A toponímia oficial e paralela na nomeação de praças de Cuiabá/MT

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v35.74029

Palavras-chave:

Léxico, Toponímia, Onomástica, Cuiabá, Praça

Resumo

Este trabalho discute resultados de um estudo sobre as toponímias oficial e paralela de 65 praças de Cuiabá/MT, localizadas na região mais antiga da cidade, quanto à taxionomia, estrutura morfológica e língua de origem (DICK, 1990, 1992). O estudo aponta que a toponímia oficial das praças é composta essencialmente por antropotopônimos e axiotopônimos com 80,95% de registros, o que revela influências das forças políticas, militares, religiosas e econômicas na denominação, enquanto a toponímia paralela não evidencia destaques significativos, pois, dos 65 topônimos analisados, 53,30% possuem topônimos paralelos distribuídos em 14 categorias taxionômicas, sendo a dos sociotopônimos a taxe mais produtiva (26,47%).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Soeli Bento Clementi, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, MS

Doutoranda em Estudos de Linguagens pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Aparecida Negri Isquerdo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, MS

Pesquisadora Sênior na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Referências

AMARAL, Eduardo Tadeu Roque; SEIDE, Márcia Sipavicius. Nomes próprios de pessoa: introdução à antroponímia brasileira. São Paulo: Blucher, 2020.

AULETE, Caldas. Novíssimo Aulete dicionário contemporâneo da língua portuguesa/Caldas Aulete. Rio de Janeiro: Lexikon, 2011.

AULETE, Caldas. Aulete digital. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008. Disponível em: http://aulete.com.br. Acesso em: 21 jul. 2022.

BACKHEUSER, Everardo; LAMEGO, Alberto Ribeiro; GABAGLIA, Raja. TOPONÍMIA: (Suas regras — Sua evolução). Revista Geográfica, Cidade do México, n. 25/30, p. 163-195, 1950.

BARRETO, Neila Maria Souza. Bicas fontes, chafarizes, caixa d´água velha e a água de beber no espaço urbano de Cuiabá (1790-1886). Cuiabá: Carlini & Caniato, 2015.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. 3. ed. Campinas, SP: Fontes, 1991.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo; MURAKAWA, Clotilde de Almeida Azevedo. (org.). Dicionário Histórico do Português do Brasil: séculos XVI, XVII e XVIII. Araraquara: FCL – UNESP, 2021. Disponível em: http://dicionarios.fclar.unesp.br. Acesso em: 10 dez. 2021.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. Dimensões da palavra. Filologia e Linguística Portuguesa, Araraquara, v. 2, n. 2, p. 81-118, 1998. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/flp/article/view/59660. Acesso em: 15 nov. 2021.

CARDOSO, Armando Levy. Toponímia brasílica. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1961.

DAUZAT, Albert. La Toponymie Française. Paris: Payot, 1946.

DAUZAT, Albert. Les noms de lieux: origine et évolution, villes et villages, pays, cours d’eau, montagnes, lieux-dits. Paris: Librairie Delagrave, 1926.

DICK, Maria Vicentina do Amaral. A dinâmica dos nomes na cidade de São Paulo, 1954-1897. São Paulo: Annablume, 1997.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições Arquivo do Estado, 1990.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica: princípios teóricos e modelos taxeonômicos. 1980. 351 f. Tese (Doutorado em Linguística e Línguas Orientais - Línguas Indígenas do Brasil) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1980.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Fundamentos teóricos da Toponímia. Estudo de caso: o projeto ATEMIG – Atlas toponímico do estado de Minas Gerais (variante regional do Atlas Toponímico do Brasil). In: SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de (org.). O léxico em estudo. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2006. p. 91-117.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas/ FFLCH/USP, 1992.

DRUMOND, Carlos. Contribuição do Bororo à toponímia brasílica. São Paulo: Editora da USP, 1965.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Monções. São Paulo: Alfa Omega, 1976.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

IPDU - Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Urbano. Composição dos bairros de Cuiabá. Cuiabá, 2010.

IPDU - Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Urbano. Organização Geopolítica de Cuiabá. Cuiabá, 2007.

ISQUERDO, Aparecida Negri. O nome do município. Um estudo etnolinguístico e sócio-histórico na toponímia sul-mato-grossense. Prolíngua, João Pessoa, v. 2, n. 2, p. 34-52, dez. 2008. Disponível em: https://docplayer.com.br/21480485-O-nome-do-municipio-um-estudo-etnolinguistico-e-socio-historico-na-toponimia-sul-mato-grossense.html. Acesso em: 10 maio 2021.

ISQUERDO, Aparecida Negri; OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires de. Apresentação. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires de. (org.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. 2 ed. Campo Grande: EdUFMS, 2001. p. 9-11.

ISQUERDO, Aparecida Negri. A motivação toponímica: algumas reflexões. In: SELLA, Aparecida Feola; CORBARI, Clarice Cristina; BIDARRA, Jorge. (org.). Pesquisas sobre Léxico: reflexões teóricas e aplicação. 1 ed. Campinas, SP; Cascavel, PR: Pontes; Edunioeste, 2013. v. 26, p. 81-96.

SAMPAIO, Teodoro. O tupi na geografia nacional. Memoria lida no Instituto Historico e Geographico de S. Paulo. São Paulo: Typ. da Casa Eclectica, 1901. Disponível em: http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/biblio%3Asampaio-1901-tupi/sampaio_1901_tupi.pdf. Acesso em: 30 ago. 2021.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. 28. ed. São Paulo: Cultrix, 2012.

SMDU - Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano. Áreas de praças situadas dentro do perímetro da Av. Miguel Sutil. Cuiabá, 2009.

SOUSA, Alexandre Melo de. Projeto Atlas Toponímico da Amazônia Ocidental Brasileira: Gênese e Trajetória. ÍCONE - Revista de Letras, São Luís de Montes Belos, v. 2, n. 2, p. 31-42, jul. 2008. Disponível em: http://www.slmb.ueg.br/iconeletras. Acesso em: 28 ago. 2021.

VIEIRA, Zara Peixoto. Estudo Onomástico do Município de Socorro: reconstituição dos antropônimos e da memória da imigração. 2000. 196f. Dissertação (Mestrado em Semiótica e Linguística Geral) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade do Estado de São Paulo, São Paulo, 2000.

Downloads

Publicado

2023-04-14

Como Citar

CLEMENTI, S. B.; ISQUERDO, A. N. A toponímia oficial e paralela na nomeação de praças de Cuiabá/MT. Signótica, Goiânia, v. 35, p. e74029, 2023. DOI: 10.5216/sig.v35.74029. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/74029. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos