DO SERTÃO AO CERRADO DO PLANALTO CENTRAL: UMA QUESTÃO DE NOMENCLATURA

Autores

  • Antón Corbacho Quintela

Resumo

O apagamento do sertão Oficialmente, já não há mais sertão em Goiás, embora possa ser reconhecida a presença de traços culturais sertanejos na identidade regional. No Mapa de Biomas do Brasil e no Mapa de Vegetação do Brasil, lançados em 2004 pelo IBGE, a localização do sertão é muito restrita, limitando-se ao Nordeste e associando-se ao clima semi-árido de parte dessa região e ao Bioma Caatinga (IBGE, 2004). Assim se tratando, na atualidade, o sertão consistiria, nos territórios outrora abrangidos pelo termo, isto é, nos territórios distantes das capitais dos estados litorâneos, ou em uma “categoria do pensamento social” ou em uma simbólica “categoria cultural”, duas conceituações forjadas por Janaína Amado no seu artigo Região, nação, sertão (Amado, 1995). Nesse sentido, o sertão, como “categoria do pensamento social”, tem sido um dos motivos que as construções historiográficas vincularam às essências da nacionalidade brasileira; por sua vez, a “categoria cultural” indicaria, nos estudos sobre o imaginário, a reunião, no locus sertão, das peculiaridades dos campos sociais das regiões interioranas. (Continua...)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-08-01

Como Citar

QUINTELA, A. C. DO SERTÃO AO CERRADO DO PLANALTO CENTRAL: UMA QUESTÃO DE NOMENCLATURA. Revista UFG, Goiânia, v. 12, n. 9, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48342. Acesso em: 6 jul. 2022.

Edição

Seção

Memória