PREVALÊNCIA E CARACTERIZAÇÃO DE FORAME NO OSSO ESTERNO HUMANO

Autores

  • Ana Cristina Silva Rebelo
  • João Roberto da Mata
  • Fabiana Ribeiro da Mata
  • Paulo César Moreira
  • Augusto Cesar Ribeiro Figueiredo
  • Arthur Ferreira do Vale

Resumo

Resumo: O osso esterno é uma área de frequentes variações anatômicas podendo ser observadas a partir de diferentes métodos tais como ossos secos, imagens e autopsias e a presença deste forame tem sido associada a possíveis riscos em diversas atividades clínica. Foram avaliados 28 ossos esternos de gêneros indeterminados, selecionados de forma aleatória, do acervo do ossuário do Departamento de Morfologia da Universidade Federal de Goiás. Os achados foram documentados fotograficamente e os dados foram tabelados e comparados com os descritos da literatura. O material foi manuseado para verificação da presença do forame esternal, aferiu-se o diâmetro longitudinal (vertical) e transversal (horizontal) dos forames presentes e descrição de suas características. Quanto à análise dos dados, o resultado global foi expresso por frequência e percentual de ossos com variações anatômicas do forame. A dimensão longitudinal do forame esternal apresentouse com variação de 0,3 até 0,9cm, com tamanho médio de 0,65cm, sendo este valor inferior a 1,1cm já registrado. Já os diâmetros transversais apresentaram o tamanho médio de 0,53cm, se assemelhando a outros registros. O forame esternal se apresentou principalmente nos formatos arredondados e ovalado, com percentagem ligeiramente superior a já relatada, o que reforça a descrição do osso esternal como área anatômica de frequente variação, e reintera os cuidados adicionais nos procedimentos médicos que envolva a área esternal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-08-03

Como Citar

REBELO, A. C. S.; ROBERTO DA MATA, J.; RIBEIRO DA MATA, F.; CÉSAR MOREIRA, P.; CESAR RIBEIRO FIGUEIREDO, A.; FERREIRA DO VALE, A. PREVALÊNCIA E CARACTERIZAÇÃO DE FORAME NO OSSO ESTERNO HUMANO. Revista UFG, Goiânia, v. 15, n. 15, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48461. Acesso em: 3 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos