GLOBALIZAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A APROPRIAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

Autores

  • Alessandra Figueiredo dos Santos Universidade do Estado do Amazonas
  • Aline Ferreira de Alencar Universidade do Estado do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.5216/rfd.v34i02.10026

Palavras-chave:

GLOBALIZAÇÃO, APROPRIAÇÃO, BIODIVERSIDADE

Resumo

Embora não haja consenso quanto à sua definição, a globalização ou mundialização pode ser considerada como o processo de interligação econômica e cultural, em nível planetário, que ganhou intensidade a partir da década de 1980, em razão do rápido crescimento dos principais centros das sociedades modernas, como os mercados financeiros e as redes de informação. Esse fenômeno trouxe benefícios em alguns setores em nível mundial, mas também foi responsável pelo aumento das desigualdades sociais e pelo aprofundamento das discrepâncias entre países ricos e pobres. Além disso, a globalização está diretamente relacionada à apropriação da biodiversidade, haja vista que os recursos naturais passam a ser utilizados de forma a aumentar os lucros dos países desenvolvidos, em detrimento dos países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, os quais possuem sua biodiversidade espoliada. Observa-se, ainda, que o Direito possui papel relevante para a tutela do acesso aos recursos naturais, nada obstante, acabe sendo responsável pela apropriação da biodiversidade, motivo pelo qual a situação deve ser repensada pelo Poder Público, pelos operadores do Direito e por toda a coletividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Figueiredo dos Santos, Universidade do Estado do Amazonas

Advogada. Mestre em Direito Ambiental pela Universidade do Estado do Amazonas. Especialista (latu sensu) em Direito Tributário e Legislação de Impostos.

Aline Ferreira de Alencar, Universidade do Estado do Amazonas

Downloads

Publicado

2010-12-31

Como Citar

FIGUEIREDO DOS SANTOS, A.; FERREIRA DE ALENCAR, A. GLOBALIZAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A APROPRIAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Revista da Faculdade de Direito da UFG, Goiânia, v. 34, n. 02, 2010. DOI: 10.5216/rfd.v34i02.10026. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revfd/article/view/10026. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos