A expansão da construção causativa no Português Brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v35.75542

Palavras-chave:

Linguística cognitiva, Gramática de Construções, construção causativa, verbo de mudança de estado

Resumo

Este artigo evidencia a expansão da construção causativa no Português Brasileiro. Nosso objetivo é apresentá-la como uma construção que está se expandindo, gradualmente, em registros informais. Os pressupostos teóricos vinculam-se à Linguística Cognitiva e a metodologia é descritiva e qualitativa. Os verbos crescer, desmaiar, evoluir e falir, tradicionalmente classificados como intransitivos, não ocorreriam na construção causativa, contudo, nossa análise mostra que ocorrem na causativa [[XCAUSA] [YEVENTO]], contrastando com estudos de gramática tradicional. Os resultados indicam que esse uso em novos contextos é possível devido à compatibilidade semântica entre o sentido expresso pela construção e o sentido expresso pelo verbo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Veridiana Hack Poll, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC

Doutoranda em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina.

Heronides Maurilio de Melo Moura, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC

Professor na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina. 

Referências

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. revista, ampliada e atualizada conforme o novo Acordo Ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BYBEE, Joan. Mudança linguística. Petrópolis: Vozes, 2020.

CUNHA, Celso; CINTRA, Luis. Nova gramática do português contemporâneo. 7. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2017.

GIVÓN, Talmy. Syntax: an introduction. Vol. 1. Amsterdam: John Benjamins, 2001.

GOLDBERG, Adele. Explain me this: creativity, competition, and the partial productivity of constructions. Princeton: Princeton University Press, 2019.

GOLDBERG, Adele. Constructions at work: the nature of generalization in language. New York: Oxford University Press, 2006.

GOLDBERG, Adele. Constructions: a Construction Grammar approach to argument structure. Chicago: Chicago University Press, 1995.

HAIMAN, John. Iconic and economic motivation. Language, v. 59, n. 4, p. 781-819, 1983.

JACKENDOFF, Ray. Semantic Structures. Cambridge: The MIT Press, 1990.

LEVIN, Beth. English verb classes and alternations. Chicago: The University of Chicago Press, 1993.

MICHAELIS. Dicionário de Português Brasileiro. Editora Melhoramentos. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br. Acesso em: 16 mai. 2022.

PERINI, Mario Alberto. Estudos de gramática descritiva: as valências verbais. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

PERINI, Mario Alberto. Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, 2005.

PINKER, Steven. Do que é feito o pensamento. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

PINKER, Steven. Learnability and cognition. Cambridge: MIT Press, 1989.

ROCHA LIMA, Carlos Henrique. Gramática normativa da língua portuguesa. 49. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011.

Downloads

Publicado

2023-11-17

Como Citar

POLL, T. V. H.; MOURA, H. M. de M. A expansão da construção causativa no Português Brasileiro. Signótica, Goiânia, v. 35, p. e75542, 2023. DOI: 10.5216/sig.v35.75542. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/75542. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos