O dicionário como política linguística no contexto do Ensino Superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v32.63671

Palavras-chave:

Libras. Política Linguística. Dicionário. Acessibilidade. Ensino Superior.

Resumo

A entrada de pessoas Surdas trouxe mudanças na educação formal e explicitou desafios para gerar a permanência delas no Ensino Superior. Objetivamos analisar as possibilidades de desenvolvimento e uso do Dicionário online bilíngue Libras/Português no cotidiano do ES. A análise foi feita através da perspectiva de alunos Surdos, via Interação Humano-Computador (IHC), combinada à etnografia e observação participante. Discutimos sobre as Políticas Linguísticas e a dicionarização da Libras como uma iniciativa para apoiar o processo de empoderamento linguístico. Os resultados apontaram para a utilização do Dicionário como um repositório de conceitos de áreas cursadas pelos alunos Surdos da IES.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cíntia Kelly Inês Freitas, Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa, Minas Gerais, Brasil. E-mail: cintiakellyifreitas8@gmail.com

Mestranda em Linguística Aplicada pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPG-LET) da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Bacharela e Licenciada em Ciências Sociais pela UFV e Graduanda em Letras Libras pela UNIASSELVI-Viçosa.

Referências

ALONSO, Kátia Mosorov. Tecnologias da Informação e Comunicação e formação de professor: sobre rede e escolas. Educ. Soc., Campinas, vol. 29, n. 104 - Especial, p. 747-768, out. 2008.

BORBA, Francisco da Silva. Organização de dicionário: uma introdução à lexicografia. São Paulo; Ed. UNESP, 2003.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm> Acesso em: 26 mai. 2017.
________. Decreto n. 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm>.
________. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais Libras e dá outras providências.Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 26 mai. 2017.
________. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm>. Acesso em: 26 mai. 2017.
________. Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 26 mai. 2017.
________. Lei n. 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e superior das instituições federais de ensino. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13409.htm>. Acesso em: 26 mai. 2017.
________. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 26 mai. 2017.
________. Parecer CNE/CP 009, de 08 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf>. Acesso em: 26 mai. 2017.

CÁCERES, Glenda Heller. Políticas linguísticas em uma escola pública de ensino médio e tecnológico: a oferta de línguas estrangeiras. Trab. Ling. Aplic. [online], Campinas, v. 53, n. 1, p. 103-129, jan./jun. 2014. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/tla/v53n1/v53n1a06.pdf> Acesso em: 10 out. 2018

CALVET, Louis-Jean. As políticas linguísticas. Florianópolis e São Paulo: Parábola Editorial/IPOL, 2007. p. 166.

CAPOVILLA, Fernando César. Filosofias educacionais em relação ao surdo: do oralismo à comunicação total ao bilingüismo. In: Revista brasileira de educação especial, In: revista@abpee.net , São Paulo, v. 6, p. 99-113, , 2000.

CARNEIRO, Rodrigo Fernando; PASSOS, Cármen Lúcia Brancaglion. A utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas aulas de Matemática: Limites e possibilidades. Carneiro RF, Passos CLB. Revista Eletrônica de Educação, v. 8, n. 2, p. 101-119, 2014.

CARDOSO, Vilma Rodrigues. Terminografia da língua brasileira de sinais: glossário de Nutrição. Disponível em: <https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/31522/1/2017_VilmaRodriguesCardoso.pdf. Acesso em 20 out. 2019. 2017.

CASTILHO, Ela Wiecko Volkmer. (2006). O papel da escola para a educação inclusiva. Justiça, Cidadania e Democracia. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 97-106.

DINIZ, Débora; BARBOSA, Lívia; SANTOS, Wederson Rufino dos. Deficiência, direitos humanos e justiça. Revista Internacional de Direitos Humanos – SUR, v. 6, n. 11, p. 65-77, dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sur/v6n11/04.pdf. Acesso em: 12 de abril de 2018.
DINIZ, Débora. Modelo Social da Deficiência: A Crítica Feminista. Letras Livres. Série Anis 28, Brasília, 1-8, julho, 2003

DINIZ, D. O Que É Deficiência?. São Paulo: Brasiliense, 2007.
FAULSTICH, Enilde; FELTEN, Eduardo Felipe. O signo linguístico e as imagens históricas: a criação de sinais-termos na LSB. Comunicaciones en Humanidades, n. 3, p. 235-245, 2013.
___________. Sinal-Termo. Nota lexical. Centro Lexterm, 2014.
FÁVERO, Eugênia Augusta Gonzaga. O direito das pessoas com deficiência à educação. Disponível em: <http://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/15675-15676-1-PB.pdf>. Acesso em: 09 nov. 2017 2.

FLEURI, Reinaldo Matias. Políticas da diferença: para além dos estereótipos na prática educacional. Educ. Soc., Campinas, v.27, n.95, maio/ago. 2006. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 11 Abril de 2017.
GARCIA, Jesus Carlos Delgado; FILHO, Teófilo Alves Galvão. Pesquisa Nacional de Tecnologia Assistiva. São Paulo: ITS BRASIL/MCTI-SECIS, 2012. 68 p. 2013

GATTI, Bernadete Angelina. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro Editora, 2005.

GESSER, Audrei. Libras? Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo : Parábola Editorial, 2009.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991, p. 121-125.

GODOY, A. S. Pesquisa Qualitativa - Tipos Fundamentais. 1995, Revista de Administração de Empresas/EAESP/FG, v.35, n.3, mai./jun., 1995, p. 20-29.

GUERRA, Míriam Martinez; ANDRADE, Karylleila de Santos. (2012). O léxico sob perspectiva: Contribuições da lexicologia para o ensino de línguas. Domínios de Linguagem - Revista Elêtronica de Linguística, 6(1), 226-241.Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/14573> Acesso em: 10 de out. 2019.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

KARNOPP, Lodenir. Fonética e Fonologia. Florianópolis: UFSC, 2006. [Educação a Distância]. Disponível em: <http://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoBasica/foneticaEFonologia/assets/359/FoneticaFonologia_TextoBase.pdf> Acesso em: 18 de jul. de 2018.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de; CAPORALI, Sueli Aparecida; LODI, Ana Claudia. Questões preliminares sobre o ensino de língua de sinais a ouvintes: reflexões sobre a prática. Distúrbios da Comunicação, v. 16(1), p. 53-63, abril. 2004.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. “Vai ter música?”: para uma antropologia das festas juninas de Surdos na cidade de São Paulo. Revista Ponto Urbe, São Paulo, n.1, p.1-24, 2007.

____________. O velho e bom caderno de campo. Revista Sexta Feira, n. 1, p. 8-12, maio 1997.

MATTOS, Carmem Lúcia Guimarães de; CASTRO, Paula Almeida de. (Orgs). Etnografia e educação: conceitos e usos. Campina Grande: EDUEPB, 2011, p. 298.

MEGALE, Antonieta Heyden. Educação bilíngue de línguas de prestígio no Brasil: uma análise dos documentos oficiais. The ESPecialist, v. 39, n. 2, 2018.
MIZRAHI, Saul Eliahú; CICERO, Janete Rocha. A tecnologia assistiva para promoção da aprendizagem e inclusão social do aluno com deficiência. Revista Benjamin Constant, edição especial,p.54-70,2016.Disponível em: <http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/revistas/benjamin_constant/2016/edicao-especial-05-novembro/bc-ed-especial2016.pdf.> Acesso em: 12 de abril de 2018.
MORAN, José. A integrac?a?o das tecnologias na educac?a?o. In: MORAN, Jose?. A Educac?a?o ‘que desejamos: novos desafios e como chegar la?. 5a Ed. Campinas: Papirus, 2013.
MONTEIRO, Myrna Salerno. História dos movimentos dos Surdos e o reconhecimento da Libras no Brasil. In: ETD-Educação Temática Digital 7 (2006), 2, pp. 295-305. Disponível em: <https://www.ssoar.info/ssoar/bitstream/handle/document/10178/ssoar-etd-2006-2-monteiro-historia_dos_movimentos_dos_Surdos.pdf?sequence=1> Acesso em: 10 mai. de 2018.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Revista de Antropologia (USP), vol. 39, nº 1, São Paulo, 1996, p.13-37.

PAIVA, Francisco Aulísio dos Santos. et. al. Um Sistema De Transcrição Para Língua De Sinais Brasileira: O Caso De Um Avatar. Revista do GEL, v. 13, p. 12- 48, 2016

PROMETI, Daniela; COSTA, Messias Ramos; TUXI, Patrícia. Sinal-termo, língua de sinais e glossário bilíngue: atuação da universidade de brasília nas pesquisas terminológicas. In: I Congresso Nacional de Libras da Universidade Federal de Uberlândia. 2015.
QUADROS, Ronice Muller. de. O bi do bilingüismo na educação de Surdos. In: ___. Surdez e bilingüismo. 1 ed. Porto Alegre: Editora Mediação, v.1, p. 26-36. 2005.

_________. O tradutor e intérprete de língua de sinais e língua portuguesa. Secretaria de Educação de Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos. Brasília: MEC; SEESP, 2004.

_________. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

RAJAGOPLAN, Kanavillil. Política linguística: do que se trata, afinal? In: NICOLAIDES, C.; SILVA, K.A.;TILIO,R.;ROCHA,C.H. (Orgs). Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes/ALAB, p. 19-42, 2013.
ROCHA, Heloísa Vieira da; BARANAUSKAS, Maria Cecília. Design e Avaliação de Interfaces Humano-Computador. São Paulo: Editora Unicamp, [Capítulo 1: O que é interação/interface humano-computador”, p.1-45 e Capítulo 3: “Paradigmas da comunicação humano-computador e design de interfaces”, p.101-157]. 2003.

SANTOS, Silvana Aguiar dos. Cad. A implementação do Serviço de Tradução e Interpretação de Libras-Português nas Universidades Federais. Cadernos de Tradução., Florianópolis, v. 35, nº especial 2, p. 113-148,out. 2015.
SANTOS, Ligia Pereira; PEQUENO, Robson. Novas tecnologias e pessoas com deficiências: a informática na construção da sociedade inclusiva. In. SOUSA, R. P; MOITA, F. M. C S. C; CARVALHO, A. G. (Org.). Tecnologias digitais na educação. Campina Grande: EDUEPB, 2011. Disponível em: http://books.scielo.org/id/6pdyn/pdf/sousa-9788578791247-04.pdf. Acesso em: 12 de abril de 2018.
SANTOS, Nálbia de Araújo. A utilização da técnica de prototipação no desenvolvimento de sistemas de informações contábeis. ResearchGate. 2004.

SEVERO, Cristiane Gorski. Política(s) linguística s) e questões de poder. ALFA: Revista de Linguística 57, no. 2.2013.

SILVA, Julia Izabelle da. O debate sobre direitos linguísticos e o lugar do linguista na luta dos sujeitos falantes de línguas minorizadas: quem são os protagonistas?. RBLA, Belo Horizonte, v. 17, n. 4, p. 663-690, 2017

SKLIAR, Carlos. Um olhar sobre o nosso olhar acerca da surdez e das diferenças. In: ______. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 2005.
SOFIATO, Cássia Geciauska; REILY, Lucia Helena. Dicionarização da língua brasileira de sinais: estudo comparativo iconográfico e lexical. Educaçao e Pesquisa: Revista da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, v. 40, n. 1, p. 109-126, 2014.

Downloads

Publicado

2021-07-09

Como Citar

GEDIEL, A. L. B. .; FREITAS, C. K. I. . O dicionário como política linguística no contexto do Ensino Superior. Signótica, Goiânia, v. 32, 2021. DOI: 10.5216/sig.v32.63671. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/63671. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos