A Construção de Brasília como experiência moderna na periferia capitalista: a aventura

Autores

  • Luiz Sérgio Duarte

Resumo

Os aventureiros possuíram uma cidade que depois da inauguração lhes foi tomada. Durante a construção, outra cidade lá existia: a sociedade dos que constroem o novo. O produto do trabalho de pioneiros e candangos lhes ficou estranho, mas cabe reconstruir a aventura. O tema da procura do centro confunde-se com a busca do sagrado, como o Graal (centro da vida e fonte da imortalidade). O desejo de estar no coração da realidade denuncia a nostalgia do paraíso, o desejo de, como na árvore sagrada (eixo do mundo) estabelecer o contato com o céu e instaurar a plenitude (Eliade, 1954). A conquista do centro é pura aventura. A aventura é uma forma da experiência marcada pelo princípio da acentuação “onde uma atividade é retirada totalmente do contexto geral da vida, mas deixa, não obstante, fluir em si a força e a intensidade total da vida” (Simmel, s.d.). É a sensação de contraste instituída por paradoxos tais como o de instalar o sentido no fragmentário (o aventureiro faz da ausência de sentido de sua vida um sistema de vida), o de incorporar o acaso (o acontecimento fortuito e exterior) à necessidade (a vida como sentido independente e interior) ou de juntar passividade e atividade (o gesto do conquistador exposto ao mundo). (Continua...)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor. Minima moralia. São Paulo: Ática, 1993.

ARAGÃO, Luiz Tarlei de. Perspectivas de ocupação do

cerrado na região de Brasília, ou, notas para uma antropologia

do sertão. Brasília: Ed. UnB, 1988. Mimeo. (Ciências Sociais.

Série Antropológica, 72).

ATUALIDADES VERA CRUZ, fev. 1959.

BAUDELAIRE, Charles. Prosa escogida. Madri: Nueva, 1921.

BENJAMIN, Walter. O narrador. São Paulo: Abril, 1980.

(Coleção Os Pensadores)

_____. Sobre alguns temas em Baudelaire. São Paulo:

Abril, 1980. (Coleção Os Pensadores)

ELlADE, Mircea. Tratado de história de Ias religiones.

Madri: IEP, 1954.

EPSTEIN, David. Brasilia, plan and reality: a study of

planned and spontaneous urban development. Berkeley:

University of California Press, 1973.

FREIRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos. Rio de Janeiro:

J. Olympio, 1968.

HABERMAS, Jürgen. Teoría de Ia acción comunicativa II.

Madri: Taurus, 1987.

JORNAL DIÁRIO CARIOCA, Brasília, 11.2.1960.

_____,21.5.1960.

NIEMEYER, Oscar. Minha experiência em Brasília. Rio de

Janeiro: Vitória, 1961.

RIBEIRO, Gustavo Uns. O capital da esperança: Brasília,

estudo sobre uma grande obra da construção civil. Brasília,

Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Instituto

de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, 1980.

SILVA, Joelma Rodrigues da. Mulher: “Pedra Preciosa”;

prostituição e relações de gênero em Brasília (1957-1961).

Brasília, 1995. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto

de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, 1995.

SIMMEL, Georg. A aventura. Trad. de Sebastião Rios. [s.l.,

s.d.]. Mimeo.

_____. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otá-

vio (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Guanabara,

_____. Soziologie: Untersuchungen über die Formen der

Vergesellschaftung. Frankfurt: Suhrkamp, 1992.

TAMANINI, Lourenço Fernando. Memória da Constru-

ção. Brasília: Royal Court, 1994.

TEIXEIRA, Hermes Aquino. Brasília: o outro lado da utopia

(56-60). Brasília, 1982. Dissertação (Mestrado em História)

– Instituto de Ciências Humanas, Universidade de

Brasília, 1982.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo.

São Paulo: Pioneira, 1967.

Downloads

Publicado

2017-07-31

Como Citar

DUARTE, L. S. A Construção de Brasília como experiência moderna na periferia capitalista: a aventura. Revista UFG, Goiânia, v. 11, n. 6, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48229. Acesso em: 17 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Mundo Digital e a Universidade