Posse atributiva em libras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v32.64146

Palavras-chave:

Posse, Possuidor, Possuído, Libras

Resumo

Este artigo é um estudo descritivo sobre o sistema de posse atributiva na língua de sinais brasileira, a partir da análise de dados coletados em campo, em vídeos recebidos do aplicativo WhatsApp e de um corpus sobre piadas que circulam entre os surdos. De acordo com a análise de dados, a posse em Libras acontece por meio de (i) pronomes possessivos; (ii) do sinal PRÓPRIO e por (iii) justaposição. No artigo, descrevemos essas estratégias e apresentamos alguns padrões articulatórios e sintáticos relacionados à construção de posse.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Ishac Brandão El Khouri, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: brandao.ufg@gmail.com

Professor da Universidade Federal do Tocantins - UFT, Campus de Porto Nacional, no curso de Letras Libras. Mestrando em Letras, pela Universidade Federal do Tocantins - UFT. É especialista em Braille e Libras pela Faculdade Venda Nova do Imigrante - FAVENI (2017) e Tradução e Interpretação pela Faculdade de Administração, Ciências, Educação e Letras - FACEL (2017) e licenciado em Letras: Libras pela Universidade Federal de Goiás (2017). Na academia foi monitor das disciplinas Introdução à Escrita da Língua de Sinais (2014) e Escrita da Língua de Sinais I (2015). Aprovado no Exame Nacional de Certificação de Proficiência em Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, na modalidade: proficiência no uso e no ensino de Libras (2015). Colaborador do grupo de pesquisa LALELIS - Laboratório de Leitura e Pesquisa em Leitura e Escrita das Línguas de Sinais.

Bruno Gonçalves Carneiro, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: brunocarneiro@uft.edu.br

Professor da Universidade Federal do Tocantins, Campus de Porto Nacional, no curso de Letras Libras e no Programa de Pós-Graduação em Letras. Mestre e Doutor em Letras e Linguística pela UFG, graduado em Letras Libras Bacharelado pela UFSC (2012) e Fisioterapia pela UFVJM (2006). Certificado pelo Prolibras em tradução e interpretação/ nível médio (2007) e no Uso e Ensino de Libras/ nível superior (2008). Atua nos seguintes temas: tipologia linguística, análise e descrição da língua de sinais brasileira e educação de surdos.

Mônica Veloso Borges, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil. E-mail: mvborges8@hotmail.com

Professora Associada III da Faculdade de Letras (FL) e do Núcleo Takinahaky de Formação Superior Indígena (NTFSI) da Universidade Federal de Goiás (UFG), onde trabalha em ensino, pesquisa e extensão desde 1994. Atua no Curso de Graduação (Licenciatura) e Especialização em Educação Intercultural, bem como na Pós-Graduação em Letras e Linguística (PPGLL/UFG). É Vice-Coordenadora desse Programa de Pós-Graduação (2018-2020). De junho de 2012 a junho de 2014, foi Coordenadora do Curso de Licenciatura em Educação Intercultural. Possui Graduação em Letras (Português/Inglês) pela Universidade Federal de Goiás (1992), Mestrado em Linguística pela Universidade Federal de Goiás (1997) e Doutorado em Linguística (Línguas Indígenas) pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2006). Suas Áreas de atuação são Análise e Descrição de Línguas Indígenas (fonologia, morfossintaxe e léxico), Análise e Descrição de LIBRAS, Análise e Descrição da Língua Portuguesa, Tipologia Linguística, Teoria e Análise Linguísticas e Educação Indígena (especialmente formação de professores indígenas e produção de material didático em línguas indígenas, em português, ou bilíngue, para escolas indígenas). Estuda as línguas Karajá (Macro-Jê), Tapirapé (Tupi-Guarani) e Avá-Canoeiro (Tupi-Guarani). Orienta pesquisas de graduação, mestrado e doutorado sobre línguas e povos indígenas, línguas de sinais, língua portuguesa, educação indígena e formação de professores indígenas. É Membro Titular da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena (CNEEI) do MEC, representando a Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN), desde 2014. É professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPG-Letras) da Universidade Federal do Tocantins (UFT) - Câmpus Universitário de Porto Nacional.

Referências

BALDI, Philip; NUTI, Andrea. Possession. In: BALDI, Philip; NUTI, Andrea

(org.). New Perspectives on Historical Latin Syntax 3. Constituent

Syntax: Quantification, Numerals, Possession, Anaphora. Berlin: De

Gruyter Mouton, 2010. p. 239-388.

BERENZ, Norine. Person and Dêixis in Brazilian Sign Language.

Ph.D. (Doctor of Philosophy in Linguistics) – Graduate Division,

University of California., Berkeley, 1996.

EL KHOURI. Estratégias de Expressão de Posse em Libras. 2020.

Dissertação (Mestrado em Letras) – Câmpus de Porto Nacional,

Universidade Federal do Tocantins, Porto Nacional - Tocantins, 2020.

FELIPE, Tanya Amara. Libras em Contexto. Rio de Janeiro: Wal Print

Gráfica e Editora, 2007.

FERREIRA, Lucinda. Por uma Gramática de Língua de Sinais. Rio de

Janeiro: Editora Tempo Brasileiro/UFRJ, 1995.

GABAS JÚNIOR, Nilson. Linguística Histórica. In: MUSSALIM, Fernanda;

BENTES, Anna Christina. Introdução à linguística: domínios e fronteiras.

Volume 1. São Paulo: Cortez, 8. ed., 2000. p. 77-104.

HERSLUND, Michael; BARON, Irène. Introduction: Dimensions of possession. In: BARON, Irène; HERSLUND, Michael; SORENSEN, Finn. (org).

TSL. Philadelphia: John Benjamins. 2001. v. 47, p. 1-25.

JOHNSTON, Trevor; SCHEMBRI, Adam. Australian Sign Language

(Auslan): An Introduction to Sign Language Linguistics. Cambridge:

Cambridge University Press, 2006. 323p.

LIDDELL, Scott K. Grammar, gesture and meaning in american sign

language. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

LIDDELL, Scott K.; JOHNSON, Robert E. American Sign Language: The

Phonological Base. Sign Language Studies, Washington, v. 64, fall, p.

-277, 1989.

NICHOLS, Johanna. Head-marking and dependent-marking

grammar. Language, Washington, v. 62, n. 1, p. 56-119, march, 1986.

PFAU, Roland; STEINBACH, Markus; WOLL, Bencie. Sign Language. An

International Handbook. Berlin/Boston: Walter de Gruyter, 2012.

QUADROS, Ronice Muller; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de Sinais

Brasileira: Estudos Linguísticos – Porto Alegre: Artmed, 2004.

QUER, Josep; CECCHETTO, Carlo; DONATI, Caterina; GERACI, Carlo;

KELEPIR, Meltem; PFAU, Roland; STEINBACH, Markus. A Guide to Sign

Language Grammar Writing. Berlin/Boston: Walter de Gruyter GmbH,

SANCHEZ-MENDES, Luciana; SEGALA, Rimar Ramalho; XAVIER, André

Nogueira. O papel da (re)duplicação na expressão de pluracionalidade em Libras. Revista Letras, Curitiba, v. 96, n. 1, jul./dez., p. 487-508,

SANCHEZ-MENDES, Luciana; XAVIER, André Nogueira. A expressão de

pluracionalidade em Libras. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 45, n.1,

p. 292-304, 2016.

SEILER, Hansjakob. The operational basis of possession: A dimensional approach revisited. In: BARON, I.; HERSLUND, M.; SORENSEN, F. (org).

Dimensions of possession. TSL. Philadelphia: John Benjamins. 2001. v.

, p. 27 – 40.

STENZEL, Kristine. Marking ‘possessive’ relations in the Vaupés:

areal features and diffusion. Papers presented at the 8th Meeting of

Association for Linguistic Typology. Berkeley, CA, 2009.

ZESHAN, Ulrike. Indo-Pakistani Sign Language Grammar: A Typological

Outline. Sign Language Studies, Washington, v. 3, n. 2. Gallaudet

University Press, Winter 2003. p. 157-212.

ZESHAN, Ulrike; PERNISS, Pamela. Possessive and Existential constructions in sign languages. Nijmegen: Ishara Press, 2008.

Downloads

Publicado

2021-06-04

Como Citar

EL KHOURI, J. I. B.; CARNEIRO, B. G.; BORGES, M. V. Posse atributiva em libras. Signótica, Goiânia, v. 32, 2021. DOI: 10.5216/sig.v32.64146. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/64146. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos