As infinitas coleções de Jorge Luis Borges e Italo Calvino

Autores

  • Maria Elisa Rodrigues Moreira Universidade Vale do Rio Verde (Unicor), Três Corações, MG

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v27i1.34013

Palavras-chave:

Coleção, Literatura, Jorge Luis Borges, Italo Calvino.

Resumo

O presente artigo propõe uma leitura das obras dos escritores Jorge Luis Borges e Italo Calvino sob a chave da coleção. Partindo da relação entre a coleção, tal qual estudada por Walter Benjamin e Ivette Sánchez, e a questão da totalidade, percorrem-se algumas obras dos escritores argentino e italiano identificando em que medida elas são marcadas por reflexões relacionadas ao colecionismo e apontando algumas estratégias narrativas dos autores que correspondem a essa perspectiva, tais como o efeito de infinito, a enumeração, a mise en abyme e a repetição com variações mínimas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Elisa Rodrigues Moreira, Universidade Vale do Rio Verde (Unicor), Três Corações, MG

Mestre em Estudos Literários - Teoria da Literatura e Doutora em Estudos Literários - Literatura Comparada.

Downloads

Publicado

2015-12-22

Como Citar

MOREIRA, M. E. R. As infinitas coleções de Jorge Luis Borges e Italo Calvino. Signótica, Goiânia, v. 27, n. 1, p. 159–180, 2015. DOI: 10.5216/sig.v27i1.34013. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/34013. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo