“Interlocutor professor”: discursos de escrita e reescrita de professores em formação inicial

Autores

  • Adriana Beloti Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campo Mourão, Paraná, Brasil
  • Neiva Maria Jung Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, Paraná, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v29i2.35641

Palavras-chave:

Letramento acadêmico, Formação de professor, Reescrita.

Resumo

Este artigo tem como objetivo reconhecer concepções de escrita e de rees­crita de quinze professores em formação inicial, para compreendermos quais discursos esses interlocutores da pesquisa assumem em uma situação dia­lógica com a alteridade, no encontro da outra palavra com a palavra outra (CERUTTI-RIZZATTI; MOSSMANN; IRIGOITE, 2013). Para tanto, foram analisados dados de um questionário e intervenções desses professores em um texto escrito em situação de vestibular. Os conceitos de letramento ideológico (STREET, 2010a, 2014) e de dialogismo (BAKHTIN, 2003; BAKHTIN/VO­LOCHÍNOV, 2006) sustentam nossas análises que mostram ainda reafirmadas concepções de escrita e reescrita estruturais, com indícios de dialogismo, e uma constituição de identidade como “interlocutor professor” que pouco am­plia o encontro escolar da outra palavra com a palavra outra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Beloti, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campo Mourão, Paraná, Brasil

Doutora em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, Paraná, Brasil. Professora na Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campo Mourão, Paraná, Brasil.

Neiva Maria Jung, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, Paraná, Brasil

Doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Professora na Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, Paraná, Brasil.

Downloads

Publicado

2017-08-30

Como Citar

BELOTI, A.; JUNG, N. M. “Interlocutor professor”: discursos de escrita e reescrita de professores em formação inicial. Signótica, Goiânia, v. 29, n. 2, p. 377–402, 2017. DOI: 10.5216/sig.v29i2.35641. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/35641. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigo