EM BUSCA DO PARAÍSO PERDIDO

Autores

  • Darcy França Denófrio

Resumo

Entre dezenas de láureas, Miguel Jorge recebeu, 1997, o Prêmio Machado de Assis, da Biblioteca Nacional, exatamente por seu romance Pão cozido debaixo de brasa, então recém-editado. Aquele que fez da literatura o seu maior projeto lançou, para celebrar seus trinta anos de estréia literária, mais uma obra de qualidade que se somava às vinte já publicadas àquela época. O prêmio veio subscrever um momento de consagração de sua carreira literária. E, com esse título, o autor havia conseguido também alargar as suas fronteiras editoriais, conquistando uma fatia no Sul do país. Seu livro saiu pela Mercado Aberto, de Porto Alegre, que abria uma fresta para a boa literatura que se produz em Goiás. A obra de Miguel Jorge, que já carrega mais de quarenta anos de fidelidade ao literário, alcançou mérito para se impor dentro e fora do país. Como merecida recompensa, ela já serviu de corpus, entre outros, a dois grandes trabalhos acadêmicos: a uma tese de doutorado na UNESP, da professora da PUC-GO, Maria Luíza Ferreira Laboissièrre de Carvalho, publicada sob o título de Tradição e modernidade na prosa de Miguel Jorge (Goiânia: Ed. UFG, 2000) e a um PhD nos Estados Unidos, na Universidade de Vanderbilt. O resultado deste último foi a obra O grotesco em Miguel Jorge e Julio Cortázar (Goiânia: Cânone Editorial, 2002), de Soraya Calheiros Nogueira, Professora do Departamento de Espanhol e Português da Middle Tennessee State University. Como professora de literatura hispano-americana, Soraya vem divulgando a obra de Miguel Jorge naquele país, tanto em sala de aula quanto em congressos. (Continua...)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-08-01

Como Citar

DENÓFRIO, D. F. EM BUSCA DO PARAÍSO PERDIDO. Revista UFG, Goiânia, v. 12, n. 9, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48328. Acesso em: 6 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos