O novo épos como forma histórica

Breves considerações sobre as teorias do romance de Lukács e Bakhtin

Autores

  • Manfred Rommel Pontes Viana Mourão Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, Ceará, Brasil
  • Roseli Barros Cunha Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, Ceará, Brasil https://orcid.org/0000-0003-2948-980X

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v33.65284

Palavras-chave:

Bakhtin, Forma, História, Lukács, Romance

Resumo

Tanto Georg Lukács (1885 – 1971) como Mikhail Bakhtin (1895 – 1975) elaboraram teorias do romance (em1916 e meados dos anos 1930, respectivamente), ainda hoje consagradas no mundo ocidental.  Embora semelhanças possam ser encontradas em suas obras, algumas disparidades são observáveis. Para esclarecê-las, voltamo-nos para uma sinopse dessas ideias, com foco na relação entre história e romance. Assim, dividimos nossa argumentação em três momentos: 1º averiguamos a ideia de consciência histórica nas teorias do romance analisadas; 2º desenvolvemos a concepção de forma histórica e 3º estabelecemos a diferença entre as versões da história nos dois autores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular da Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Brasília: EdUnb, São Paulo: Hucitec, 1987.

BAKHTIN. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Unesp, 1998.

BAKHTIN. The Dialogic Imagination: Four Essays. Texas: University of Texas Press, 1981.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre a filosofia da história. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

GOETHE, Johann Wolfgang Von. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. São Paulo: Editora 34, 2009.

HEGEL, Georg W. F. A razão na história. Lisboa: Edições 70, 1995.

HEGEL. Cursos de estética (vol. I). São Paulo: Edusp, 2004.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Lisboa: Edições 70, 1985.

HOLQUIST, Michael. Dialogism: Bakhtin and his World. London: Routledge, 2002.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. São Paulo: Editora 34, 2000.

LUKÁCS. Pósfacio. In: GOETHE, Johann Wolfgang Von. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. São Paulo: Editora 34, 2009.

PUGA, Rogério Miguel. O Bildungsroman (Romance de formação): Perspectivas. Lisboa: Universidade de Nova Lisboa, 2016.

Downloads

Publicado

2021-08-09

Como Citar

MOURÃO, M. R. P. V.; CUNHA, R. B. O novo épos como forma histórica: Breves considerações sobre as teorias do romance de Lukács e Bakhtin. Signótica, Goiânia, v. 33, p. e65284, 2021. DOI: 10.5216/sig.v33.65284. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/65284. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Estudos Literários