Distinção social, distanciamento da realidade, felicidade, ou necessidade?

Um ensaio sobre o consumo, sua importância e significados na interpretação de Pierre Bourdieu, Jean Baudrillard e Zygmunt Bauman

Autores

  • Alexandre Salles Universidade Federal do Espírito Santo
  • Sarah Linhaus

DOI:

https://doi.org/10.5216/reoeste.v6i1.64598

Palavras-chave:

Consumo; ostentação; felicidade

Resumo

A partir do advento do capitalismo, o consumo tem sido objeto de intenso debate acadêmico em Economia, tanto na abordagem ortodoxa quanto na heterodoxa. Veblen foi o precursor da interpretação não neoclássica do tema, mas não viveu para assistir as profundas mudanças ocorridas no âmbito do consumo após o fim da segunda guerra mundial. Contudo, Bourdieu, Baudrillard e Bauman foram expectadores deste processo. Eles desenvolveram conceitos e princípios teóricos sobre consumo de grande relevância para as ciências sociais em geral. Assim, o objetivo do artigo é investigar suas interpretações sobre consumo, enfatizando três aspectos centrais que envolvem o tema e que são pouco discutidos no debate econômico, quais sejam: a distinção social, o distanciamento da realidade, e o entendimento que o consumo pode gerar felicidade. Os autores defendem que, na modernidade, e mediadas pela publicidade, as pessoas têm usado o consumo como forma de ostentação, de dissociação de suas responsabilidades, e como mecanismo de escape da realidade. Os autores criticam essa postura a partir de elementos teóricos elaborados no âmbito da Sociologia e da Filosofia. Conclui-se que a interconexão de suas abordagens contribui para uma interpretação contemporânea, heterodoxa e interdisciplinar do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-09-25

Como Citar

SALLES, A.; LINHAUS, S. Distinção social, distanciamento da realidade, felicidade, ou necessidade? : Um ensaio sobre o consumo, sua importância e significados na interpretação de Pierre Bourdieu, Jean Baudrillard e Zygmunt Bauman. Revista de Economia do Centro-Oeste, Goiânia, v. 6, n. 1, p. 51–75, 2020. DOI: 10.5216/reoeste.v6i1.64598. Disponível em: https://revistas.ufg.br/reoeste/article/view/64598. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos