Nolite te bastardes carborundorum: a narrativa testemunhal em o conto da aia, de Margaret Atwood

Autores

  • Adriana Souza Machado Santana Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil. E-mail: drica.chase7@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-6482-7136
  • Marcelo Ferraz de Paula Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil. E-mail: marcelo2867@ufg.br. https://orcid.org/0000-0002-2641-1794

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v33.68848

Palavras-chave:

Testemunho; Memória; Margaret Atwood; Romance contemporâneo.

Resumo

O artigo analisa a narrativa da personagem Offred, do romance O Conto da Aia, concentrando-se no exame de suas configurações testemunhais. Em diálogo com estudos de Agamben (2008), Felman (2000), Seligmann-Silva (2003, 2005) e Gagnebin (2009) sobre o testemunho, buscamos evidenciar como a construção ficcional da obra tensiona o gênero romance, incorporando em sua tessitura formal impasses éticos e estéticos que são próprios da chamada “literatura de testemunho”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Ferraz de Paula, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil. E-mail: marcelo2867@ufg.br.

Professor da Faculdade de Letras da UFG e membro do quadro permanente do PPGLL-UFG.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). Tradução: Selvino J. Assman. São Paulo: Boitempo, 2008.

ATWOOD, Margaret. O conto da aia. Tradução Ana Deiró. Rio de Janeiro: Rocco, 2017a.

ATWOOD, Margaret. The Handmaid’s Tale. Reino Unido: Vintage Books, 2017b.

BENTIVOGLIO, Júlio; CUNHA, Marcelo Durão R. da; BRITO, Thiago Vieira de (org.). Distopia, literatura & história. Serra: Ed. Milfontes, 2017. BLOOM, Harold. Margaret’s Atwood: The Handmaid’s Tale (Bloom’s guides). New York: Infobase Publishing, 2014.

BRADBURY, Ray. Fahrenheit 451. Tradução: Cid Knipel. São Paulo: Biblioteca Azul, 2012.

FELMAN, Shoshana. Educação e crise Ou as vicissitudes do ensinar. In: SELIGMANN-Silva, M.; NESTRÓVSKI, A. (org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta 2000. p. 13-72.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio: o minidicionário da língua portuguesa. 7 ed. coord de ed. Marina Baird Ferreira; eq. de lexicografia Margarida dos Anjos. Curitiba: Ed. Positivo, 2008.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever viver. São Paulo: Editora 34, 2006.

HUXLEY, Aldous. Admirável mundo novo. Tradução: Vidal de Oliveira. São Paulo: Biblioteca Azul, 2014. LEVI, Primo. É isto um homem? Tradução: Luigi Del Re. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

MARCO, Valéria de. A literatura de testemunho e a violência de estado. Lua nova, s. v., n. 62, p. 45-68, 2004.

ORWEL, George. 1984. Tradução: Heloísa Jahn. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

PENGUIN RANDOM HOUSE. The Handmaid’s Tale: Margaret Atwood and showrunner Bruce Miller (full panel) BookCon 2017. 2017. (57min18sec). Disponível em: https://www.youtube. com/watch?v=tFqJ8wqUpwk&t=1s. Acesso em: 20 jan. 2020.

PETTERSON, Fredrick. Discourse and oppression in Margaret Atwood’s The Handmaid’s Tale. School of Languages and Literature/ English, Linnaeus University, 2010. Disponível em: http://www.diva-portal.org/smash/get/diva2:321781/fulltext01. pdf. Acesso em: 5 abr. 2020. SELIGMANN-SILVA,

Márcio. Apresentação da questão: a literatura do trauma. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2003a.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Reflexões sobre a memória, a história e o esquecimento. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2003b.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Testemunho e a política da memória: o tempo depois das catástrofes. Proj. História, São Paulo, v. 30, s. n., p. 71-98, jun. 2005.

Downloads

Publicado

2022-01-21

Como Citar

SANTANA, A. S. M.; PAULA, M. F. de . Nolite te bastardes carborundorum: a narrativa testemunhal em o conto da aia, de Margaret Atwood. Signótica, Goiânia, v. 33, 2022. DOI: 10.5216/sig.v33.68848. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/68848. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Literários