A LEGITIMIDADE DA NORMA MORAL E JURÍDICA NA ACEPÇÃO DE KELSEN E KANT - DOI: http://dx.doi.org/10.5216/rfd.v41i3.41512

Autores

  • Neuro José Zambam Faculdade Meridional (IMED) http://orcid.org/0000-0001-5692-9984
  • Lucio Henrique Spiazzi Algerich Antunes Centro Universitário Franciscan
  • Ricardo Antônio Rodrigues Instituto Federal Farroupilha

DOI:

https://doi.org/10.5216/rfd.v41i3.41512

Palavras-chave:

Justiça, Lei, Moral

Resumo

Resumo: O objetivo deste artigo é apresentar a concepção de Kelsen e Kant sobre a legitimidade da lei moral e da norma jurídica, bem como os seus fundamentos e suas características. Sabendo que o direito e a moral integram a história da humanidade em vista da efetivação das condições de justiça, o seu conteúdo e a sua respectiva prática fomentam a atualização das normas, a fim de responder às demandas do contexto social, normalmente complexo e dinâmico. Com a mesma intensidade as referências inseridas na tradição jurídica representam o fortalecimento do ordenamento social e das instituições. O vigor da democracia depende do amadurecimento dos valores morais, da capacidade de legislar de forma coerente e, assim, contribuir para a estabilidade social seja política, seja institucional. O método investigativo-bibliográfico a partir de autores da tradição orienta este estudo que reflete questões contemporâneas, especificamente, os fundamentos da legitimidade das regras que objetivam a justiça. A moral e a lei de forma complementar são a principal referência para a solução dos graves problemas da atualidade.


Abstract: The aim of this paper is to present Kelsen and Kant’s point of view on both moral law and rule of law legitimacy, its foundations and its features. Knowing that law and moral are an element of the human history aimed for fulfilling the conditions for justice, its contents and their respective practices to promote the updating of standards in order to answer the demands of the social context, which are usually complex and dynamic. In the same way, references in the legal tradition represent the strengthening of the social rules and its institutions. Democracy’s strength depends on the maturation of moral values, the capacity for legislating coherently and, thus, for contributing to social stability, either politically or institutionally. Investigative-bibliographic method from traditional authors guides this study, which reflects contemporary issues, specifically, the foundations of legitimacy of rules that aim justice. Morality and law, complementarily, are the main reference to solve the tough nowadays problems.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neuro José Zambam, Faculdade Meridional (IMED)

Pós-Doutor em Filosofia na Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Doutor em Filosofia pela PUCRS. Professor do Programa de Pós-graduação em Direito da Faculdade Meridional - IMED – Mestrado. Professor do Curso de Direito (graduação e especialização) da Faculdade Meridional – IMED de Passo Fundo. Membro do Grupo de Trabalho, Ética e cidadania da ANPOF (Associação Nacional dos Programas de Pós Graduação em Filosofia). Pesquisador da Faculdade Meridional. Coordenador do Grupo de Pesquisa: Multiculturalismo, minorias, espaço público e sustentabilidade. Líder do Grupo de Estudo, Multiculturalismo e pluralismo jurídico. Líder do Centro brasileiro de pesquisa sobre Amartya Sen: interfaces com direito, políticas de desenvolvimento e democracia. E-mail: neurojose@hotmail.com; nzambam@imed.edu.br.

Lucio Henrique Spiazzi Algerich Antunes, Centro Universitário Franciscan

Acadêmico de Ciências Econômicas na Universidade Federal de Santa Maria – UFSM. Acadêmico de Direito no Centro Universitário Franciscano, com intercâmbio em Direito Internacional na Universidade de Lisboa – ULISBOA (2015-2016). Membro do Grupo de Pesquisa em Neurociência e Teoria do Direito do Centro Universitário Franciscano. E-mail: lucioantunes@outlook.com.

Ricardo Antônio Rodrigues, Instituto Federal Farroupilha

Pós-Doutor em Filosofia na Universidade Federal de Pelotas. Professor do Instituto Federal Farroupilha. Doutor em Filosofia pela PUCRS. Membro do Centro brasileiro de pesquisa sobre Amartya Sen: interfaces com direito, políticas de desenvolvimento e democracia. Coordenador do Curso de Licenciatura em Educação do Campo: habilitação em Ciências da Natureza, Campus Jaguari. E-mail: rianro@gmail.com; ricardo.rodrigues@iffarroupilha.edu.br.

Referências

BOBBIO, Norberto. Direito e Estado no Pensamento de Emanuel Kant. 3. Ed. Tradução de Alfredo Fait. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1995.

FERRY, Luc. Kant: uma Leitura das Três Críticas. 2. Ed. Tradução de Karina Jannini, Rio de Janeiro: Difel, 2010.

GOLDENSOHN, Leon. As Entrevistas de Nuremberg: conversas de um psiquiatra com os réus e as testemunhas. Tradução de Ivo Korytowski. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

KANT, Immanuel. Crítica da Faculdade do Juízo. 2. ed. Tradução de Valério Rohden e Antonio Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

______. Crítica da Razão Pura. Tradução de Alexandre Fradique Morujao. 8. ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2013.

______. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Tradução de Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 1997.

KELSEN, Hans. A Democracia. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

______. Teoria Pura do Direito. 6. ed. Tradução: João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes.1998.

MELLO, Marcos Bernardes de. Teoria do fato Jurídico: plano da Existência. 12. ed. São Paulo: Saraiva. 2003.

MISES, Ludwig Von. Ação Humana. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2010.

MORENTE, Manuel García. Fundamentos de Filosofia. 8. ed. Tradução de Guilhermo de la Cruz Coronado. São Paulo: Mestre Jou, 1980.

MOTTA, Carlos. Kant e o Sono Dogmático: Influência de Hume na compreensão da causalidade. Revista Páginas de Filosofia. v. 4, n.1, p. 17-38, jan/jun, 2012.

SANDEL, Michael J. Justiça: O que é fazer a coisa certa. 16. ed. Tradução de Heloísa Matias e Maria Alice Máximo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

VICENTE, Dário Moura. Direito Comparado. 3. ed. Vol. 1. Coimbra: Almedina, 2014.

Downloads

Publicado

2017-12-28

Como Citar

ZAMBAM, N. J.; SPIAZZI ALGERICH ANTUNES, L. H.; RODRIGUES, R. A. A LEGITIMIDADE DA NORMA MORAL E JURÍDICA NA ACEPÇÃO DE KELSEN E KANT - DOI: http://dx.doi.org/10.5216/rfd.v41i3.41512. Revista da Faculdade de Direito da UFG, Goiânia, v. 41, n. 3, p. 11–33, 2017. DOI: 10.5216/rfd.v41i3.41512. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revfd/article/view/41512. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos