A trajetória da personagem surdocega “Michelle” no filme Black pelo viés da filosofia linguística: do estado de indivíduo ao de sujeito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v32.61749

Palavras-chave:

Sujeito, Indivíduo, Historiografia, Filosofia linguística

Resumo

Este estudo objetiva observar e descrever a trajetória linguística de “Michelle”, do filme Black, personagem que parte de um estado animal ao estado humano. Para tanto, a discussão, acerca de indivíduo e de sujeito, fundamenta-se em Condillac, Humboldt, Whitney, Saussure, Sapir, Chomsky, Herder, Bloomfield e Platão. Paralelo aos teóricos está a trajetória de “Michelle”, que inicialmente é oprimida pela falta de entendimento de mundo ao seu redor, depois passa pelo aprendizado da língua e, finalmente, ao domínio da língua, ritmando-se rumo à coletividade. Foi possível constatar certa correspondência entre as discussões filosóficas e linguísticas e a referida obra cinematográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLACK. Direção: Sanjay Leela Bhansali, Produção: Sanjay Leela Bhansali. Índia, Yash Raj Films, 2005.

BLOOMFIELD, L. Language. Chicago: Editora Chicago Press, 1984.

CAIXETA, M. E. Condillac e o ensino de ciências: que relações podemos encontrar ainda hoje? Rev. Ensaio, Belo Horizonte, v.05, n.01, p.26-41, Março, 2003.

CHOMSKY, N. Reflexões sobre a linguagem. Trad. Isabel Gonçalves. Lisboa: Edições 70, 1975a.

FÁVERO, M. H.; PIMENTA, M. L. Pensamento e Linguagem: A Língua de Sinais na Resolução de Problemas. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2006, vol.19, n.2, pp.225-236. ISSN 0102-7972.

HERDER, J. G. Obra selecta. Madrid: Alfaguara, 1982.

HUMBOLDT, W. K. V. Sobre la diversidad de la estrutura del lenguaje humano y su influencia sobre el desarrollo espiritual de la humanidad. Barcelona: Anthropos, 1990.

KANT, I. Crítica da razão pura. Trad. Valério Rohden e Udo B. Moosburger. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

Os pensadores. Condillac, Helvéticus e Degerando. Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1984/1754.

PLATÃO. Diálogos I: Teeteto (ou Do conhecimento), Sofista (ou Do ser), Protágoras (ou Sofistas) Bauru: Edipro, 2007.

QUADROS, R. M. d. (2006). Efeitos de modalidade de língua: as línguas de sinais. ETD - Educação Temática Digital, 7(2), 168-178, Campinas, v.7, n.2, p.168-178, jun. 2006 – ISSN: 1676-2592.

SALOMÃO, M. M. A questão da construção do sentido e a revisão da agenda dos estudos da linguagem. Revista Veredas, Juiz de Fora, v. 03, n. 1, p. 61-79. jan/jun. 1999.

SAPIR, E. A linguagem: introdução ao estudo da fala. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1971.

SAUSSURE, F. Curso de lingüística geral. 6ª Ed. São Paulo: Editora Cultrix, 1924.

WHITNEY, William D. La vie du langage. Paris: Germer, 1875.

Downloads

Publicado

2021-03-12

Como Citar

CRUZ, M. M. da .; FILHO, E. da S.; MILANI, S. E.; CÂNDIDO, G. V. A trajetória da personagem surdocega “Michelle” no filme Black pelo viés da filosofia linguística: do estado de indivíduo ao de sujeito. Signótica, Goiânia, v. 32, 2021. DOI: 10.5216/sig.v32.61749. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/61749. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos