Senso de autoeficácia de professores de alunos com autismo surdos em escolas bilíngues

Autores

  • Raquel Aparecida Lopes Instituto de Ensino e Pesquisa (INSPER), São Paulo, Brasil. E-mail: stampa12@uol.com https://orcid.org/0000-0002-5190-2683
  • Cibelle Albuquerque de La Higuera Amato Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil. E-mail: cibelle.amato@mackenzie.br https://orcid.org/0000-0003-2422-6998
  • Maria Cecília de Moura Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil. E-mail: alce55@uol.com.br https://orcid.org/0000-0002-0912-3854
  • Adriana de Fátima Ribeiro Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil. E-mail: ribeiropsico@outlook.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v6.68067

Palavras-chave:

Autoeficácia docente. Transtorno do Espectro Autista. Surdos.

Resumo

A Autism Self-Efficacy Scale for Teachers (ASSET) avalia as crenças de autoeficácia dos professores em sua capacidade para desempenhar tarefas no ensino de alunos com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). O estudo objetivou identificar e analisar a autoeficácia docente (AED) de 38 professores de alunos com TEA surdos atuantes em EMEBS - Escolas Municipais de Educação Bilíngue para surdos e em escolas regulares polos de atendimento inclusivos e bilíngues para surdos no Brasil. Como instrumento de coleta de dados, utilizou-se a ASSET. Os resultados apontam que a maioria dos participantes está confiante com os itens avaliados, o que pode ser um potencial preditor das atitudes docentes em contextos educacionais bilíngues, uma vez que a autoeficácia exerce um papel determinante do pensamento, comportamento e desempenho de uma ação. Este trabalho ressalta a importância de instrumentos de autoavaliação voltados à professores que atuam na educação pessoas com TEA surdas no Brasil.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cibelle Albuquerque de La Higuera Amato, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil. E-mail: cibelle.amato@mackenzie.br

Possui graduação em Fonoaudiologia pela Universidade de São Paulo (1992), mestrado em Ciências (Fisiopatologia Experimental) pela Universidade de São Paulo (2000) e doutorado em Linguística e Semiótica Geral pela Universidade de São Paulo (2006). É pesquisadora do Laboratório de Investigação Fonoaudiológica nos Distúrbios do Espectro do Autismo do Curso de Fonoaudiologia da Faculdade de Medicina desde 1993. Atualmente é docente do Curso de Aprimoramento Profissional em Fonoaudiologia nos Distúrbios Psiquiátricos da Infância HC-FMUSP e docente permanente do Programa de Pós-graduação em Distúrbios do Desenvolvimento do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Presbiteriana Mackenzie (Nota 6 CAPES). Tem experiência na área de Fonoaudiologia, com ênfase em Aquisição de Linguagem e Comunicação nos Distúrbios Psiquiátricos da Infância, atuando principalmente nos seguintes temas: fonoaudiologia, linguagem, comunicação pré-verbal, diagnóstico fonoaudiológico, pragmática e terapia de linguagem .

Maria Cecília de Moura , Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil. E-mail: alce55@uol.com.br

Possui graduação em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1972), mestrado em Distúrbios da Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1984) e doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996). Atualmente é professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Foi Conselheira do Conselho Federal de Fonoaudiologia onde exerceu o catgo de vice presidente.. Tem experiência na área de Fonoaudiologia, com ênfase em Linguagem, Linguagem e Surdez, atuando principalmente nos seguintes temas: surdez, língua de sinais, Libras, atuação fonoaudiológica e educação do surdo. Atua como assessora no Instituto Adhara, entidade que atende surdos e suas famílias.

Adriana de Fátima Ribeiro , Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil. E-mail: ribeiropsico@outlook.com

Possui graduação em Psicologia, fez Mestrado e Doutorado em Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.Tem experiência na área de Psicologia clínica, especialmente na área de avaliação cognitiva com ênfase em Processos Cognitivos e Atencionais, atuando principalmente nos seguintes temas: atenção e percepção, aspectos cognitivos do desenvolvimento e suas alterações presentes no TDAH e em outros transtornos do neurodesenvolvimento e síndromes genéticas. Atualmente faz parte do núcleo de pesquisa como colaboradora nos projetos: 1° Contribuições interdisciplinares das avaliações neuropsicológica, comportamental e clínica na compreensão das queixas de desatenção hiperatividade e impulsividade em crianças e adolescentes; 2° Efeitos de uma intervenção parental de práticas educativas sobre dificuldades cognitivas e comportamentais de crianças com TDAH: Repercussões escolares e familiares; 3°Intervenção neuropsicológica, comportamental e orientação psicoeducativa em distúrbios do desenvolvimento e 4° Correlações entre avaliações neuropsicológica, comportamental e clínica e testes computadorizados de atenção para rastreamento do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade em crianças e adolescentes.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais-DSM-5. Porto Alegre: Artes Médicas, 2014.

ARAÚJO, C. A. Psicologia e os Transtornos do Espectro do Autismo. In.: SCHWARTZMAN, J. S.; ARAÚJO, C. A. (Org.). Transtorno do Espectro do Autismo. São Paulo: Memnon, 2011. p.173-201.

AZZI, R. G.; POLYDORO, S. A. J. Autoeficácia proposta por Albert Bandura: Algumas discussões. In:______. Autoeficácia em diferentes contextos. Campinas: Alinea, 2006. p. 9-23.

BANDURA, A. Social foundations of thought and action: a social cognitive theory. Englewood Cliffs, N. J., Prentice Hall, 1986.

______. Perceived self-efficacy in cognitive development and functioning. Educational Psychologist, v. 28, n. 2, p. 117-148, 1993.

______. Self-efficacy: the exercise of control. New York: W. H. Freeman, 1997.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SECADI, 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf.>. Acesso em: 23 maio 2021.

BROUWERS, A.; TOMIC, W. O The factorial validity of scores on the teacher interpersonal self-efficacy scale. Educational and Psychological Measurement. v. 61, n. 3, p. 432-445, 2001.

BZUNECK, J. A.; GUIMARÃES, S. É. R. Crenças de eficácia de professores: validação da escala de Woolfolk e Hoy. Psico-USF, v. 8, n. 2, p. 137-143, 2003.

CAMPOS, S. R. L. A representação social dos professores de surdos sobre o ensino de Libras e Língua Portuguesa no Ensino Fundamental I. 2017. 280 p. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

CANABARRO, R. C. C.; TEIXEIRA, M. C. T. V.; SHIMIDT, C. Tradução e adapta-ção transcultural da escala de avaliação de autoeficácia de professores de alunos com autismo: autism self-efficacy scale for teachers (ASSET). Revista Brasileira de Educação Especial, v. 24, n. 2, p. 229-246, 2018.

CARR, E. G. et al. Acquisition of signlanguage by autistic children. I: Expressi-ve labelling. Journal of Applied Behavior Analysis, v. 11, n. 4, p. 489-501, 1978.

DEL PRETTE, Z. A. P.; DEL PRETTE, A. Habilidades sociais e análise do comportamento: Proximidade histórica e atualidades. Revista Perspectivas, v. 1, n. 2, p. 104-115, 2010.

FELIPE, T. A. Libras em Contexto. Brasília: MEC/SEESP, 2007. Disponível em: https://pt.slideshare.net/Jorgee_big/libras-em-contexto.>. Acesso em: 24 maio 2021.

FREITAS, L. C.; DEL PRETTE, Z. A. P. Habilidades sociais de crianças com dife-rentes necessidades educacionais especiais: Avaliação e implicações para intervenção. Avances en Psicología Latinoamericana, v. 31, n. 2, p. 344-362, 2013.

FULWILER, R. L.; FOUTS, T. S. Acquisition American sign language by a noncommunicating autistic child. Journal of Autism and Childbood Schizophrenia, v. 6, n. 1, p. 43-51, 1976.

GARRUTTI-LOURENÇO, E. A. Bilinguismo para surdos e inclusão escolar: a busca por um caminhar articulado. In: MARTINS, E.; CÂNDIDO, R.M. Na trilha da inclusão: deficiência, diferença e desigualdade na escola. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2017.

GIBSON, S.; DEMBO, M. Teacher efficacy: A construct validation. Journal of Educational Psychology, v. 76, n. 4, p. 569–582, 1984.

HARRISON, K. M. P.; MOURA, M. C. A Escola para surdo - escolas em um novo contexto. In: CAMPIOTTO, A.R. et al. (Org.). Novo tratado de fonoaudiolo-gia. São Paulo: Manole, 2013.

KLASSEN, R. et al. Teacher efficacy research 1998-2009: Signs of progress or unfulfilled promise? Educational Psychology Review, v. 23, n. 1, p. 21-43, 2011.

LOPES, R. A. Libras na formação inicial de professores. Belo Horizonte: Editora Dialética, 2020.

______. Autismo e Surdez: uma análise das estratégias de comunicação e autoeficácia docente em escolas bilíngues para Surdos. 2021. 166 p. Tese. (Doutorado em Distúrbios do Desenvolvimento) - Programa de pós-graduação em Distúrbios do Desenvolvimento. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2020.

LOPES, R. A.; AMATO, C. A. H. A utilização de libras no ambiente escolar para crianças com transtorno do espectro do autismo surdas. In: PIMENTAL, B. N. (Org.). Fundamentos Científicos e prática clínica em fonoaudiologia. Ponta Grossa: Atena, 2021. p. 119-134.

LOPES, R. A.; AMATO, C. A. H. Libras & Autismo: um diálogo possível?. Belo Horizonte: Editora Dialética, 2021.

LUZ, M. H. S; GOMES, C. A.; LIRA, A. Narrativas sobre a inclusão de uma criança autista: desafios à prática docente. Educación, v. XXVI, n. 50, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.org.pe/scielo.php?pid=S1019-94032017000100007&script=sci_abstract.> Acesso em: 24 maio 2021.

MOURA, M. C. Libras e Fonoaudiologia: territórios a serem compartilhados. In: ARAÚJO, A. N. et al. (Org.). Questões contemporâneas da clínica fono-audiológica. São Paulo: Pulso. 2018.

______. O Surdo: caminhos para uma Nova Identidade. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

______. Surdez e linguagem. In: FEITOSA, C.B.S.L.; FERREIRA, L. (Org.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à libras e educação de surdos. São Carlos: Edufscar, 2013. p. 13-26.

MUNDY, P.; CROWSON, M. Joint attention and early social communication: implications for research on intervention with autism. Journal of Autism and Developmental Disorders, v 27, n. 6, p. 653-76,1997.

NUNES, D. R. P; AZEVEDO, M. Q. O.; SCHMIDT, C. Inclusão educacional de pessoas com autismo no Brasil: uma revisão de literatura. Revista de Educação Especial, v. 26, n. 47, p. 557-572, 2013.

OSÓRIO, A. et al. Individual and relational contributions to parallel and joint attention in infancy. Infant Behavior and Development, v. 34, n. 4, p. 515-524, 2011.

PAJARES, F.; OLAZ, F. Teoria social cognitiva e autoeficácia: uma visão geral. In: BANDURA, A. et al. (Org). Teoria social cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 97-114.

RUBLE, L. et al. Preliminary Study of the Autism Self-Efficacy Scale for Teachers (ASSET). Research in Autism Spectrum Disorders, v. 7, n. 9, p. 1151–1159, 2013.

SHIELD, A.; MEIER R. P.; FLUSBERG, H. T. The use of sign language pronouns by native-signing children. with autism. Journal of Autism and Developmental Disorders, v. 45, p. 2128–2145, 2015.

SOUZA, L. F. N. I.; BRITO, M. R. F. Crenças de autoeficácia, autoconceito e desempenho em matemática. Estudos de Psicologia, v. 25, n. 2, p. 193‐201, 2008.

STULL, S. et al. Sign language as a means of communicating with autistic and mentally handicapped children. Child and Youth Care Forum, v.8, n.2, p. 143-147, 1979.

TOMASELLO, M. Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Downloads

Publicado

19-11-2021

Como Citar

Lopes, R. A. ., Amato, C. A. de L. H. ., Moura , M. C. de, & Ribeiro , A. de F. . (2021). Senso de autoeficácia de professores de alunos com autismo surdos em escolas bilíngues. Revista Sinalizar, 6. https://doi.org/10.5216/rs.v6.68067

Edição

Seção

Artigos