A expansão da construção causativa no Português Brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v35.75542

Palavras-chave:

Linguística cognitiva, Gramática de Construções, construção causativa, verbo de mudança de estado

Resumo

Este artigo evidencia a expansão da construção causativa no Português Brasileiro. Nosso objetivo é apresentá-la como uma construção que está se expandindo, gradualmente, em registros informais. Os pressupostos teóricos vinculam-se à Linguística Cognitiva e a metodologia é descritiva e qualitativa. Os verbos crescer, desmaiar, evoluir e falir, tradicionalmente classificados como intransitivos, não ocorreriam na construção causativa, contudo, nossa análise mostra que ocorrem na causativa [[XCAUSA] [YEVENTO]], contrastando com estudos de gramática tradicional. Os resultados indicam que esse uso em novos contextos é possível devido à compatibilidade semântica entre o sentido expresso pela construção e o sentido expresso pelo verbo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Veridiana Hack Poll, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, talitaveridiana@hotmail.com

Doutoranda em Linguística pela UFSC.

Heronides Maurilio de Melo Moura, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, heronides@uol.com.br

Professor na UFSC. 

Referências

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. revista, ampliada e atualizada conforme o novo Acordo Ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BYBEE, Joan. Mudança linguística. Petrópolis: Vozes, 2020.

CUNHA, Celso; CINTRA, Luis. Nova gramática do português contemporâneo. 7. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2017.

GIVÓN, Talmy. Syntax: an introduction. Vol. 1. Amsterdam: John Benjamins, 2001.

GOLDBERG, Adele. Explain me this: creativity, competition, and the partial productivity of constructions. Princeton: Princeton University Press, 2019.

GOLDBERG, Adele. Constructions at work: the nature of generalization in language. New York: Oxford University Press, 2006.

GOLDBERG, Adele. Constructions: a Construction Grammar approach to argument structure. Chicago: Chicago University Press, 1995.

HAIMAN, John. Iconic and economic motivation. Language, v. 59, n. 4, p. 781-819, 1983.

JACKENDOFF, Ray. Semantic Structures. Cambridge: The MIT Press, 1990.

LEVIN, Beth. English verb classes and alternations. Chicago: The University of Chicago Press, 1993.

MICHAELIS. Dicionário de Português Brasileiro. Editora Melhoramentos. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br. Acesso em: 16 mai. 2022.

PERINI, Mario Alberto. Estudos de gramática descritiva: as valências verbais. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

PERINI, Mario Alberto. Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, 2005.

PINKER, Steven. Do que é feito o pensamento. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

PINKER, Steven. Learnability and cognition. Cambridge: MIT Press, 1989.

ROCHA LIMA, Carlos Henrique. Gramática normativa da língua portuguesa. 49. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011.

Downloads

Publicado

2023-11-17

Como Citar

POLL, T. V. H.; MOURA, H. M. de M. A expansão da construção causativa no Português Brasileiro. Signótica, Goiânia, v. 35, p. e75542, 2023. DOI: 10.5216/sig.v35.75542. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/75542. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos