Cinema e Jornalismo: o ensino de jornalismo através do cinema

Autores

  • Lisandro Nogueira

Resumo

O cinema brasileiro tem apresentado filmes, desde os anos 60, que representam o jornalismo e o jornalista. Esses filmes geralmente utilizam a narrativa clássica do cinema – a mais comum e predominante na cultura ocidental desde o começo do século XX. Essa narrativa tem como base o melodrama canônico oriundo do século IX. Nele, o conteúdo tem prevalência sobre a forma (a linguagem) e os temas emergem buscando a comunicação rápida com o público. Eficiente e vitoriosa junto ao grande público, essa narrativa clássica elegeu, desde o início, o jornalista como personagem importante. Por seu intermédio, procurou compreender e representar as mudanças operadas nos grandes centros urbanos com o advento do mundo moderno. Entretanto, essa representação do jornalismo e do jornalista é permeada de contradições e indagações. Sabemos que a imagem do jornalista no século XX foi formada, em boa parte, pelo cinema. São os filmes clássicos que constroem uma imagem superficial do campo e da profissão. Isto porque elegem um modelo de narrativa que não suporta personagens densos, contentando-se com o aplauso rápido e domesticado do grande público. Meu intuito é observar como o cinema brasileiro contemporâneo representa o campo e a profissão. O filme Um céu de estrelas (1996), de Tata Amaral, é nosso objeto. A análise aborda os motivos pelos quais o filme distancia-se do melodrama e aproxima-se do conceito de tragédia (Raymond Williams), e de que maneira o jornalismo (o telejornalismo) é representado. (Continua...)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

31-07-2017

Como Citar

NOGUEIRA, L. Cinema e Jornalismo: o ensino de jornalismo através do cinema. Revista UFG, Goiânia, v. 9, n. 4, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48184. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos