de autonomização do mundo objetivo, a partir do final do séculoXIX, o que será objeto de análise de Simmel. A ruptura entre sujeito e objeto e adissolução da linguagem como espaço de reflexão e constituição de historicidade, nocontexto da emergência do reacionarismo alemão, encontra em Jünger a solução (aomesmo tempo moderna e conservadora): a dissolução do sujeito pela mobilização totalse articula com uma “linguagem sem palavras”. Assim, procuramos mostrar como atotalidade ideal enquanto espaço de formação e reflexão dá lugar a uma totalidade quepropõe a dissolução da subjetividade com a junção do orgânico (da vida) com omecânico.

Downloads

Como Citar

Coelho, V. de O. P. (2014). A TOTALIDADE ENQUANTO PROBLEMA HISTÓRICO E CATEGORIA TEÓRICA: UMA ABORDAGEM A PARTIR DAS OBRAS DE HUMBOLDT, SIMMEL E ERNST JÜNGER. Rth |, 8(2), 78–105. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/28954

Edição

Seção

Artigos livres