EFL speaking and individual differences in working memory capacity: grammatical complexity and weighted lexical density in the oral production of beginners

Autores

  • Gicele Vergine
  • Raquel D’ely

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v20i2.6084

Resumo

O presente estudo expande a investigação de Fontanini, Weissheimer, Bergsleithner, Perucci and D’Ely (2005) utilizando parte dos dados dessa pesquisa para examinar a relação entre capacidade de memória de trabalho, medida pelo teste de amplitude oral e pelo teste de amplitude geral, e o uso de fala gramaticalmente complexa e lexicalmente densa de doze alunos iniciantes ao elaborarem uma descrição de gravura em Inglês como L2. Adicionando aos resultados obtidos por Fontanini et al (2005), não houve correlação estatisticamente significativa entres as medidas de memória de trabalho e a fala complexa e lexicalmente densa dos aprendizes. Portanto, os resultados corroboram a existência de efeito de troca de recursos atencionais (trade-off effects) entre variáveis da produção oral como uma função de diferenças individuais na capacidade de memória de trabalho.

PALAVRAS-CHAVE: produção oral, complexidade, densidade lexical, capacidade de memória de trabalho, efeito de troca de recursos atencionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-04-27

Como Citar

VERGINE, G.; D’ELY, R. EFL speaking and individual differences in working memory capacity: grammatical complexity and weighted lexical density in the oral production of beginners. Signótica, Goiânia, v. 20, n. 2, p. 335–366, 2009. DOI: 10.5216/sig.v20i2.6084. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/6084. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo