A mudança lexical em Libras: um estudo preliminar em Goiás

Autores

  • Leandro Viana Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. E-mail: leandrovianna21@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-6936-6527
  • Sheila de Carvalho Pereira Gonçalves Universidade Federal de Catalão (UFCAT), Catalão, Goiás, Brasil. E-mail: sheilacpgoncalves@outlook.com https://orcid.org/0000-0002-4796-0346

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v32.63237

Palavras-chave:

Libras. Mudança lexical. Goiás.

Resumo

Pesquisas sobre a manifestação do fenômeno da variação e da mudança segundo aspectos sociais e linguísticos na Libras ainda são limitadas. O objetivo deste artigo é realizar um estudo sobre a mudança lexical da Libras a partir de antigos registros retirados de materiais didáticos de duas instituições de ensino, na cidade de Goiânia - Goiás. Esta pesquisa, de cunho qualitativo, tem como base teórica principal os trabalhos de Diniz (2010), Campello (2011), Nascimento e Correia (2011), Xavier (2014) e Lima e Rezende (2016). Os resultados finais demonstram que todos os sinais da categoria mudança lexical que constituem o léxico da Libras manifestaram alguma alteração em seus léxicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Viana Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. E-mail: leandrovianna21@gmail.com

Mestre em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Goiás (UFG) – Regional Catalão, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. E-mail: leandro.viana@ifrn.edu.br

Sheila de Carvalho Pereira Gonçalves, Universidade Federal de Catalão (UFCAT), Catalão, Goiás, Brasil. E-mail: sheilacpgoncalves@outlook.com

Doutora em Análise Linguística pela Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Catalão, Goiás, Brasil. E-mail: sheilacpgoncalves@outlook.com

Referências

BARROS, M. E. ELiS: sistema brasileiro de escrita das línguas de sinais. Porto Alegre: Penso, 2015.

CAMACHO, R. A variação lingüística. In: Subsídios à proposta curricular de Língua Portuguesa para o 1º e 2º graus. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, 1988.

CAMPELLO, A. R. S. A constituição histórica da Língua de Sinais Brasileira: século XVIII a XXI. Revista Mundo & Letras, José Bonifácio/SP, v. 2, p. 8-25, 2011.

CASTRO JÚNIOR, G. Variação linguística em Língua de Sinais Brasileira: foco no léxico. 2011. 123 f. Dissertação (Mestrado) – UnB/ Instituto das Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas – LIP Portuguesa, Brasília, 2011.

CHAGAS, P. A mudança linguística. In: FIORIN, J. L. et al (Org.). Introdução à Linguística I: objetos teóricos. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2012. p. 141 – 164.

DINIZ, H. G. A história da Língua de Sinais Brasileira (Libras): um estudo descritivo de mudanças fonológicas e lexicais. 2010. 113f. Dissertação (mestrado) – Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2010.

ELAN (Versão 5.2) [Software de computador]. (2018, 04 de abril). Nijmegen: Instituto Max Planck de Psicolinguística. Obtido em https://tla.mpi.nl/tools/tla-tools/elan/

KARNOPP, L. B. Fonética e fonologia. Apostila do curso de Letras-Libras-licenciatura e bacharelado. 2008.

KOGUT, M. K. As Descrições Imagéticas na transcrição e leitura de um texto em SignWriting. 2015. 161f. Dissertação (mestrado) – Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2015.

LIMA, H. J. de & REZENDE, T. F. Mudanças Lexicais na Língua de Sinais Brasileira. In: 13º Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão da Universidade Federal de Goiás - CONPEEX, 2016, Goiânia. Anais do XIII CONPEEX. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2016. p. 2864-2869.

MCCLEARY, L. E. et al. Descrição de línguas sinalizadas: a questão da transcrição dos dados. Alfa: Revista de Linguística (UNESP. São José do Rio Preto. Impresso). v. 54. p.265 – 289, 2010.

NASCIMENTO, S. P. F. & CORREIA, M. Um olhar sobre a morfologia dos gestos. Lisboa: Universidade Católica Editora, 2011.

SCHMITT, D. A história da língua de sinais em Santa Catarina: contextos sócio-históricos e sociolinguísticos de surdos de 1946 a 2010. 2013. 228f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis, 2013.

WEINREICH, U. et al. I Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2006.

XAVIER, A. N. Uma ou duas? Eis a questão!: um estudo do parâmetro número de mãos na produção de sinais da língua brasileira de sinais (Libras). 2014. 178f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, 2014.

ZANCANARO JUNIOR, L. A. & BIELESKI, D. O processo de mudanças na língua brasileira de sinais em Santa Catarina: uma análise comparativa. Revista Encontros de Vista. v.1, p.60-73, 2011.

Downloads

Publicado

2021-05-07

Como Citar

SILVA, L. V.; GONÇALVES, S. de C. P. A mudança lexical em Libras: um estudo preliminar em Goiás. Signótica, Goiânia, v. 32, 2021. DOI: 10.5216/sig.v32.63237. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/63237. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos